Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

domingo, 20 de março de 2011

O que realmente sabemos sobre o desastre nuclear no Japão.



UCS - 11 de março - O grande terremoto sobre o litoral nordeste do Japão provocou uma situação potencialmente catastrófica numa das centrais nucleares do país. A situação ainda está em evolução, mas abaixo está uma avaliação preliminar com base nos fatos tal como os expecialistas nucleares da Union of Concerned Scientistas entendem atualmente. 

 O proprietário da Central Nuclear, Tokyo Electric Power Company ( TEPCO ), informou que às 14h46 locais as "turbinas e reatores das unidades 1, 2 e 3 da Central Nuclear de Fukushima Daiichi cessaram de funcionar automaticamente devido ao terremoto denominado Miyagiken-oki".

 Estes reatores são três dos seis que operam na instalação nuclear de Fukushima I. Todos eles são de água fervente (boiling water reactors). A unidade 1 tem uma potência de 460 megawatts e as unidades 2 e 3 têm uma potência de 784 megawatts. 
 
Usinas nucleares japonesas e seus recpectivos reatores. Foto: japanichiban.com
 
 A TEPCO prosseguiu declarando que os encerramentos foram provocados pela perda de energia fora das suas instalações "devido ao mau funcionamento dos dois sistemas de energia externos". Esta perda de energia disparou os geradores diesel de emergência, os quais automaticamente começaram a proporcionar energia substituta (backup) aos reatores.


 No entanto, às 15h41 locais, os geradores diesel de emergência encerraram "devido ao mau funcionamento, resultando na perda completa de corrente alternada para todas as três unidades", segundo a TEPCO. A falha dos geradores diesel mais provavelmente foi devida à chegada do tsunami, o qual provocou inundação na área. O terremoto teve seu epicentro a 240 quilômetros do Japão e o tsunami teria levado aproximadamente uma hora para alcançar as ilhas japonesas. 


 Esta falha de energia resultou numa das mais sérias condições que podem afetar uma central nuclear – um "blackout da central" – durante o qual perde-se tanto a energia produzida externamente à central como a corrente alternada (AC) de emergência da própria central. As centrais nucleares geralmente precisam de energia AC para operar os motores, válvulas e instrumentos que controlam os sistemas que fornecem água de arrefecimento ao núcleo radioativo. Se toda a energia AC for perdida, as opções para arrefecer o núcleo são limitadas.


 Os reatores de água fervente em Fukushima são protegidos por um sistema Reactor Core Isolation Cooling (RCIC), o qual pode operar sem energia AC porque é conduzido por vapor e portanto não exige bombas elétricas. Contudo, ele exige energia em corrente contínua (DC) de baterias para as suas válvulas e controles funcionarem. 


 Contudo, se a energia das baterias for esgotada antes de a energia AC ser restaurada, o RCIC cessará de fornecer água para o núcleo e o nível de água no núcleo do reator poderia descer. Se descesse demasiadamente, o núcleo super-aqueceria e o combustível ficaria danificado. Finalmente, um "colapso" ("meltdown") poderia acontecer: o núcleo poderia tornar-se tão quente que formasse uma massa pastosa que se fundiria através do recipiente de aço do reator. Isto libertaria uma grande quantidade de radioatividade do recipiente para dentro do edifício de contenção que encerra o recipiente. 


 A finalidade principal do edifício de contenção é impedir a liberação da radioatividade  para o ambiente. Um colapso aumentaria a pressão no edifício de contenção. Neste ponto não sabemos se o terremoto danificou o edifício de contenção suficientemente para minar a sua capacidade de conter a pressão e permitir que a radioatividade escape. 


 Segundo documentos técnicos traduzidos por Aileen Mioko Smith da Green Action no Japão, se o nível do refrigerador caiu para o topo das varetas de combustível (fuel rods) ativas no núcleo, o dano no núcleo começaria cerca de 40 minutos mais tarde e o dano no recipiente do reator ocorreria 90 minutos depois disso.


 A preocupação acerca de um acidente grave é tão alta que enquanto a TEPCO tenta restaurar o refrigerador o governo evacuou uma área com raio de 3 km em torno do reator.


 A Bloomberg News informou que a vida da bateria do sistema RCIC é de oito horas. Isto significa que as baterias teriam sido esgotadas antes das 10h00 EST de hoje. Não está claro se esta informação é exata, uma vez que sugere que várias horas teriam decorrido sem qualquer arrefecimento do núcleo. A Bloomberg também informa que o Japão comissionou seis baterias de substituição e planejou transportá-las para a Central Nuclear, possivelmente em helicóptero militar. Não está claro quanto tempo esta operação demoraria.


 Também há informações ulteriores de que a Unidade 2 de Fukushima I perdeu o sistema de refrigeração do núcleo, o que sugere que o seu RCIC cessou de funcionar, mas que a situação "foi estabilizada", embora não seja publicamente conhecido o que é a situação. A TEPCO confirmadamente planeia libertar vapor do reator para reduzir a pressão, a qual se elevou 50 por cento acima do normal. Este escape liberará alguma radioatividade. 


 A UCS emitirá atualizações à medida que se tornar disponível mais informação.

Fonte: http://mrzine.monthlyreview.org/2011/ucs110311.html
          http://japanichiban.com/2011/03/nuclear-power-plants-in-japan

As forças internacionais bombardeiam alvos na Líbia.




 Uma Coligação de Forças Ocidentais ataca a Líbia, Kaddafi, chama a agressão de "Cruzada Colonial".

 Os Estados Unidos e as forças militares da Europa bombardearam a Líbia, com mísseis de cruzeiro e ataques aéreos, como parte de um amplo esforço internacional para aplicar um mandato de zona de exclusão aérea imposto pelas Nações Unidas mais de um mês após a eclosão de uma revolta contra o antigo líder Muammar Kaddafi.

 Caças francêses dispararam os primeiros tiros no sábado na Operação Odisséia da Madrugada, a maior intervenção militar internacional no mundo árabe desde a invasão do Iraque em 2003, destruindo tanques e veículos blindados no leste da Líbia.

 Horas mais tarde, submarinos de guerra norte-americanos e britânicos  lançaram mais de 110 mísseis de cruzeiro Tomahawk em mais de 20 alvos costeiros para limpar o caminho para as patrulhas aéreas das forças terrestres da Líbia.

 Um oficial não identificado dos Estados Unidos disse que a segurança nacional e as defesas aéreas da Líbia tinham sido "severamente afetadas" pela avalanche de ataques de mísseis.
"Os sistemas de defesa aérea de Khadafi foram gravemente incapacitados. É muito cedo para prever o que ele e suas forças de terra podem fazer em resposta aos ataques de hoje", disse a fonte militar, sob condição de anonimato.

 O General John Lorimer, um porta-voz militar britânico, disse que aviões de combate britânicos também tinham sido usados para bombardear o país do norte africano.

 Disparos de armas anti-aéreas podiam ser ouvidos durante a noite em Tripoli. A televisão estatal líbia disse mais tarde que áreas civis da capital e os tanques de armazenamento de combustíveis que suprem Misurata tinham sido atingidos.

 Também afirmou que 48 pessoas haviam sido mortas e 150 ficaram feridas nos ataques, mas a Al Jazeera não conseguiu verificar o relatório.
Em Trípoli, os moradores disseram ter ouvido uma explosão, perto da zona Tajoura Oriental, enquanto em Misurata disseram que os ataques tinham como alvo uma base aérea do regime.

 Milhares de pessoas se reuniram no palácio de Bab al-Azizia, um composto da capital, que foi bombardeada por aviões militares dos Estados Unidos em 1986.
A provocação de Kaddafi 

 Em resposta, Kaddafi prometeu armar civis para defender o país do que ele chamou de  agressão  da "Cruzada Colonial" das forças ocidentais.

 "Agora é necessário abrir as lojas e armar todas as massas com todos os tipos de armas para defender a independência, a unidade e a honra da Líbia", disse Kaddafi em uma transmissão da televisão estatal, logo após os ataques começarem.

 Ele chamou o Mediterrâneo e o norte da África uma "batalha" e disse que a Líbia iria exercer o seu direito à auto-defesa nos termos do artigo 51 da Carta das Nações Unidas.

 "Os interesses dos países enfrentam de agora em diante o perigo no Mediterrâneo, por causa deste comportamento agressivo e louco", disse ele.

 "Infelizmente, devido a essa [ação], alvos navais e aéreos, militares ou civis, serão expostos a um perigo real no Mediterrâneo, desde que a área do Mediterrâneo e o Norte da África tornou-se um campo de batalha por causa desta flagrante agressão militar. "

 Ele disse que o Conselho de Segurança das Nações Unidas e a comunidade internacional são responsáveis ​​por "interromper imediatamente essa injusta agressão flagrante contra um país soberano".

 Ele também pediu aos árabes, islâmicos, africanos, da América Latina e dos países asiáticos "estejam a postos, o heróico povo da Líbia enfrentará esta agressão, que só irá aumentar a força do povo líbio, em firmeza e unidade".

 Pouco após o discurso de Kaddafi, uma mensagem na TV estatal disse que a Líbia havia decidido terminar os seus esforços para limitar a imigração ilegal para a Europa, citando uma fonte da segurança.

"Não é a primeira escolha"

 Barack Obama, o presidente dos Estados Unidos, disse que não tinha sido sua primeira escolha autorizar a participação dos Estados Unidos em ataques militares contra o regime de Kaddafi.

 "Este não é um resultado que os Estados Unidos ou qualquer um dos nossos parceiros procurou", disse Obama no Brasil, onde acaba de começar uma visita de cinco dias pela América Latina.

 "(Mas) nós não podemos ficar de braços cruzados quando um tirano diz ao seu povo, não haverá misericórdia."
Ele disse que as tropas dos Estados Unidos estavam a agir em conjunto com os aliados, e levariam a execução de uma zona de exclusão aérea para parar os ataques de Kaddafi sobre os rebeldes.

 "Como eu disse ontem, não, repito, não vamos implantar quaisquer tropas dos Estados Unidos no terreno", disse Obama.

 O vice-almirante Bill Gortney, diretor do pessoal militar dos Estados Unidos, disse que os ataques de mísseis eram apenas a primeira fase.

"Faz-se necessário"


 O presidente francês Nicolas Sarkozy, disse após uma reunião de líderes mundiais em Paris que os participantes concordaram em usar "todos os meios necessários, especialmente o militar" para fazer cumprir a resolução do Conselho de Segurança. 

 "O coronel Kaddafi fez isso acontecer", disse  o primeiro-ministro britânico, David Cameron, após a reunião.

 "Não podemos permitir a continuidade da matança de civis."

 Stephen Harper, o primeiro-ministro canadense, sugeriu que os poderes externos esperassem que a sua intervenção fosse bastante para virar a maré contra Kaddafi e permitisse que os líbios o arrancassem.

 "É nossa convicção que se o Sr. Kaddafi perde a capacidade de impor sua vontade por forças armadas vastamente superiores,  ele simplesmente não será capaz de sustentar o seu poder sobre o país."

Fonte: http://english.aljazeera.net//news/africa/2011/03/201132002236603156.html

Aviões dos Estados Unidos despejam 40 bombas sobre aeroporto da Líbia.

Bombardeiro B2 americano lança bombas sobre alvo na Líbia. 
Foto: lenta.ru
 A Força Aérea Americana atacou um campo de pouso principal na Líbia, segundo os relatórios de 20 março da CBS News . O ataque incluiu três bombardeiro B-2, que voaram de uma base aérea nos Estados Unidos e lançaram 40 bombas sobre a pista. A operação era destruir a força aérea inimiga.

 Além disso, de acordo com a publicação, o ataque foi realizado com os representantes americanos, que foram instruídos a atacar as concentrações detectadas do Exército de Muammar Kaddafi . Durante a operação, nenhum dos aviões americanos foi derrubado.

 A operação militar na Líbia ocidental começou na noite de 19 de março. A França, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos iniciaram ataques aéreos sobre a Líbia depois de o regime de Kaddafi ignorar os pedidos de cessar-fogo, das resoluções do Conselho de Segurança da ONU em 17 de março.

 Pouco depois da resolução da ONU, Kaddafi anunciou que estava pronto para obedecer as exigências da comunidade internacional, mas em 19 de março as tropas do governo entraram em Benghazi - o capital real da insurgência. Hoje, 20 de março, a Líbia se recusa a reconhecer oficialmente a resolução e as posições dos rebeldes mantendo-se o bombardeio.

 De acordo com os partidários do regime de Kaddafi, as ações das tropas ocidentais na noite de 20 de março, na Líbia, matou 48 pessoas e 150 ficaram feridas. A imprensa oficial diz que os ataques alvejaram alvos civis, e que a maioria das vítimas foram velhos, mulheres e crianças. Enquanto isso, os participantes da operação, na Líbia, insistem que o objetivo dos ataques aéreos têm sido a posição de defesa aérea, artilharia e forças blindadas de Kaddafi.

Fonte: http://lenta.ru/news/2011/03/20/airfield/

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology