Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Obama assina o o novo tratado de redução de armas estratégicas (New START).

Presidente americano Barack Obama e o Presidente russo Dmitri Medvedev durante as conversações em Praga para estabelecer os termos do novo tratado START. Foto: Pete Souza, White House.
 Depois de quase oito meses no Senado dos Estados Unidos, seguido nas últimas semanas pelo Parlamento russo, o novo tratado de redução de armas estratégicas (New START) entre a Rússia e os Estados Unidos foi assinado pelo presidente Obama. Sua assinatura vem em meio a polêmica continua sobre o relativo "entendimento" de E.U.A. e Rússia sobre o Tratado e os meios para o desenvolvimento de defesas antimísseis.

 O senador do Arizona, Jon Kyl, pediu esclarecimentos sobre a interpretação do Tratado entre a Rússia e os Estados Unidos. A chamada veio após uma série de eventos que têm a ver com a linguagem no preâmbulo do tratado que acentua a conexão entre a linguagem de capacidades ofensivas e defensivas que alguns republicanos do Senado dizem parecer indicar uma restrição na defesa de míssil dos Estados Unidos. Durante a ratificação no Senado Americano esta questão foi abordada com uma emenda, destacando que o tratado não deve ser interpretado no sentido de limitar o desenvolvimento das defesas antimísseis dos americanos. Esta interpretação foi mais ou menos explicitamente contestada pela linguagem de ratificação saída do parlamento russo durante a sua discussão e seu processo de ratificação. De fato, o ministro das Relações Exteriores da Rússia sugeriram que um impulso significativo dos Estados Unidos por desenvolver defesas contra mísseis na Europa podem, sob certas circunstâncias, ser um pretexto para a retirada da Rússia do tratado. 

Ao chegar antecipadamente as suspeitas manifestas pelos senadores republicanos, os legisladores russos disseram que estavam baseando sua interpretação no "entendimento" alcançado pelos negociadores do tratado original, sugerindo a possibilidade de uma retribuição igual entre os Estados Unidos e os negociadores russos no que se refere a lidar com os limites das defesas anti-mísseis dos americanos.

A tinta pode ser seca sobre mais essa recente repetição da longa história de negociações nucleares entre russos e americanos, mas esta é uma para prestar atenção com cuidado.

Fonte: http://thehill.com/blogs/floor-action/senate/141305-kyl-demands-clarification-of-new-start-treaty-with-russians
Fotos: The New START Treaty | The White House

O caça de quinta geração F-35 dos E.U.A. com as expectativas frustadas.

O F-35 é descendente do X-35, e produto do programa Joint Strike Fighter (JSF). O desenvolvimento do caça JSF está a ser financiado principalmente pelos Estados Unidos e o Reino Unido, com outros parceiros concedendo financiamento adicional.

 Em Janeiro de 2011 o secretário de Defesa, Robert Gates, expressou ao Pentágono sua frustração com os custos do programa F-35 subindo rapidamente, quando disse: "A cultura do dinheiro infinito que tomou conta deve ser substituída por uma cultura de moderação."  Focando sua atenção sobre o VTOL F-35B, Gates incomodado ordenou "dois anos de período probatório", dizendo que "o programa deve ser cancelado se as correções não forem bem sucedidas." Analistas dizem que a totalidade do programa F-35 está se tornando um sorvedouro de dinheiro. "A infeliz frase incrivelmente 'too big to fail' se aplica a essa aeronave mais que qualquer outro programa de defesa", disse Richard Aboulafia, analista do setor aeroespacial do Teal Group.¹  


 Recentemente, os EUA têm reduzido maciçamente o orçamento financeiro do ano de 2011.
Em 16 de fevereiro, a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos votou por 233 votos a 198, e passaram a supressão de 450 milhões de dólares do orçamento dos EUA para o consórcio I&D do F-35  Strike Fighter de motor alternativo.

 Na verdade, este projeto de pesquisa foi criticado como "desnecessário" pela maioria das pessoas. Obama tem insistido com o Congresso dos EUA a abolir o suporte do financiamento dos motores de reposição dos aviões de combate F-35. E o secretário de Defesa Robert Gates disse também aos membros do House Armed Services Committee que durante a crise financeira nos Estados Unidos, esse projeto extravagante parece ser desnecessário.

 Os jatos de caça F-35 são aeronaves de ataque com um só motor, desenvolvidos pela empresa Lockheed - Martin, e são caças de quinta geração. O F-35 é equipado com sistemas avançados de armas, com discrição e capacidade de desempenho supersônico de cruzeiro e  raio de combate de mais de 1.000 km. 

 No entanto, de acordo com os EUA e informado pelo site "Defense News" antes, segundo a analise do diretor de teste operacional do Pentágono num relatório de avaliação, os aviões de combate F-35 tem alguns problemas que não tinham sido divulgados, os quais são algumas questões relacionadas ao controle, a aviônica e aos displays da cabine.²


Fonte: [1] http://en.wikipedia.org/wiki/Lockheed_Martin_F-35_Lightning_II
          [2] http://www.global-military.com/u-s-have-passed-the-abolition-of-f-35-spare-engines-budget.html

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology