Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

A China é a segunda maior economia do mundo.

O edifício mais alto na China é o centro finaceiro de Shanghai - o Shanghai World Financial Center's - cuja característica mais distintiva é o buraco trapezoidal em cima do edifício. Supôs-se originalmente que ele fosse um buraco circular, no entanto o desenho foi modificado quando algumas pessoas pensaram que o buraco circular foi demasiadamente semelhante ao sol crescente da bandeira japonesa.
Foto: inhabitat.com
 A China se tornou a segunda maior economia do mundo, assim o Japão finalmente rendeu o seu reinado de 42 anos de idade, depois que as figuras oficiais mostraram uma contração no último trimestre.

 A China tem reivindicado desde antes em 2008 que vinha ou estava prestes a se tornar em breve, a segunda maior economia do mundo.

 Até agora, os economistas japoneses patrioticamente refutam os números chineses. No entanto, os gastos do consumidor fraca e um iene forte viu o produto interno bruto do Japão (PIB) cair em uma taxa anualizada de 1.1pc no último trimestre.

 A China permitiu se lançar a frente com um PIB total de 5.88 trilhões de dólares (3.68 trilhões de libras esterlinas) para 2010, com base no dólar não nominal ajustado, em comparação com 5.47 trilhões de dólares para o Japão.

 Em comparação, os Estados Unidos registraram um PIB de US$ 14 trilhões em 2009, mas os especialistas previram que, depois de vencer no passado a Alemanha, a França, o Reino Unido e, agora, o Japão, a China vai ultrapassar os Estados Unidos já em 2030.

 Previsões semelhantes foram feitas para as perspectivas do Japão durante a década de 1980. No entanto, após mais de uma década, sendo ultrapassado pela China isso reflete o declínio do poder político e econômico do Japão.

 Uma vez o maior inimigo da China, e seu rival, as perspectivas do Japão estão agora dependentes de laços com o seu maior vizinho, admitiu o governo .

 "A questão importante para o Japão é como se incorporar [e se beneficiar] ao crescimento da China", disse Yukio Edano, o secretário-chefe do Gabinete, apontando que a riqueza per capita do Japão é ainda dez vezes mais que a da China, talvez oferecendo ao Japão a capacidade de investir e lucrar com o crescimento chinês.

 Kaoru Yosano, ministro da Política Fiscal, acrescentou: "Congratulamo-nos, como uma nação vizinha, que a economia da China esteja avançando rapidamente. Isso pode se tornar um alicerce para o desenvolvimento da economia regional. "

 Ele acrescentou: "Nós não estamos controlando a economia para concorrer a classificação, mas para melhorar a vida das pessoas."

 Para a China foi um momento de triunfo. "A China tem feito mais do que qualquer outra economia para tirar o mundo da recessão e pode continuar a ser um importante motor de crescimento global para os próximos anos", afirmou um artigo de opinião no jornal China Daily, o jornal oficial em Inglês.

 A China tem crescido consideravelmente nos últimos anos como potência mundial, mas o Partido Comunista continua nervoso sobre assumir o manto de uma superpotência econômica, especialmente tendo em conta o desenvolvimento contínuo da China.

 "A China supera o Japão para se tornar a segunda maior economia do mundo - mas não a segunda mais forte", disse a manchete do jornal Diário do Povo.

 Enquanto isso, outras estatísticas econômicas mostraram que o excedente comercial da China caiu para o menor nível em nove meses, em janeiro, após subirem as importações. O superávit comercial encolheu para US$ 6,5 bilhões de US$ 13,1 bilhões em dezembro, bem abaixo das previsões.

 Foi o terceiro mês consecutivo de queda para o superávit comercial, no entanto, o início precoce de férias deste ano do Ano Novo Lunar poderia ter afetado as exportações.

 Os trabalhadores nas fábricas costeiras tendem a começar a viajar para casa nas duas semanas antes do feriado começar, e este ano alguns trabalhadores são notificados por ter vencido as concessões de férias extras nas fábricas do sul do país que continuam desesperadas pelo pessoal.

 Embora o Japão continue a ser cerca de 10 vezes mais rico numa base per capita, de acordo com o Fundo Monetário Internacional, a resposta à notícia por parte do público japonês foi para uma demissão.

 "A diferença vai ampliar a partir de agora", disse Takehide Yoshiura, um assalariado de 43 anos no distrito de Tóquio Shimbashi.

 Naomasa Mitsuishi, também de 45 anos, disse: "Eu não tenho sentimentos fortes sobre a China superando o Japão, porque o Japão tem pouco espaço para o crescimento do PIB em comparação com a China".

Fonte: http://www.telegraph.co.uk/finance/economics/8322550/China-is-the-worlds-second-largest-economy.html
Fotos: http://inhabitat.com/shanghai-tower-by-gensler/attachment/17064/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology