Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

domingo, 10 de abril de 2011

Estados Unidos lançam novo programa de defesa de mísseis para a Europa.





 Os Estados Unidos estão enviando um navio de guerra equipado com radar especial para o Mar Mediterrâneo na próxima semana, o primeiro passo no desenvolvimento de um amplo sistema de mísseis anti-balísticos para proteger a Europa contra a potencial ameaça nuclear iraniana, disse o Pentágono na terça-feira (01/03/2011).

 O movimento marca o primeiro plano de quatro fases da administração Obama de colocar na terra e no mar bases com radares e interceptores em vários locais da Europa na próxima década.

 Durante uma cúpula da OTAN em Lisboa no último outono, o escudo antimísseis provocou a oposição da Rússia e desencadeou longas negociações sobre a futura capacidade expandida para derrubar mísseis balísticos na região.

 John F. Plumb, diretor principal do Pentágono para a política de defesa nuclear e de mísseis, disse que o USS Monterey sairá de Norfolk, Virgínia, na próxima semana, rumo ao Mediterrâneo para uma missão de seis meses. A missão do navio, disse ele, irá lançar as bases para o plano de desdobramento dos mísseis de defesa lá.

 "Aqui é a primeira manifestação concreta do nosso compromisso com a defesa anti-mísseis de nossas forças desdobradas, aliados e parceiros na Europa", disse Plumb em uma entrevista. "Nós dissemos que íamos fazer, e agora estamos fazendo isso."


Os E.U.A. desenvolveram sítios de defesa de míssil na Califórnia e no Alasca como um impedimento à Coréia Norte, que testou sem êxito um míssil de variedade de 10.000 km o Taepodong-2. Dos rivais estratégicos dos E.U.A., a Rússia tem o míssil de maior alcance, o SS-18.

 Sob o plano definido pela administração Obama em 2009, o escudo antimísseis começará com interceptores e radares baseados em navios anti-mísseis. Ainda este ano, os Estados Unidos planeja adicionar os radares em terra no sul da Europa. Plumb disse que os funcionários ainda estão em discussões com diversos países, mas o local exato para os radares ainda não foi determinado.


 Na fase dois, interceptores em terra seriam implantados na Romênia, em 2015, seguido da colocação de interceptores na Polônia em 2018. Cada fase exige um interceptor mais sofisticado e eficaz, culminando no final da década com a implantação da última versão planejada neste momento.


 O objetivo é proteger os países da OTAN contra ataques de mísseis de médio alcance, no foco que é a crescente ameaça nuclear do Irã.

 O USS Monterey é um cruzador com mísseis guiados, equipado com um sofisticado sistema de radares Aegis. Outros navios de mísseis balísticos de defesa teriam sido implantados pela Marinha dos Estados Unidos no Mediterrâneo, desde 2009, mas este é a primeiro a ir para abrigar o novo plano de defesa européia.


 O governo Bush propôs a implantação de 10 mísseis interceptores na Polônia e um radar avançado na República Checa. Mas a Rússia se opos furiosamente e avisou que iria estacionar seus próprios mísseis perto da Polônia, caso o plano passasse.

 Em setembro de 2009, a administração Obama engavetou esse plano e ofereceu um novo programa de fases reconfigurado.

Seria assim o sistema proposto pelo antigo presidente Bush, os mísseis de defesa à base de terra seriam  implantados na Polônia e um sistema de radar para descobrir mísseis inimigos instalados em Brdy na República Checa. Pensa-se que o míssil Shahab-3 do Irã tem um alcance máximo de 2.000 km.

 Desde então, os Estados Unidos e as autoridades russas têm lutado para encontrar um terreno comum que também iria acalmar os receios de Moscou de que o sistema poderia alvejar ogivas russas ou comprometer a sua estratégia de dissuasão.


 Autoridades dos Estados Unidos estão procurando maneiras de cooperar com a Rússia, incluindo a possibilidade de combinação de sensores e compartilhamento de dados. Um argumento russo de ter controle conjunto sobre o sistema de defesa antimísseis foi rejeitado pelos os Estados Unidos.

Fonte: http://www.missilethreat.com/archives/id.7412/detail.asp#3-1-2011_7:30:00_PM

Comparação dos vetores de lançamento:

Rússia
Lançadores terrestres: 2,146
Lançadores marítimos: 1,392
Lançadores aéreos: 624

E.U.A.
Lançadores terrestres: 1,600
Lançadores marítimos: 3,168
Lançadores aéreos: 1,098



F
onte: 
Memorandum of Understanding (MOU) data 2007

Leia também: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology