Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Irã não é capaz de atacar a Europa mas Washington insiste em 'não START' com Moscow.


Mapa mostra as forças nucleares estratégicas da Rússia e o alcance dos radares dos EUA e da Europa. Numa hipotética ameaça de mísseis do Irã, o radar russo de Gabala no Azerbaijão se anteciparia ao lançamento da defesa da Europa interceptando o míssil ameaçador antes de cruzar o Mar Negro, descartando assim o radar checo e os misseis na Polônia. foto: forum.utro.ru



 A Rússia exprime repetidamente a sua preocupação sobre o programa de defesa de míssil dos Estados Unidos na Europa. O jornalista Pepe Escobar, duvidando das capacidades do sistema, diz que Moscow tem todo o direito de estar incomodado.

 Escobar, um correspondente de Asia Times Online, declarou que o  acordo da defesa antimíssil recente (AMD) que os E.U.A. assinaram com a Romênia "não reinicializava a relação" com Moscou.

"Estamos finalmente de volta às mesmas políticas da guerra-fria".

 "Ninguém sabe se a defesa antimíssil funciona," disse ele a RT. "Esse é um multi-bilhonário, quase trilhonário, programa de dólares. É típico para manter a complexa corrida militar industrial."

 A história não se transformou nos últimos 10 anos - Washington ainda está tentando cercar a Rússia, reclamou Escobar. E as alegações da Rússia de que o escudo esteja apontado contra ela são absolutamente válidas, disse ele.

Alcance dos mísseis ainda em desenvolvimento no Irã.
 "Alguns dos melhores estrategistas militares no mundo estão na Rússia," diz Escobar. "Eles sabem que o Irã, em primeiro lugar, não tem capacidade de atacar a Europa, mesmo se eles quisessem. E, em segundo, eles podem ser um regime de linha muito difícil, mas eles não são suicidas. Portanto esta desculpa contra Ahmadinejad é ridícula."

 O potencial de uma corrida armamentista depende da reação da Rússia em relação a Washington, predisse ele. Os testes de AMD não foram prósperos por enquanto, portanto não se espera que algo realmente perigoso de Moscow emerja do sistema durante pelo menos sete anos, ele concluiu.

 A recente ponta de lança na atividade destaca o compromisso de Washington de não só continuar com o projeto do escudo de defesa de míssil europeu, mas também estender e reforçá-lo, apesar da indicação de que há dois anos os EUA quis abandonar o esquema. É a visão de Rick Rozoff, um especialista em assuntos internacionais do movimento "Stop NATO".

Alcance dos mísseis do Irã (Sharab-3), da Coréia do Norte (Taepodong-1 e 2, se concluído) e
da Rússia o ICBM SS-18 Satan.
  Rozoff acrescenta que as reclamações americanas de uma ameaça oriunda da Coréia do Norte ou do Irã são puramente fictícias.

 "O que estamos falando é sobre um salto potencial do sistema de primeiro ataque," diz o especialista. "Isto significa que no caso de os E.U.A. ou os seus aliados da OTAN lançarem o que eles descreveriam como um ataque 'de preempção' - mas na verdade uma primeiro ataque - contra uma nação como a Rússia, o sistema de defesa de míssil criado trabalhará para assegurar que qualquer míssil sobrevivendo a este ataque 'de preempção' não ofereça ameaça à retaliação," ele explica.

 "Isso não é defesa," conclui Rick Rozoff, pensando que do ponto de vista geográfico, o posicionamento dos foguetes não faz sentido visto que eles não interceptarão efetivamente ameaças de Pyongyang ou de Teerã.

Fonte: http://tv.globalresearch.ca/2011/09/amd-un-resets-washingtons-relations-moscow

Leia também:

Rússia prepara-se para os piores cenários possíveis no desfecho do mundo.
Projeto Anaconda visa cercar a Rússia com mísseis da OTAN.
China e aliados apoiam a Rússia contra o escudo anti-mísseis global de EUA-OTAN.
Rússia e OTAN já vigiam espaço aéreo mas seguem em desacordo com o escudo anti-mísseis.
Apesar do tratado START Estados Unidos segue com seus planos de mísseis.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Projeto Anaconda visa cercar a Rússia com mísseis da OTAN.

Como os americanos controlam o espaço russo.





 - "A sua missão é neutralizar nossas armas nucleares e empurrar-nos para fora das grandes áreas dos oceanos do mundo. Neste caso - Mesmo a partir do Mar Negro. 
 A Turquia, é claro, tem suas próprias opiniões sobre o sistema de defesa antimísseis, mas a Romênia é um peão nas mãos dos EUA, e sua elite só existe por causa do apoio norte-americano. O mesmo pode ser dito sobre a Polônia. Como resultado, há uma cadeia de sites de defesa de mísseis dos EUA ao longo da fronteira russa, que se estende da Turquia através de Romênia e Polônia para a Noruega."



 Os EUA e a Romênia assinaram um acordo sobre a implantação dos elementos de um sistema de defesa antimísseis dos EUA. Anteriormente foi relatado que alguns elementos do sistema EUROPRO aparecerá na Turquia. Tudo indica que os EUA e a  máquina militar da OTAN estão inexoravelmente se aproximando das fronteiras russas.



 O acordo EUA-Romênia foi assinado em 13 de setembro durante uma visita a Washington do presidente romeno Traian Basescu. O documento foi assinado pelos chanceleres dos dois países - Hillary Clinton e Theodore Baconschi. Mais tarde, Barack Obama se reuniu com os participantes das negociações, embora inicialmente ele não estava planejando se encontrar com Basescu.

 Segundo o documento, até 2015 elementos de um sistema terrestre de defesa anti-mísseis dos EUA aparecerá na antiga base da Força Aérea romena de Deveselu. Esses incluem um radar (SAR) complexo Aegis, um centro de controle operacional, e baterias de mísseis móveis com Standard Missile-3 (SM-3) míssil interceptor. Cerca de 200 militares dos EUA irão residir na base, mas se for necessário este número será aumentado para 500.

 Nada foi dito com relação ao fato de que a base de mísseis será dirigida contra a Rússia. Mais cedo, autoridades dos EUA e Basescu repetidamente reiterou que a defesa antimísseis não é dirigida contra a Rússia. No entanto, recentemente, houve um outro evento que fez o lado russo dúvida dessa afirmação. 


Fases da implantação do sistema de defensa de mísseis da OTAN-EUA.







 Algum tempo atrás os Estados Unidos e a Turquia anunciaram que o território turco sediaria um sistema de radar de alerta rápido, o EUROPRO. O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros turco Selcuk Unal disse que a decisão de implementar um sistema projetado de proteção contra ataques de mísseis pelos EUA e a OTAN foi adotada na Cúpula de Lisboa em 2010. A Turquia tem contribuído ativamente para esses planos originais e fez uma contribuição significativa para o trabalho. O documento acrescentou que tem havido negociações sobre a extensão da participação da Turquia neste sistema, que entrou finalmente em fase final.

 Segundo o diplomata turco, o radar será localizado na parte sudeste do país. Isso permitirá a "varredura" da área com um raio de vários milhares de quilômetros. A Turquia insiste que o novo objeto não é dirigido contra ninguém, especialmente contra a Rússia. Isso só vai permitir que o país  contribua para o desenvolvimento de um novo sistema de segurança da OTAN.

Defesa de mísseis e bases de lançamento russas.







De acordo com os planos americanos, a Turquia primeiro vai hospedar um radar móvel AN/TPY-2 do sistema de detecção. Em 2015 haverá a versão marítima - e novos radares terrestres de modificação do SM-3. Posteriormente, o sistema será melhorado, de forma que reflita com sucesso a ameaça contra os Estados Unidos e a Europa de mísseis de médio e longo alcance.

 A aparência dos dois objetos, semelhantes na proximidade imediata das fronteiras da Rússia, não podia deixar de preocupar a liderança do país. Em sua declaração, o Ministério russo dos Negócios Estrangeiros sublinhou a necessidade de assinar um acordo especial com clareza, onde se estipule que os elementos de uma defesa anti-mísseis dos EUA não são dirigidos contra a Rússia. "A evolução só aumenta a urgência da necessidade de obter garantias sólidas, juridicamente vinculadas a partir dos EUA e da OTAN, de que as instalações de defesa anti-mísseis sendo implantadas na Europa não são dirigidos contra as forças estratégicas nucleares da Rússia", comentou o MFA.

Os Estados Unidos e sua defesa de mísseis no mundo - proteção de longo alcance.

 "O acordo com a Romênia para implantar uma versão terrestre do sistema de mísseis SM-3 e Aegis na antiga base aérea na Deveselu, bem como o recente anúncio da implantação iminente dos EUA da base de alerta antecipado anti-míssil com o radar AN TPY/-2 na Turquia, sugere que a implementação dos planos de mísseis dos EUA e da Europa é rápido e suave. Isso está acontecendo em meio a uma falta de progresso no diálogo OTAN-Rússia e nas convesas russo-americanas sobre o tema da defesa anti-mísseis ", comentou o Ministério.

 "Programado para implantação na Romênia em 2015, independentemente da evolução dos desafios de mísseis reais, uma base de defesa antimíssil é outro elo na infra-estrutura estratégica do sistema global de defesa antimísseis desenvolvido pelos EUA. O Conselho OTAN-Rússia precisa desenvolver decisões eficazes e orientadas sobre o objetivo e a arquitetura da defesa de mísseis na região", salientou o Ministério russo dos Negócios Estrangeiros. 


 Pode-se acrescentar que os objetos na Romênia e na Turquia não são os únicos deste tipo. Os Estados Unidos e a Polônia concordaram em instalar mísseis interceptores Patriot em uma base polonesa na cidade de Morag. A distância entre esse objeto para Kaliningrado tem mais de 100 quilômetros. Como no caso da Romênia, as autoridades polacas também têm afirmado repetidamente que a defesa anti-mísseis russa não está ameaçada. Inicialmente, foi planejada para colocar estes mísseis perto de Varsóvia, mas eles acabaram sendo "empurrados" para a fronteira russa. Finalmente, mais ao norte há um radar americano na Noruega, na cidade de Varde, localizada perto da fronteira russa.

Defesa de mísseis dos americanos e aliados.



 Embora oficialmente a sua função seja monitorar o lixo espacial, os militares russos e diplomatas suspeitam que ele foi colocado em violação do Tratado ABM de 1972. A Rússia realiza conversações regulares sobre o funcionamento desta facilidade com os EUA e Noruega.

 O que significa o surgimento de uma cadeia de objetos de um sistema de defesa antimíssil dos EUA na fronteira russa? Especialista em assuntos militares e vice-presidente sênior da Academia de questões geopolíticas Konstantin Sivkov falou sobre este assunto em uma entrevista com Pravda.ru: 
 "Os EUA e a OTAN prosseguem a política de cerco à Rússia com suas bases no âmbito do ciclo do projeto 'Anaconda' . Nosso país ainda é percebido pelos americanos como o principal adversário estratégico, e eles nem sequer fazem qualquer segredo disso.

Autor: Vadin Trukhachev

Fonte: http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=26595

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

As demolições controladas das torres-gêmeas: a arte da guerra.


Em certos casos onde os governos dizem teoria conspiratória leia-se fatos ocultados.  

Muitas teorias de conspiração sobre o 11/9 foram apresentadas para explicar os ataques de 11 de setembro de 2001, muitos deles afirmando que pessoas no governo dos Estados Unidos sabiam de antemão sobre os atentados e propositadamente permitiu-lhes ocorrer, ou os ataques foram orquestrados pelos próprios EUA, como um pretexto para a "Guerra ao Terror", as guerras no Afeganistão e Iraque, o aumento da militarização, a expansão do estado policial, e outras políticas nacionais e estrangeiras intrusivas através do qual eles se beneficiariam. Proponentes apontam para o Projeto para o Novo Século Americano, uma equipe conservadora que defende a aumento da liderança mundial dos Estados Unidos , cujos membros incluem o ex-Secretário de Defesa Donald Rumsfeld, o ex-Vice Presidente Dick Cheney e várias outras figuras chave da administração Bush, seja responsável pelos ataques. Os Atentados de 11 de março de 2004 em Madrid e os Atentado em Londres de 7 de julho de 2005 também são considerados pelos teóricos de conspiração como responsabilidade dos serviços secretos, como a CIA, sob ordens dos EUA.*

Professor de física norte americano e especialistas divulgam após comprovação científica que as torres-gêmeas foram demolidas.

 O que pensariam as pessoas se a polícia, após uma explosão suspeita fizesse ruir uma casa matando as pessoas que nela habitavam e em seguida rapidamente removesse e destruísse tudo aquilo que restasse? Foi o que fizeram, há dez anos, as autoridades estado-unidenses: ordenaram a remoção imediata das estruturas em aço das torres caídas no 11 de Setembro de 2001 em Nova York. Não há nenhuma dúvida, na versão oficial, de que a causa não foi o incêndio provocado pelo impacto dos aviões desviados por terroristas. As 300 mil toneladas de aço das torres foram em grande parte recicladas em fundições asiáticas, salvo 24 toneladas dadas à empresa Northrop Grumman (um das maiores empresas militares do Pentágono) para construir um navio-símbolo, o New-York: o primeiro de uma nova geração de unidades de assalto anfíbias para a guerra global ao terrorismo, justificada pelo ataque contra as torres-gẽmeas mostradas incessantemente. 

 Em contrapartida, nem um grama de aço foi dado aos engenheiros especialistas de estruturas conforme o solicitado para o objetivo de examinar as colunas e vigas e remontar algumas seções a fim de determinar com certeza as causas da derrocada. "Uma tal decisão – declara Frederick Mowrer da Universidade de Maryland, professor de engenharia de proteção contra incêndios – compromete todo o inquérito sobre os desabamentos. Julgo muito inquietante a rapidez com a qual foram removidas e recicladas provas potencialmente importantes" ( The New York Times, 25/Dezembro/2001). Nenhuma torre desse tipo, de fato, jamais ruiu por causa de um incêndio. O combustível dos aviões não teria podido desenvolver um calor capaz de fundir a maior parte no exterior das torres ainda que, no interior do ponto de impacto, se vejam pessoas incólume. A dinâmica da derrocada das torres gêmeas e da torre 7 (que não foi tocada pelos aviões) – sustentam diferentes especialistas – lembra uma demolição controlada, provocada por explosivos situados no interior. Por ter sustentado isso, o professor Steven Jones, professor de física, foi expulso da Universidade Brigham Young (Utah). Contudo, ele não desistiu. Com uma equipe da qual fazem parte também cientistas de outros países, publicou em 2009 na revista The Open Chemical Physics Journal (que submete a uma revisão científica todos os seus artigos a publicar) um estudo fundamentado na análise das amostras de poeiras recolhidas no Ground Zero. Estas revelam a presença de termite , uma substância não explosiva que produz uma reação química a uma temperatura de 2500 graus Celsius, com capacidade de fundir o aço, cortando-o como uma faca quente corta a manteiga. Vê-se numa foto uma coluna de aço cortada limpamente, em diagonal, com cores semelhantes às de uma vela. E como a termite não precisa de ar para queimar, a reação continua durante vários dias a desenvolver calor sob os escombros, enquanto os bombeiros as arrefecem com jato de água contínuos. 

 É sobre estas provas e outras, todas científicas, que se fundamenta o estudo do professor Steven Jones que desafia os cientistas apoiantes da versão oficial a refutarem a sua. Estes, contudo, recusaram-se a lê-la, dizendo que não tinham tempo para isso. Mas a versão oficial está em vias de ruir do mesmo modo como ruíram as torres: como um castelo de cartas. 

Autor: Manlio Dinucci

Para saber mais: 
O 11 de Setembro dez anos depois (texto em português) :
http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=26671
Vídeos e discussões: www.abovetopsecret.com

Why Indeed Did the WTC Buildings Completely Collapse? 
http://journalof911studies.com/volume/200609/WhyIndeedDidtheWorldTradeCenterBuildingsCompletelyCollapse.pdf
Architects and Engineers for 911 Truth. http://ae911truth.org/
[*] http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_teorias_de_conspiração

O original encontra-se em:
http://www.ilmanifesto.it/area-abbonati/in-edicola/manip2n1/20110906/manip2pg/14/manip2pz/309466/
e a versão em francês em:
http://www.mondialisation.ca/index.php?context=va&aid=26410


Leia também:

Caixões e campos de concentração nos EUA preocupam a sociedade americana.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Dilma Roussef: o desarmamento nuclear é fundamental para a segurança mundial.


 A presidente Dilma Rousseff participou nesta quinta-feira, no plenário da Organização das Nações Unidas (ONU), da reunião de alto nível sobre segurança nuclear, onde pediu a eliminação completa das armas nucleares.

 Dilma disse que o desarmamento nuclear é fundamental para a segurança mundial. "Todo o estoque de material nuclear voltado para uso militar escapa dos mecanismos multilaterais de controle, mas o desarmamento nuclear é fundamental para a segurança", afirmou.

 "É imperativo ter no horizonte previsível a eliminação completa e irreversível das armas nucleares. A ONU deve se preocupar com isso", enfatizou.

 "Sabemos que, para muitas nações, a energia nuclear continuará a ser alternativa para atender as necessidades energéticas, mas o compromisso do Brasil no uso pacífico é irreversível e está expresso em nossa Constituição Federal", acrescentou.

 Dilma afirmou ainda que, após o acidente em Fukushima, determinou investigações para identificar fatores de risco em relação às usinas nucleares. "O Brasil compartilha a preocupação internacional com segurança nuclear e se associa a suas iniciativas".


Rússia prepara-se para os piores cenários possíveis no desfecho do mundo.


Alerta máximo depois do tumulto no Oriente Médio. Jogos de Guerra até o final de setembro.

 O chefe maior do pessoal militar da Rússia afirmou que militares do país devem estar prontos para os piores cenários possíveis, observando que a situação política no mundo está se revelando complicada e inesperada.

 Falando em uma conferência de imprensa em Moscow, o general Nikolay Makarov do exército disse que as organizações militares da Rússia devem estar prontas para os piores desdobramentos possíveis. A situação no mundo está complicada e mudando constantemente, especialmente no Norte da África e no Oriente Médio. O que aconteceu nestas regiões era difícil de prever e os eventos desenvolvidos em uma velocidade tremenda, disse o general. Ninguém pode dizer agora o que acontecerá nesses lugares. Entretanto, é um sinal para todos os Estados. Nós, as forças armadas, devemos estar prontos para os piores cenários. ”

 O oficial superior dos militares da Rússia igualmente disse que os países da Organização do Tratado da Segurança Colectiva (CSTO) desenvolveriam logo uma aproximação comum ao uso de forças militares nacionais.

 “"Queremos desenvolver uma abordagem única no âmbito da CSTO para o uso da força militar", disse” o general russo ao falar sobre o exercício militar Center-2011 comum às forças militares de Rússia, Cazaquistão, Quirguistão e Tadjiquistão.

 "Além dos militares, todas as estruturas de poder dos outros países da CSTO que estão incluídos na estrutura militar estatal irão participar nestes exercícios. Na medida em que a Rússia está em causa, queremos verificar a organização militar do país como um todo, o lançamento de um complexo movimento de mobilização, incluindo a indústria", disse Makarov. "Hoje começamos um plano separado para implantar uma série de mobilizações das unidades militares", disse o general.

 O exercício militar aqui mencionado vai começar no final de setembro com a participação de mais de 12.000 militares, 70 aeronaves, 1.000 veículos de combate e a Flotilha do Cáspio em pleno vigor.

Fonte: http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=26512

Leia também:

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Washington aponta os Países BRICS como "uma Ameaça à Segurança Nacional".


Brasil, Rússia, Índia, China e recentemente África do Sul,  compõem o grupo das economias
emergentes BRICS.

 O secretário da Defesa Panetta incitou Washington a proteger o planeta contra tentativas desses países de arruinar a estabilidade global.

 Os países BRICS, onde se incluem o Brasil, a Rússia, a Índia e a China, foram listados entre os que se põem como uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos junto com o terrorismo, os ciber ataques e os programas nucleares do Irã e da Coréia Norte. O secretário da Defesa Leon Panetta incitou Washington a proteger o planeta contra tentativas desses países de arruinar a estabilidade global.

Crescimento comparativo dos BRICs, E.U.A. e Reino Unido (das familias com automóvel). 

 O plano de desenvolvimento dos Estados Unidos, aprovado no ano passado, não disse nada sobre qualquer ameaça que vem da Rússia ou da China. No fim de Agosto deste ano, o Pentágono acautelou o Congresso que em nove anos a China pode ter um exército tão forte como aquele dos Estados Unidos. O investimento robusto da China no seu complexo industrial militar lhe permitirá construir um potencial militar que poderia quebrar o equilíbrio de força na região, disseram os relatórios do Pentágono. Quanto à Rússia, o Pentágono não teve de especificar por que ele a listou como uma ameaça porque a Rússia é o único país do mundo cujo potencial nuclear estratégico é comparável com aquele dos Estados Unidos.

 Os dados recentes revelam, contudo, que os E.U.A. encabeçam a lista de países com altas despesas militares. As injeções do Pentágono no complexo industrial militar esclareceram os 40 por cento dos gastos de defesa totais em relação a outros países no ano passado. A Rússia é segunda na lista, e a China é a terceira. Desde que o investimento em armas novas exige o financiamento, o interesse americano pode igualmente ser atribuído ao poder econômico do grupo dos BRIC, que é agora BRICS, depois da África do Sul aderir ao grupo. Os países do BRICS demonstraram crescimento econômico rápido no calor da crise financeira.

 Mas para o fato de que Leon Panetta não é o único oficial dos E.U.A. da parte superior a fazer recentemente este tipo de indicação, seu relatório poderia ser considerado até agora um outro movimento dos “falcões” de Washington. Ainda mais desde que as relações dos E.U.A. com os russos foram caracterizadas enquanto uma restauração e os dois países se moveram distante da retórica da guerra fria. No entanto, a Secretária de Estado Hillary Clinton disse há alguns dias que os E.U.A. são o líder e outros países são seguidores. Essa é a  mesma razão por que Washington muitas vezes vê uma ameaça onde não há ninguém,  disse o Diretor do Centro de Pesquisa Social e Política Vlaimdir Yevseev em uma entrevista a um correspondente do "Voz da Rússia".

 "É desanimador que os Estados Unidos continuam percebendo a estabilidade como um mundo unipolar no qual ele mantém a posição dominante. Se você sentir um líder, sempre haverá alguém que você pensa que o está desafiando. No entanto, há um grande número de verdadeiras ameaças que têm de ser dirigidas pelo esforço conjunto."

 "A realidade consiste em que o mundo introduziu uma era 'pós-americana' e  Washington terá de aceitar esses termos", comentário de Andrei Volodin, do Diretor do Centro de Pesquisa Oriental na Academia Diplomática do Ministério Estrangeiro Russo.


BRICS, esperança da construção de uma nova era de prosperidade.

 "Nesta nova era, os E.U.A desempenharão um papel muito menos significante do que aquele que teve antes. Washington já não apreciará mais do direito de estabelecer as regras do jogo nas áreas financeiras, militares e políticas. A Rússia e um número de outros países europeus estão saindo gradualmente do controle dos Estados Unidos."

 Os políticos nos E.U.A. têm feito todo tipo de afirmação antes das pŕoximas eleições presidenciais. Os oponentes do presidente Obama, e existem vários, vem usando cada oportunidade de exprimir as suas opiniões.

 Os dias do Império Britânico, os colonizadores levaram adiante a assim chamada missão de civilização. Mais tarde, esta missão foi rebatizada `democratização'. Mas como acontece, há uma variedade de civilizações através do globo e suplementam-se razoavelmente bem, se não perturbadas.

Autor: Igor Levkov

Fonte: www.globalresearch.ca/

Leia também:

Quatro cenários para o fim da Superpotência Americana até 2025.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Manobras do Tupolev Tu-95 preocupam o Japão.

Tupolev Tu-95 Bear escoltado por caça Eurofighter Typhoon. Foto: www.dailymail.co.uk

 O Japão usará canais diplomáticos para manifestar à Rússia sua preocupação ante as manobras de bombardeiros russos perto do seu território, declarou Osamu Fujimura, secretário geral e porta-voz do  governo japonês.

  Dois bombardeiros estratégicos Tu-95 da Força Aérea da Rússia realizaram vôo de 14 horas perto do território do Japão embora em nenhum momento tenham violado seu espaço aéreo, segundo os militares japoneses que mobilizaram vários caças para escoltar-los e prevenir possíveis incurssões.

  “Também tomaremos medidas pertinentes no futuro, em função da reação da Rússia”, assegurou  Fujimura. Acrescentou que esse não foi o primeiro incidente em que aviões de guerra russos realizaram manobras perto do Japão ainda assim foi diferente das anteriores quanto ao alcance e o reabastecimento em vôo.

  Os Tu-95 entraram no espaço aéreo neutro perto de Nagasaki e tomaram rumo ao norte, até o Pacífico. Quando sobrevoaram as águas próximas à ilha de Hokkaido, se aproximaram deles dois aviões-tanque Ilyushin-78 para reabastece-los de combustível. Após isso, os quatro aviões seguiram até a Rússia .

  Entretanto, o Ministério dos Transportes japonês comunicou que a Rússia havia anunciado à Organização Internacional de Aviação Civil (OACI) a intenção de realizar exercícios nessa zona a uma altura de 4.800 - 7.500 metros.

  O coronel Vladimir Drik, porta-voz da Força Aérea da Rússia, informou que esse vôo, semelhantemente a todos os demais, efetuou-se sobre águas neutras e “em estrita consoância com as regras internacionais”.

  Rússia e Japão seguem sem firmar um tratado de paz desde o fim da Segunda Guerra Mundial devido à disputa de quatro ilhas Curilas do Sul (Iturup, Shikotan, Kunashir e Habomai).

Fonte: http://sp.rian.ru/Defensa/20110909/150539089.html

Leia também:

EUA receia colaborar com propaganda do poderio militar russo.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Helicóptero dos E.U.A. é espionado pela China depois de cair no Paquistão.



 Restos do helicóptero espião norte-americano que caiu no Paquistão durante a operação para aniquilar a Osama bin Laden, no mês de maio, poderiam ter acabado em mãos dos chineses.
 Contudo, os militares paquistaneses o desmentem categoricamente, insistindo em que todas as peças do MH-60 Black Hawk foram entregues aos Estados Unidos.

 No entanto,  certos perítos parecem dar crédito às notícias difundidas por alguns meios de imprensa sobre a “cooperação sino-paquistanesa” e consideram que desta maneira Islamabad está dando a entender a Washington que não é seu único aliado possível.
 Dois importantes periódicos, The Financial Times e o The New York Times, informaram que os paquistaneses supostamente tinham permitido a um grupo de engenheiros chinêses inspecionar e tirar fotografias dos restos do helicóptero.
 O MH-60 Black Hawk perdido pertencia ao 160 regimento e era uma das poucas unidades acondicionadas para operações especiais.

 Os diários citam fontes de entre as autoridades do país e os serviços de inteligência que asseguram que aos chineses não só se lhes permitiu estudar elementos da cauda do aparato avariado, como também colher mostras do revestimento radio-absorvente, cuja composição era secreta.

 A tecnologia usada nos helicópteros MH-60 Black Hawk é uma tecnologia  de baixa detecção a radares e estão dotados de equipamentos que reduzem o ruído dos motores para facilitar os trabalhos de reconhecimento durante missões noturnas.  

 De acordo com a versão oficial, enquanto os efetivos estavam desembarcando, o helicóptero foi arrastado por uma corrente ascendente de ar quente.
 Os tripulantes falharam ao avaliar a altitude de segurança e o rotor principal do aparelho chocou-se contra uma parede. O helicóptero perdeu estabilidade e caiu em terra ocasionando danos irreparáveis na hélice,  mas os tripulantes saíram ilesos e tomaram parte na operação.
Ao se retirarem, os soldados explodiram o helicóptero, mas uma série de fragmentos, foram supostamente examinados pelos engenheiros chineses.
Duas pernas valem mais que uma.
 “É um sinal significativo”, opinou o presidente do Instituto de estudos do Oriente Próximo, Evgueni Satanóvski. O especialista aponta que se, apesar das severas advertências dos E.U.A., Islamabad permitiu aos técnicos chineses examinar os restos do helicóptero, permitiu a vistoria considerando a cooperação estratégica com a China, em vista da suposta ameaça que a Índia exerce sobre o Paquistão.
 “Se somarmos todos os investimentos da República Popular da China na construção do porto de Gwadar e da estrada de Karakórum e os fundos investidos em diferentes projetos de desenvolvimento da infra-estrutura no Paquistão, incluídas os oleodutod e as fábricas metalúrgicas, pode se deduzir que Pequim é o principal sócio de Islamabad nas esferas econômica e militar”, explicou Evgueni Satanóvski.
 A reação oficial de Islamabad à operação, cujo objetivo era abater a Bin Laden, foi extremamente negativa, e as insinuações de que o famoso terrorista estava escondido com o consentimento dos militares paquistaneses provocaram uma resposta brusca do primeiro ministro do país Yusug Razá Guilani: ao Paquistão não convém ter tensões em suas relações com os Estados Unidos.
 “A China segue sendo para Islamabad um dos aliados mais próximos, mas o Paquistão não deixará de manter o equilíbrio entre os chineses e os norte-americanos, para não ofender a ninguém”, aponta o especialista do Instituto de estudos do Oriente, Serguei Kámenev. Na sua opinião, neste esquema poderiam produzir-se algumas mudanças de baixa importância, mas nestes tempos o equilíbrio das forças não se vê seriamente alterado e não existem indícios de que Estados Unidos ou China tenham mudado sua atitude sobre o Paquistão.
 Satanóvski considera que há mais aspectos negativos nas relações entre Islamabad e Washington, no entanto em sua opinião, ele não quer dizer absolutamente que os dirigentes do Paquistão se disponham a suspender todo o contato com Washington e reorientar-se a Pequim.
 “Em condições das relações serem mais distantes com Estados Unidos os paquistaneses usarão a China como uma janela para o mundo”, declara o especialista. Islamabad não quer romper relações com os E.U.A., mas sim quer dar-lhe a entender que tem uma alternativa. O Paquistão entende que é melhor estar apoiado em duas pernas que em uma”, concluiu.

Interesses contraditórios dos militares.

 A cooperação militar assume um papel chave nas relações entre Paquistão e China. Assim, o já mencionado porto de Gwadar com toda probabilidade terá duplo propósito, convertendo-se de fato em uma base naval chinesa.


 Atualmente no Paquistão se está implantando a construção dos caças ligeiros JF-17 Thunder, criados no marco do programa de cooperação bilateral. Ademais, os dois países têm firmado contratos de fornecimento de aviões de controle e alerta antecipada (AWACS), e prevê-se o fornecimento gratuito dos novos caças chineses, J-10. Tudo parece indicar que o segmento de equipamento militar de produção chinesa nas Forças Aéreas paquistanesas cada vez será mais dinâmico.


 Ao mesmo tempo, o Paquistão é um importante comprador de armas norte-americanas e o receptor da ajuda militar dos E.U.A.. O estreito vínculo segue unindo os círculos militares e a inteligência dos dois países durante muitos anos e tais episódios, como a luta contra a presença militar soviética no Afeganistão e contra o extremismo e o terrorismo islâmicos deram vida a algumas coalizões muito especiais.

 “Entre os militares e os dirigentes do Serviço de inteligência do Paquistão existem várias alianças, informa Serguei Kámenev. Não reina ali para nada um acordo absoluto”. Um grupo determinado de militares paquistaneses que assume uma postura pro Estados Unidos, estava favorável à operação contra Bin Laden e inclusive participou na tarefa de sua liquidação, apesar das declarações oficiais.

 Outros altos cargos dos círculos militares e dos serviços de inteligência apoiam a idéia da cooperação com a China: e para isto são mui importantes os fornecimentos de armas chinesas e a localização das tecnologias militares chinesas no Paquistão.

Fonte: http://sp.rian.ru/opinion_analysis/20110831/150399653.html

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

O míssil Lainer x míssil Bulavá.

Preparações para o lançamento do míssil Bulavá a partir do submarino porta-mísseis nucleares
de 4ª generação “Yuri Dolgoruki"

 O complexo russo de construção de armamentos estratégicos “Academico V.P. Makéev” anunciou o desenvolvimento do novo míssil de implantação em submarinos chamado Lainer, e segundo seus designers, este foguete balístico supera em potência o míssil Bulavá.

 Nos últimos anos, a indústria militar russa mostrou várias “surpresas” no projeto de armas estratégicas. Por exemplo, em 2007 foi posto em teste o novísimo sistema de mísseis balísticos intercontinentais RS-24 “Yars” equipados com uma ogiva de cabeças múltiplas. As provas deste míssil causaram assombro na comunidade internacional de especialistas. Agora se apresenta uma nova surpresa, desta vez no componente marítimo da tríade nuclear. 

A notícia que não é notícia.

 Em, 9 de agosto, alguns meios de imprensa russos, citando fontes do centro “Makéev”, informaram sobre a criação de um novo míssil que “por suas características energéticas supera a todos os foguetes estratégicos de propelente sólido existentes em Grã Bretanha, China, Rússia, Estados Unidos e França”.

 Este míssil “pode portar um número de ogivas duas vezes superior”, em comparação com a capacidade do míssil Bulavá”, informou a fonte.
Mas não é nenhuma notícia. O fato de que se está desenvolvendo o míssil Lainer se fez público em maio deste ano, desde então nenhuma informação nova tem sido informada.

 Na realidade, se trata da modernização da numerosa família dos mísseis balísticos R-29R/RM/RMU.
Os “predecessores” do Lainer, os mísseis R-29 RMU2 Sinevá (SS-N-23 Skiff, segundo o código da OTAN) desenhados a finais da década de 1990, integram o armamento dos submarinos estratégicos do projeto 667 Delfim.

 Em breve, estes submarinos serão submetidos a uma reparação geral em cuja ocasião serão equipados com o novo sistema de mísseis Lainer. 

 “Nossos submarinos porta-mísseis estratégicos do projeto 667 Delfim, que permanecem em serviço operacional, estão dotados dos foguetes Sinevá de combustível líquido.

 A subsequente perfeição destes submarinos, e, em particular, a instalação dos foguetes Lainer neles, lhes permitirá permanecer a serviço da frota russa durante muitos anos, até que se complete o programa de rearmamento que prevê substituir-los com os novíssimos submarinos do tipo Borei (projeto 995)”, - explicou a RIA Novosti uma fonte de alto nível no Ministério russo de Defesa.

 No entanto, segundo a mesma fonte, é incorreto comparar o Sinevá modernizado (Láiner) com os foguetes Bulavá.

 Porque ambos portadores têm características de construção  muito diferentes (Sinevá usa combustível líquido e Bulavá, sólido).
Além disso, se diferenciam pela massa da ogiva – 1.150 kg em Bulavá e entre 2.500 e 2.800, segundo diferentes dados, em Sinevá. Ao mesmo tempo, Sinevá é ao menos 4 toneladas mais pesado e uns 3 metros mais largo.

Dando preferencia ao propelente sólido.

 Há outra diferença: Sinevá e suas modificações estão destinados a ser montados nos submarinos porta-mísseis “sem futuro”. Estes submarinos do projeto 667 Delfim seguirão modernizando-se e, pelo visto, permanecerão em serviço operacional uns 20 anos mais, sendo que esta classe de submarinos não se desenvolverá mais tarde.

 Ainda que de momento, enquanto a Marinha de Guerra russa não incorpora em seus arsenais os novos submarinos nucleares da classe Borei (o primero deles, “Yuri Dolgoruki”,  já realizou o lançamento de teste do míssil Bulavá), serão os submarinos do projeto Delfim os utilizados para as missões de patrulha. E para tanto, necessitarão de modernos sistemas de mísseis.

 A competição hipotética entre Sinevá e Bulavá pelo sítio na Marinha é, até certo ponto, uma competição virtual. Os foguetes que empregam a dimetilhidracina assimétrica de combustível são realmente mais potentes que os que empregam o combustível sólido, porém são mais perigosos na utilização, especialmente na frota.

 Por exemplo, a explosão em outubro de 1986 de um míssil de propelente líquido no submarino soviético K-219 causou a intoxicação dos tripulantes do mesmo e seu posterior afundamento. Em muitas ocasiões sucederam acidentes mais “simples” quando os mísseis carregados de combustível caíam no momento da montagem nos submarinos e, ao golpear-se contra o pier ou o próprio submarino, se despressurizavam emitindo componentes tóxicos.

 “É verdade, o míssil Sinevá, já incorporado às Forças Armadas, tem mais potência e alcance que o míssil Bulavá, que emprega o combustível sólido. Contudo, a Rússia se orienta à construção, no futuro, dos mísseis balísticos de propelente sólido”, - informaram a RIA Novosti o Ministério de Defesa.

 Parece que é uma postura geral entre os militares: a frota estratégica nuclear passará a equipar-se com um único míssil de combustível sólido que será o Bulavá. Em qualidade de plataforma de lançamento se empregarão os submarinos nucleares do projeto 995 que já mudaram de sistemas de mísseis três vezes.

Lutas competitivas.

 Por trás da “notícia” sobre a criação de um “novo míssil”, mais “potente” que o Bulavá, se ocultam as contradições que existem no complexo militar-industrial do país.

 Durante muitos anos após a desintegração da União Soviética, o Instituto Moscovita de Tecnologia Térmica (MITT, suas siglas em russo), que desempenhou um papel central no desenvolvimento e construção de numerosos mísseis balísticos intercontinentais e alguns mísseis balísticos para submarinos (entre eles Tópol, Yars e Bulavá e, anteriormente, o não menos temível Pioner), na verdade, foi a única entidade que fornecia armamento às forças nucleares da Rússia.

 Tudo mudou durante o último ano. De repente (ainda que para alguns foi um momento esperado) os militares russos anunciaram que era necessário para substituir o lendário Satanás, o míssil balístico intercontinental R-36M2, que foi a principal arma das forças nucleares soviéticas e está tornando-se obsoleto, por um novo foguete pesado de propelente líquido. Nesta ocasião a “Oficina de desenho Academico V.P. Makéev” se encarregou de desenvolvê-lo.

 Parece que a indústria nuclear russa é um setor dos mais públicos apesar de seu caráter secreto, já que os construtores de mísseis não param de trazer animadas discussões na imprensa sobre o futuro do setor.

 Pelo visto, agora estamos ante uma destas discussões. Os rivais do MITT levantam a cabeça e pretendem ocupar um lugar digno no mercado, sobre tudo agora, quando os pedidos militares tem aumentado. A competência no mercado dos mísseis balísticos intercontinentais está se afiançando, enquanto as discussões continuarem.


Fonte: http://sp.rian.ru/opinion_analysis/20110812/150073153.html

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology