Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

A NASA utilizará motores russos para a exploração do espaço.

Foguete propulsor norte-americano Taurus II.

 Os Estados Unidos anunciou a criação de um foguete espacial para longas expedições. O novo dispositivo, que terá motores russos, nasce como resultado da reorganização profunda a que tem sido submetida a indústria espacial americana.

 A NASA informou sua decisão sobre o novo foguete propulsor projetado para lançar fora da órbita da Terra as naves espaciais americanas em seu trabalho de exploração do sistema solar.

 "Este foguete ... vai garantir a liderança dos EUA na corrida espacial e será uma fonte de inspiração para milhões de pessoas em todo o mundo. "Estas foram as palavras de Charles Bolden na apresentação do projeto ao público que esperava algo novo, depois de um verão que testemunhou a aposentadoria do ônibus espacial.

O herdeiro do "Saturn"

 A NASA está empenhada em criar um motor inteiramente novo. O propulsor anterior de características similares era o Saturno V, desenhado pelo engenheiro alemão Werner von Braun. Estes foguetes foram uma parte fundamental das missões lunares da "Apollo".

 O parâmetro dos dois foguetes será similar. O novo SLS será capaz de colocar em órbita cerca de 70 toneladas de carga e com a adição de uma nova seção, o peso pode ser cerca de 130 toneladas.

NASA testa o foguete de última geração J2X.
foto: www.parabolicarc.com
 Nas primeiras seções das diferentes versões dos novos foguetes colocarão de três a cinco motores RS-25D / E, que são modificações dos motores equipados com o "Shuttle". A segunda seção refere-se ao engenho de Werner von Braun. Nela serão colocados os motores J-2X, que são uma modernização do J-2, que equipou o Saturn nos anos 60.

 No perfil do foguete também estão incluídos alguns aceleradores laterais removíveis. Inicialmente se pensou produzir combustível sólido, com uma tecnologia já utilizada e testada pelos americanos em seus transportadores, e aí reside sua principal vantagem.

 No entanto, neste momento também se levantaram vozes contrárias a falar da necessidade de se introduzir as tecnologias mais recentes no projeto, incentivando a concorrência entre as empresas. Este grupo é liderado por um consórcio de designers a Aerojet e a fabricantes de motores Teledyne.

O motor AJ-26 (designação nos EUA para o motor russo NK-33).
 A Aerojet tem vindo a dedicar-se ao desenvolvimento do último modelo de foguete propulsor norte-americano, o Taurus II. Este é um foguete leve impulsionado por combustível sólido e destinado ao setor de lançamento de pequenos satélites comerciais. A particularidade deste foguete está na utilização do motor russo NK-33, que a Aerojet comprou em um montante de cerca de quarenta unidades em meados dos anos 90 pelo baixo preço de um milhão de dólares por motor.

 O futuro do Taurus II é agora mais do que nebuloso, enquanto o grandioso projeto do SLS se apresenta muito mais transparente e com melhor garantia política. A Aerojet anunciou sua disposição de renovar o seu motor AJ-26 (designação nos EUA para o motor NK-33), e começar a fabricá-lo em série com base no mesmo propulsor de oxigênio líquido e querosene para o SLS.

 Em suma, as opções para esta empresa em ter êxito com os seus planos extravagantes não são muitas. E não apenas por razões de abordagens exóticas, mas sim causas políticas.

Os resíduos políticos do projeto "Constellation"

 O programa SLS na atualidade é uma variante de compromisso entre a utilização das mais recentes tecnologias e a potência da indústria espacial dos EUA com alguns remanescentes do famigerado projeto "Constellation".

 Este programa foi iniciado em 2004 durante a administração do presidente George W. Bush e foi chamado para responder a algumas perguntas-chaves relacionadas à indústria espacial dos EUA após a era shuttle. Este projeto incluiu uma série de novos motores, o Ares e um novo módulo espacial, o Orion. Um de seus principais objetivos era a volta dos EUA para a lua como ferramenta de propaganda para a reafirmação das prioridades nacionais no setor.

 Mas o tempo passou e o Tesouro norte-americano ainda continuava escasso. Novos projetos e tecnologias apareceram, enquanto o projeto estava sobrecarregado pelo peso da ideologia política. Despesas de investigação e ensaio eram enormes e não demoraram a aparecer críticas, humilhantes, da parte de renomados engenheiros e famosos astronautas. Tudo se transformou em pressão política que fez o "Constellation" um projeto básico, com problemas mínimos e poucos gastos.

Motor Ares. foto: graphics8.nytimes
 Aos poucos, ficou claro que o foguete Ares não teria futuro: não resistiu à análise detalhada dos peritos. Uma das principais causas foi a quantidade incomum de vibrações no início da decolagem que, segundo analistas, poderia pôr em risco a saúde dos astronautas. Outro motivo foi o alto custo monetário resultante do quilo de peso em órbita.

 Este programa foi finalmente enterrado por Barack Obama que fez uma reforma considerável no setor espacial norte-americano.

 A administração Obama trouxe alguma clareza e pragmatismo ao ecletismo do plano de Bush. No início, o "Constellation" combinava uma série de lançamentos orbitais comerciais com uma série de missões de longa distância. Tudo isto resolvido com um pacote de meios técnicos. Esta ideia foi abandonada e as duas linhas do programa tornaram-se independentes uma da outra.

 Por um lado, a administração da Casa Branca, como parte de sua luta contra a redução, passou a exigir o máximo de compatibilidade com as tecnologias existentes para novos programas espaciais. E esta tendência não só é aplicada aos foguetes e ônibus espaciais, mas os novos dispositivos devem ser adaptados às antigas infra-estruturas de lançamento.

O estabelecimento de prioridades

 O prazo de entrega do novo foguete SLS foi sabiamente datado em 2018. O ambicioso projeto do novo motor é uma bela idéia: sem ela será impossível voltar à Lua e fazer avançar a exploração do sistema solar. No entanto, os lançamentos orbitais são urgentes, e os transportadores foram retirados.

 Mas o foguete SLS não está só e tem um sério concorrente no terrero dos lançamentos orbitais, o Falcon IX da empresa SpaceX, de Elon Musk. A empresa está finalizando o módulo Dragon, que já foi testado em vôo não pilotado e que, no final deste ano tentará o primeiro enlace de prova com a Estação Espacial Internacional.

Concepção artistica do lançador SLS.
 Todas essas iniciativas se inserem harmoniosamente na estratégia de desenvolvimento espacial do setor escolhido por Washington. Os lançamentos comerciais de pessoas e cargas na órbita da Terra será algo praticado por empresas privadas, terão seu nicho neles os satélites militares, é claro.

 Com relação à NASA, esta se ocupará de desenvolver e manter os foguetes SLS pesados e os módulos espaciais para a exploração do espaço distante. De modo que, quando Barack Obama descreveu as cenas fantásticas de futuras missões a Marte, criadas a partir das ruínas do "Constellation" não se desviou muito longe da realidade. A idéia pode coalhar depois de algumas variações, mas a sensação de que já foram definidas com precisão e brilhantismo.

Fonte: http://sp.rian.ru/opinion_analysis/20110919/150702451.html

França tem intenções de retirar-se da OTAN e aproximar-se da Rússia.


 A francesa Marine Le Pen candidata às eleições presidenciais de 2012 pelo partido de extrema-direita Frente Nacional, fundado por seu pai, se pronunciou pela saída da França da OTAN e da zona do euro e disse em entrevista publicada hoje pelo jornal Kommersant, que Moscou deve cooperar mais ativamente com os políticos que, como ela, defendem a Rússia na Europa.

 "A Rússia não é suficientemente ativa na promoção de relações com aqueles atores políticos europeus que, assim como eu, simpatizo com ela", disse Marine Le Pen, cuja popularidade antes das eleições de 2012 na França está a aumentar e é superior à do atual presidente Nicolas Sarkozy.

 Esta advogada e política de 43 anos, filha de Le Pen Jean-Marie, está se preparando para sua primeira visita oficial à Rússia. Não se vê no direito de "dar lições de democracia" a Moscou e admite sentir "uma certa admiração" por Vladimir Putin, hoje primeiro-ministro e candidato do partido governista Rússia Unida nas eleições presidenciais em março próximo.

 "Eu acho que Vladimir Putin tem caráter e visão que são necessárias para garantir à Rússia, a prosperidade que merece. Uma cooperação mais ativa com a França e outras nações européias poderiam acelerar este processo ", disse ele.

 No plano da civilização, em sua opinião, Paris tem mais interesses em comum com Moscou do que com Washington, mas o presidente Sarkozy "virou as costas para os russos" e a imprensa francesa seguindo a tendência dos EUA ", demoniza a Rússia."

 Marine Le Pen está convencido de que a sua Frente Nacional é o único partido que adere à política do general Charles De Gaulle e defende uma França, independente, forte e influente. Pronunciou-se em defesa de "restaurar a soberania financeira e a própria moeda", disse que a França vai se separar da OTAN se ganhar a eleição, criticou a intervenção do Ocidente no norte da África e sugeriu confiarem a solução dos problemas da Líbia, Egito e Tunísia, aos seus vizinhos africanos ou árabes.

 Também enfatizou a necessidade de "cortar até um mínimo imprescindível" a imigração na França que acolheu 10 milhões de pessoas nos últimos 30 anos. "É hora de parar esta invasão", disse Marine Le Pen, depois de recordar que a França, nas palavras de Putin, poderia se tornar "uma colônia de suas ex-colônias".

Fonte: http://sp.rian.ru/international/20111013/151076831.html

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology