Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sábado, 16 de outubro de 2010

A China conquista o mercado de armas mundial trapaceando com material de má qualidade.

Submarino Classe Lada. Foto:warfare.ru

 Especialistas dos Estados Unidos acreditam que a China copiou armas russas novamente. Desta vez foram os submarinos. Os analistas dos Estados Unidos dizem que a nova classe Iuan (Tipo 41 A, B, C) dos submarinos diesel-elétricos é roubo dos projetos Lada e Kilo russos.

 A China comprou  vários projetos de submarinos Kilo da Rússia no final dos anos 1990. De volta àqueles anos, os submarinos foram considerados os mais modernos submarinos não nucleares da Rússia, segundo disseram especialistas da Otan. Os submarinos Kilo são capazes de cobrir distâncias de até 700 km à velocidade de 5 km/h em modo silencioso, sem o risco de serem detectados pelos inimigos. Especialistas dos Estados Unidos reconheceram que os submarinos da classe Kilo equipados com o SS-N-27 submarinos de cruzeiro foram muito perigosos para os porta-aviões americanos. O preço mais barato do negócio foi o principal fator que atraiu a China: a Rússia vendia os submarinos por US$ 200 milhões cada, enquanto o custo de análogos ocidentais começaram a partir de US$ 400 milhões.


Submarino Classe Kilo. Foto:warfare.ru

 O primeiro submarino Kilo entrou para a marinha soviética no final dos anos 1980. A Rússia construiu 54 submarinos desses, a marinha russa recebeu 24 submarinos Kilo, outros 30 foram exportados para a China, a Coréia do Norte e o Irã.

 Os engenheiros soviéticos começaram a trabalhar em outra versão dos submarinos Kilo - o projeto 877 Lada - pouco antes do colapso da URSS. As obras foram suspensas em 1997 devido à falta de financiamento. O primeiro submarino russo Lada foi lançado apenas em 2009. Agora, a Rússia está construindo outro submarino Lada e pretende construir mais oito outros.

 Especialistas da OTAN consideram os submarinos Lada mais perigosos afirmam que é muito mais difícil descobri-lo por causa do revestimento de absorção de som e as chamadas hélices tranqüilas. O Lada é oito vezes menos barulhento do que o submarino Kilo; a sua resistência e variedade operacional são muito mais consideráveis.

 Quanto à frota submergível da China, a nação atualmente conta com 56 submarinos, inclusive três movidos a energia nuclear. O interesse crescente pelos submarinos a diesel pode ser explicado pelo fato de que os submarinos nucleares chineses são considerados muito barulhentos e assim são facilmente descobertos por navios de guerra dos Estados Unidos.


 Os engenheiros chineses observaram a qualidade? Muito provavelmente não. Os especialistas militares estrangeiros disseram que o novo Yuan Chinês é maior do que o Kilo e o Lada, mas possui características comuns no design. Um tamanho maior demanda uma maior tonelagem, que por sua vez modifica negativamente as qualidades militares.

 A China anteriormente teve autorização para a produção de submarinos soviéticos Romeo, que foram dublados na China como "Tipo 39." Os engenheiros chineses reconheceram que as evoluções no projeto foram baseadas nas tecnologias de defesa "state-of-the-art" da Rússia. Contudo, eles veementemente negaram o fato de terem feito uma cópia brusca, alegando que os tinham melhorado consideravelmente.

 Isto é um segredo aberto, que a China copiou um grande número de armas russas. A lista começa com os caças I-15 e I-16 soviéticos, sem falar do lendário rifle Kalashnikov.

 A lista continua com o morteiro D-30, os veículos blindados BMP-1 e BMP-3, o complexo antitanque Malyutka, o avião de carga militar An-12, o complexo de míssil disparado por ombro Strela-2, o sistema de míssil S-300, o morteiro Msta-S, o sistema de descarga de mísseis Smerch e outros armamentos. O último relatório de roubo foi referido ao Su-33, avião de caça baseado em convés.


Veículo Blindado BMP-1. Foto:army.russiansabroad.com
 Pode parecer estranho que a Rússia não tenha definido quaisquer reclamações para a China ainda. No entanto, a China é parceira de longa data da Rússia no domínio do comércio de armas e a Rússia não está disposta a estragar as relações com a China. A Rússia superestima a importância da cooperação de defesa com o gigante asiático? A China faz geralmente pequenas compras de uma só vez que não trazem muito lucro para a Rússia. Além disso, as compras são feitas simplesmente para copiar o original. Por exemplo, os chineses compraram um ou dois radares de caças da Rússia só para lançar a sua produção em série vários anos mais tarde.

Canhão 2S19 MSTA-S de 152 mm. Foto:army.russiansabroad.com
 A China está atuando como uma superpotência, cujo poder militar pode ser notado tanto no mar como no ar. Para cumprir o seu objetivo, a China tem copiado outras armas, presumivelmente de origem russa, para alcançar o seu concorrente primário - os Estados Unidos. Não é de se duvidar que a China acabará por perseguir seu objetivo. A Rússia fez o mesmo durante os anos 1930 e assim fizeram os japoneses, que atualmente lideram o pedestal do progresso tecnológico. Como resultado, os submarinos chineses estarão patrulhando a orla costeira dos Estados Unidos, como os navios soviéticos usados para fazer isso", disse a Pravda.Ru, Konstantin Sivkov, vice-presidente da Academia de Problemas Geopolíticos.

O "Smerch" Sistema de Lançamento Multiplo de Foguetes (MLRS) é o mais poderoso e perfeito MLRS do mundo. Foto:www.army-guide.com
 O fato de que a China se tornou muito rápida na cópia de armas russas e lançá-las em produção em série mostra que o país alcançou o nível industrial moderno. O problema é com a qualidade. As armas chinesas têm fama no mundo como baratas e descartáveis. No entanto, o gigante asiático pode, eventualmente, resolver esse problema também algum dia. Neste caso, a China poderá facilmente conquistar os mercados mundiais de armas.

Por Sergey Balmasov 

Fonte: http://www.pravda.ru/world/asia/fareast/04-10-2010/1051768-kilo-0/

Rússia mais do que apenas surpresa em relação aos planos dos Estados Unidos para criar um Cáucaso unificado.


 A Geórgia praticamente anulou o regime de vistos para os moradores das repúblicas do Cáucaso do Norte. O decreto foi assinado adequada em 11 de outubro pelo presidente georgiano, Mikhail Saakashvili. A partir de agora, os moradores do Daguestão, Chechênia, Inguchétia, Ossétia do Norte, Kabardino-Balkaria, Karachayevo-Cherkessia e Adygeya serão capazes de usar o privilégio concedido a eles pelo Sr. Saakashvili.

 O ministro das relações exteriores da Geórgia, Nino Kalandadze afirmou que os moradores das entidades acima mencionadas da Federação Russa seriam capazes de entrar na Geórgia e permanecerem no seu território sem visto durante 90 dias.

 "A decisão foi uma parte da liberalização da nossa política, e prosseguimos com a manutenção dos laços tradicionais com os povos do Cáucaso do Norte. Além disso, os moradores dessas repúblicas têm certos interesses comerciais na Geórgia, alguns deles querem receber educação na Geórgia. É por isso que a abolição do regime de vistos estabelece contatos ativos com o Cáucaso do Norte ", acrescentou o funcionário.

Russia Today: Oposição acusa a Corte Mundial sobre as ações de Saakashvili.

 O diplomata georgiano disse também que as pessoas residentes nas repúblicas acima mencionadas da Federação da Russa encontraram-se em posição de desigualdade em relação aos compatriotas de outras regiões. Eles supostamente entram em Gori, através do posto de controle na Ossétia do Norte, depois tem de viajar a Moscou para conseguir o visto no departamento de interesses da Geórgia na Embaixada da Suíça (não existem relações diplomáticas entre a Rússia e a Geórgia, a Suíça representa os interesses da Geórgia na Rússia).

 Ao mesmo tempo, os moradores de outras regiões da Rússia podem vir a Tbilisi e receber o visto no aeroporto da capital da Geórgia. Se os cidadãos russos querem entrar na Geórgia por terra, eles terão de ir a Moscou e ir para o departamento georgiano da Embaixada da Suíça para adquirir o visto, tal como é praticado hoje.

 O ministro das Relações Exteriores da Geórgia declarou que a Rússia deve aceitar o novo regulamento visto para diversas categorias de cidadãos. "A Rússia não irá prejudicar o processo", declarou Nino Kalandadze.

O diplomata georgiano está errado.

 O Vice-representante do presidente russo no Cáucaso do Norte, Arkady Yedelev, declarou em 12 de outubro que o governo georgiano, foi o mentor de outra provocação contra a Rússia.

 "Tais questões devem ser discutidas a nível bilateral. Elas não podem ser resolvidas isoladamente quando algun Saakashvili quiser isso", afirmou o funcionário.

 Na verdade, a iniciativa da administração georgiana parece mais do que apenas estranha. Na União Européia, que a Geórgia está tão ansiosa para se tornar membra, praticam-se procedimentos de visto simplificado para categorias distintas de pessoas, por exemplo para aqueles que residem em territórios de fronteira. Contudo, tais regulações são válidas para certas fronteiras, não para regiões separadas.

 O que fazemos com a sugestão da Geórgia? Parece que vai sobre as entidades da Federação Russa que fazem fronteira com a Geórgia. No entanto, a república de Adygeya não tem uma fronteira com a Geórgia, enquanto Stavropol e as regiões de Krasnodar, que as normas sugeridas não se abrangem se situam mais perto da fronteira com a Geórgia que a Adygeya. Esse regime de vistos vem com uma violação do princípio da cooperação entre os territórios de fronteira.

 Há outro aspecto a ele. O direito de entrada sem visto para a Geórgia foi concedido para os moradores das repúblicas exclusivamente nacionalizados do Cáucaso do Norte. Por quê? O Vice-representante do presidente russo no Cáucaso do Norte, Arkady Yedelev, afirmou no início do ano corrente que os instrutores estrangeiros que trabalham nas bases militares da Geórgia estavam treinando grupos subversivos para realizar atos terroristas no Cáucaso da Rússia. Há obviamente algo para se pensar aqui.

 Toda a conversa sobre a amizade histórica entre os georgianos e os países do Cáucaso do Norte é apenas uma forma de expressão. Por exemplo, os laços entre os georgianos e os chechenos estão longe de serem fraternais.

 Konstantin Zatulin, diretor do Instituto para a CEI e os países bálticos, disse em uma entrevista com Pravda.Ru que a recente decisão do governo da Geórgia para introduzir o regime de isenção de visto aos moradores do norte do Cáucaso foi um ato de vandalismo.

 "Por uma questão de fato, o governo georgiano está tentando dividir a Federação da Russa em duas partes - com vistos, e sem eles. Se eles pensam em Tbilissi que a Rússia vai aceitar tal novidade, então eles pensam errado. A Rússia nunca vai aceitar as coisas como estão."

 "A introdução do regime de isenção de vistos para as regiões em separado é uma violação de todas as regras possíveis. Contradiz a todas as possíveis regras internacionais. O governo georgiano gosta de jogar jogos bobos e revelar iniciativas duvidosas. Enfim, este país não tem sido bem sucedido na sua campanha provocativa recentemente, " concluiu o especialista.

por Vadim Trukhachev

Fonte: http://www.pravda.ru/world/formerussr/georgia/12-10-2010/1053159-gogia-0/

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology