Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

A Índia fará investimentos de mais de US$25 bilhões em aviões de quinta geração.


  A Índia anunciou que planeja investir mais de 25 bilhões de dólares para equipar a sua Força Aérea com 250 aviões de quinta geração elaborados conjuntamente com Rússia, informaram fontes das Forças Armadas indianas.

 “Planejamos incorporar paulatinamente ao nosso armamento 200 a 250 aviões de quinta geração, a partir de 2017”, comunicou o comandante de la Força Aérea da Índia, marechal Pradeep Vasant Naik, citado no diário Times of India.

 Segundo o diário, se trata do maior projeto defensivo na história do país, e cada avião custará uns 100 milhões de dólares.

 No mês passado, em setembro, o chefe da companhia Hindustan Aeronautics Limited (HAL), Ashok Nayak, não descartou a possibilidade de que o governo indiano aprove o contrato indo-ruso para por em marcha o projeto do avião de quinta geração até o final do presente ano.

 Por outro lado, o diretor geral da companhia russa Sukhoi, Mikaíl Pogosian, anunciou a disposição da parte russa em firmar o contrato em quanto a parte indiana esteja preparada para isto.

 As partes criarão duas versões do avião, monoquadro e biquadro, assim mesmo cada país ficará com a metade dos gastos que será dividida entre ambos os países que planejam criar o avião até 2015-2016.

Fonte: http://sp.rian.ru/neighbor_relations/20101005/147695065.html

Estados Unidos e Rússia revisam as ameaças de mísseis.

 O Ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov, está dizendo que os EUA e a Rússia estão perto de concluir o documento final que surgiu de um acordo para a revisão das ameaças de mísseis na Europa. Tal avaliação teve a insistência da Rússia, como condição indispensável para prosseguir com um escudo de defesa antimísseis europeu regional, destinado a proteger contra mísseis balísticos de médio alcance iranianos.

 A administração Obama tinha entrado em atrito com a Rússia por causa dos planos de instalação de interceptores de mísseis baseados em terra, que poderia interceptar mísseis balísticos de longo alcance (segundo a abordagem da administração Bush) para uma nova abordagem de "fase-adaptativa" que se concentraria em ameaças de médio e curto alcance. Essa abordagem de fase adaptativa enfatiza o sistema Aegis de defesa contra mísseis baseado em navio, o Aegis terrestre, Terminal High Altitude Area Defense System, e algumas baterias de mísseis Patriot, em vez de GBIs.

 A Rússia, especialmente sua cúpula militar (e se notícias russas tem se espalhado ao longo dos últimos meses pode se acreditar), ficaram assustados com a posição americana a respeito do desenvolvimento de um escudo antimísseis em "fase-adaptativa" na Europa. No front doméstico, nos Estados Unidos, os republicanos no Senado e em outros lugares vêem essa resposta como possível confirmação dos rumores sem fundamento de que ainda exista um quid pro quo¹ com os russos em relação ao desenvolvimento de mísseis de defesa no âmbito das negociações do novo tratado START. (Isto é, que nenhum novo desenvolvimento de defesa de míssil iria prosseguir sem consentimento russo.)

 Considerando este contexto, a ênfase de Lavrov sobre a cooperação como o único pré-requisito para a construção da defesa contra mísseis parece confirmar o espírito, se não a substância, das expectativas russas do novo tratado START. Resta ver que luz será lançada sobre a questão inteira, quando ocorrer o debate da ratificação do novo tratado no Senado dos Estados Unidos, e as ações de ambas as potências após a ratificação.

[1] http://pt.wikipedia.org/wiki/Quid_pro_quo

Fonte: http://www.missilethreat.com/archives/id.7356/detail.asp#10-5-2010_7:57:00_PM
Fonte: http://www.businessweek.com/news/2010-10-01/u-s-russia-accord-on-missile-defense-almost-ready-lavrov-says.html

domingo, 17 de outubro de 2010

O PENTÁGONO NEGOCIA COM ROSOBORONEXPORT A COMPRA DE MI-17 PARA O AFEGANISTÃO.

O Mi-17 é um helicóptero de uso múltiplo, conserva o codinome 'Hip-H', para relacionar a sua derivação do Mi-8. Foto: wk.kstu.kz
 O Pentágono mantem negociações diretas com a companhia estatal russa Rosoboronexport de exportação de armamentos, na intenção de comprar um lote de helicópteros Mi-17 que se destinarão ao Afeganistão, informa o último número do semanário militar estadonidense Defense News.

 "É do interesse de nossas tropas estabelecer com os fabricantes de armamento militar russos as mesmas relações que mantinhamos com a companhia Boeing, que produz os helicópteros Chinook, ou a empresa Sikorsky Aircraft, que fabrica os helicópteros Black Hawk", indicou em entrevista ao semanário, Bert Vergez, chefe de projetos do Exército Americano para uso de uma não padronizada aviacão de helicópteros.

 As negociações sem intermediários ocorreram após o governo dos Estados Unidos ter cancelado em maio passado as sanções unilaterais contra várias companhias russas, inclusive a Rosoboronexport.

 Essas sanções foram introduzidas por Washington com o pretexto da violação da lei americana de não proliferação de armas de destruição em massa com respeito ao Irã, Coréia do Norte e Síria ou da violação dos regulamentos internacionais de controle.

 Os helicópteros Mi-17, segundo as declarações do Pentágono, devem ser uma parte das Forças Aéreas do Afeganistão, e já que estas máquinas tem demonstrado sua efetividade em terrenos altos os afegãos conhecem os modos de sua operação.

 O Mi-17 (versão avançada do conhecido veterano Mi-8) é um modelo de helicóptero multifuncional de carga média, capaz de operar em qualquer condição meteorológica e com autonomia de 1.000 kilômetros.

Fonte: http://actualidad.rt.com/economia/sectores/issue_15261.html
Mais informações: http://www.aviastar.org/helicopters_eng/mi-17.php

O Irã publicará evidências de que os Estados Unidos estão fornecendo a Israel material nuclear.


 O negociador-chefe do programa nuclear iraniano, Said Jalili, assegurou nesta segunda-feira que seu país irá em breve publicar documentos mostrando que os EUA estão fornecendo material nuclear a Israel. Para Jalili, o principal problema no mundo árabe é como o regime sionista pode obter essas armas. Israel é considerado a única potência nuclear no Oriente Médio, enquanto que tanto o estado judaico como vários países ocidentais suspeitam que o Irã está tentando construir uma bomba atômica, o que Teerã nega.

 A maior parte da assim chamada "comunidade internacional" no Ocidente acusa o Irã de ocultar sob o seu programa nuclear civil, outro de uma natureza clandestina de guerra e aplicações da guerra, cujo objetivo é a aquisição de armas nucleares. Isto é negado pelo Teerão.

 Em novembro do ano passado o Irã rejeitou uma proposta de Washington, Moscou e Londres para trocar os seus 3,5% de urânio por combustível nuclear para a central de pesquisa que possuem na capital. Desde então, não há negociações formais entre as partes.

Por Lisa Karpova

Fonte: http://english.pravda.ru/world/asia/16-10-2010/115394-us_supplying_israel_with_nuclear_material-0/

Leia também:


sábado, 16 de outubro de 2010

A China conquista o mercado de armas mundial trapaceando com material de má qualidade.

Submarino Classe Lada. Foto:warfare.ru

 Especialistas dos Estados Unidos acreditam que a China copiou armas russas novamente. Desta vez foram os submarinos. Os analistas dos Estados Unidos dizem que a nova classe Iuan (Tipo 41 A, B, C) dos submarinos diesel-elétricos é roubo dos projetos Lada e Kilo russos.

 A China comprou  vários projetos de submarinos Kilo da Rússia no final dos anos 1990. De volta àqueles anos, os submarinos foram considerados os mais modernos submarinos não nucleares da Rússia, segundo disseram especialistas da Otan. Os submarinos Kilo são capazes de cobrir distâncias de até 700 km à velocidade de 5 km/h em modo silencioso, sem o risco de serem detectados pelos inimigos. Especialistas dos Estados Unidos reconheceram que os submarinos da classe Kilo equipados com o SS-N-27 submarinos de cruzeiro foram muito perigosos para os porta-aviões americanos. O preço mais barato do negócio foi o principal fator que atraiu a China: a Rússia vendia os submarinos por US$ 200 milhões cada, enquanto o custo de análogos ocidentais começaram a partir de US$ 400 milhões.


Submarino Classe Kilo. Foto:warfare.ru

 O primeiro submarino Kilo entrou para a marinha soviética no final dos anos 1980. A Rússia construiu 54 submarinos desses, a marinha russa recebeu 24 submarinos Kilo, outros 30 foram exportados para a China, a Coréia do Norte e o Irã.

 Os engenheiros soviéticos começaram a trabalhar em outra versão dos submarinos Kilo - o projeto 877 Lada - pouco antes do colapso da URSS. As obras foram suspensas em 1997 devido à falta de financiamento. O primeiro submarino russo Lada foi lançado apenas em 2009. Agora, a Rússia está construindo outro submarino Lada e pretende construir mais oito outros.

 Especialistas da OTAN consideram os submarinos Lada mais perigosos afirmam que é muito mais difícil descobri-lo por causa do revestimento de absorção de som e as chamadas hélices tranqüilas. O Lada é oito vezes menos barulhento do que o submarino Kilo; a sua resistência e variedade operacional são muito mais consideráveis.

 Quanto à frota submergível da China, a nação atualmente conta com 56 submarinos, inclusive três movidos a energia nuclear. O interesse crescente pelos submarinos a diesel pode ser explicado pelo fato de que os submarinos nucleares chineses são considerados muito barulhentos e assim são facilmente descobertos por navios de guerra dos Estados Unidos.


 Os engenheiros chineses observaram a qualidade? Muito provavelmente não. Os especialistas militares estrangeiros disseram que o novo Yuan Chinês é maior do que o Kilo e o Lada, mas possui características comuns no design. Um tamanho maior demanda uma maior tonelagem, que por sua vez modifica negativamente as qualidades militares.

 A China anteriormente teve autorização para a produção de submarinos soviéticos Romeo, que foram dublados na China como "Tipo 39." Os engenheiros chineses reconheceram que as evoluções no projeto foram baseadas nas tecnologias de defesa "state-of-the-art" da Rússia. Contudo, eles veementemente negaram o fato de terem feito uma cópia brusca, alegando que os tinham melhorado consideravelmente.

 Isto é um segredo aberto, que a China copiou um grande número de armas russas. A lista começa com os caças I-15 e I-16 soviéticos, sem falar do lendário rifle Kalashnikov.

 A lista continua com o morteiro D-30, os veículos blindados BMP-1 e BMP-3, o complexo antitanque Malyutka, o avião de carga militar An-12, o complexo de míssil disparado por ombro Strela-2, o sistema de míssil S-300, o morteiro Msta-S, o sistema de descarga de mísseis Smerch e outros armamentos. O último relatório de roubo foi referido ao Su-33, avião de caça baseado em convés.


Veículo Blindado BMP-1. Foto:army.russiansabroad.com
 Pode parecer estranho que a Rússia não tenha definido quaisquer reclamações para a China ainda. No entanto, a China é parceira de longa data da Rússia no domínio do comércio de armas e a Rússia não está disposta a estragar as relações com a China. A Rússia superestima a importância da cooperação de defesa com o gigante asiático? A China faz geralmente pequenas compras de uma só vez que não trazem muito lucro para a Rússia. Além disso, as compras são feitas simplesmente para copiar o original. Por exemplo, os chineses compraram um ou dois radares de caças da Rússia só para lançar a sua produção em série vários anos mais tarde.

Canhão 2S19 MSTA-S de 152 mm. Foto:army.russiansabroad.com
 A China está atuando como uma superpotência, cujo poder militar pode ser notado tanto no mar como no ar. Para cumprir o seu objetivo, a China tem copiado outras armas, presumivelmente de origem russa, para alcançar o seu concorrente primário - os Estados Unidos. Não é de se duvidar que a China acabará por perseguir seu objetivo. A Rússia fez o mesmo durante os anos 1930 e assim fizeram os japoneses, que atualmente lideram o pedestal do progresso tecnológico. Como resultado, os submarinos chineses estarão patrulhando a orla costeira dos Estados Unidos, como os navios soviéticos usados para fazer isso", disse a Pravda.Ru, Konstantin Sivkov, vice-presidente da Academia de Problemas Geopolíticos.

O "Smerch" Sistema de Lançamento Multiplo de Foguetes (MLRS) é o mais poderoso e perfeito MLRS do mundo. Foto:www.army-guide.com
 O fato de que a China se tornou muito rápida na cópia de armas russas e lançá-las em produção em série mostra que o país alcançou o nível industrial moderno. O problema é com a qualidade. As armas chinesas têm fama no mundo como baratas e descartáveis. No entanto, o gigante asiático pode, eventualmente, resolver esse problema também algum dia. Neste caso, a China poderá facilmente conquistar os mercados mundiais de armas.

Por Sergey Balmasov 

Fonte: http://www.pravda.ru/world/asia/fareast/04-10-2010/1051768-kilo-0/

Rússia mais do que apenas surpresa em relação aos planos dos Estados Unidos para criar um Cáucaso unificado.


 A Geórgia praticamente anulou o regime de vistos para os moradores das repúblicas do Cáucaso do Norte. O decreto foi assinado adequada em 11 de outubro pelo presidente georgiano, Mikhail Saakashvili. A partir de agora, os moradores do Daguestão, Chechênia, Inguchétia, Ossétia do Norte, Kabardino-Balkaria, Karachayevo-Cherkessia e Adygeya serão capazes de usar o privilégio concedido a eles pelo Sr. Saakashvili.

 O ministro das relações exteriores da Geórgia, Nino Kalandadze afirmou que os moradores das entidades acima mencionadas da Federação Russa seriam capazes de entrar na Geórgia e permanecerem no seu território sem visto durante 90 dias.

 "A decisão foi uma parte da liberalização da nossa política, e prosseguimos com a manutenção dos laços tradicionais com os povos do Cáucaso do Norte. Além disso, os moradores dessas repúblicas têm certos interesses comerciais na Geórgia, alguns deles querem receber educação na Geórgia. É por isso que a abolição do regime de vistos estabelece contatos ativos com o Cáucaso do Norte ", acrescentou o funcionário.

Russia Today: Oposição acusa a Corte Mundial sobre as ações de Saakashvili.

 O diplomata georgiano disse também que as pessoas residentes nas repúblicas acima mencionadas da Federação da Russa encontraram-se em posição de desigualdade em relação aos compatriotas de outras regiões. Eles supostamente entram em Gori, através do posto de controle na Ossétia do Norte, depois tem de viajar a Moscou para conseguir o visto no departamento de interesses da Geórgia na Embaixada da Suíça (não existem relações diplomáticas entre a Rússia e a Geórgia, a Suíça representa os interesses da Geórgia na Rússia).

 Ao mesmo tempo, os moradores de outras regiões da Rússia podem vir a Tbilisi e receber o visto no aeroporto da capital da Geórgia. Se os cidadãos russos querem entrar na Geórgia por terra, eles terão de ir a Moscou e ir para o departamento georgiano da Embaixada da Suíça para adquirir o visto, tal como é praticado hoje.

 O ministro das Relações Exteriores da Geórgia declarou que a Rússia deve aceitar o novo regulamento visto para diversas categorias de cidadãos. "A Rússia não irá prejudicar o processo", declarou Nino Kalandadze.

O diplomata georgiano está errado.

 O Vice-representante do presidente russo no Cáucaso do Norte, Arkady Yedelev, declarou em 12 de outubro que o governo georgiano, foi o mentor de outra provocação contra a Rússia.

 "Tais questões devem ser discutidas a nível bilateral. Elas não podem ser resolvidas isoladamente quando algun Saakashvili quiser isso", afirmou o funcionário.

 Na verdade, a iniciativa da administração georgiana parece mais do que apenas estranha. Na União Européia, que a Geórgia está tão ansiosa para se tornar membra, praticam-se procedimentos de visto simplificado para categorias distintas de pessoas, por exemplo para aqueles que residem em territórios de fronteira. Contudo, tais regulações são válidas para certas fronteiras, não para regiões separadas.

 O que fazemos com a sugestão da Geórgia? Parece que vai sobre as entidades da Federação Russa que fazem fronteira com a Geórgia. No entanto, a república de Adygeya não tem uma fronteira com a Geórgia, enquanto Stavropol e as regiões de Krasnodar, que as normas sugeridas não se abrangem se situam mais perto da fronteira com a Geórgia que a Adygeya. Esse regime de vistos vem com uma violação do princípio da cooperação entre os territórios de fronteira.

 Há outro aspecto a ele. O direito de entrada sem visto para a Geórgia foi concedido para os moradores das repúblicas exclusivamente nacionalizados do Cáucaso do Norte. Por quê? O Vice-representante do presidente russo no Cáucaso do Norte, Arkady Yedelev, afirmou no início do ano corrente que os instrutores estrangeiros que trabalham nas bases militares da Geórgia estavam treinando grupos subversivos para realizar atos terroristas no Cáucaso da Rússia. Há obviamente algo para se pensar aqui.

 Toda a conversa sobre a amizade histórica entre os georgianos e os países do Cáucaso do Norte é apenas uma forma de expressão. Por exemplo, os laços entre os georgianos e os chechenos estão longe de serem fraternais.

 Konstantin Zatulin, diretor do Instituto para a CEI e os países bálticos, disse em uma entrevista com Pravda.Ru que a recente decisão do governo da Geórgia para introduzir o regime de isenção de visto aos moradores do norte do Cáucaso foi um ato de vandalismo.

 "Por uma questão de fato, o governo georgiano está tentando dividir a Federação da Russa em duas partes - com vistos, e sem eles. Se eles pensam em Tbilissi que a Rússia vai aceitar tal novidade, então eles pensam errado. A Rússia nunca vai aceitar as coisas como estão."

 "A introdução do regime de isenção de vistos para as regiões em separado é uma violação de todas as regras possíveis. Contradiz a todas as possíveis regras internacionais. O governo georgiano gosta de jogar jogos bobos e revelar iniciativas duvidosas. Enfim, este país não tem sido bem sucedido na sua campanha provocativa recentemente, " concluiu o especialista.

por Vadim Trukhachev

Fonte: http://www.pravda.ru/world/formerussr/georgia/12-10-2010/1053159-gogia-0/

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

O filho do soberano da Coréia do Norte se opõe à dinastia.

Desfile militar na Praça Tiananmen, na República Popular da Coréia. Foto:ifeng.com
 O filho mais velho de Kim Jong-il, diz que se opõe à transferência hereditária de poder após o irmão mais novo ser escolhido como sucessor.


 O filho mais velho de Kim Jong-il, recluso líder da Coréia do Norte, manifestou oposição à transferência hereditária de poder de uma terceira geração de sua família, poucos dias após seu irmão ter sido escolhido por seu pai como herdeiro. Mas ele desejou a seu irmão o melhor na sua nova carreira.


Falange vermelha, exército de trabalhadoras e camponesas. Foto:ifeng.com

 As observações de Kim Jong-nam vêm dias depois de a Coreia do Norte anunciar Kim Jong-un como sucessor de seu pai em uma grande parada militar em Pyongyang, a capital do país.

 "Pessoalmente, sou contra a terceira geração na sucessão dinástica", disse Kim Jong-nam em entrevista à TV japonesa Asahi, no domingo, um dia antes do desfile, onde seu irmão tomou conta no centro do palco e fez sua estréia nacional e internacional.

 "Mas penso que houve fatores internos. Acho que devemos aderir a isso se houve fatores internos envolvidos."


O líder norte-coreano Kim Jong-Il assistiu o desfile pessoalmente no palanque, ao lado do seu filho mais novo. Foto:ifeng.com

 Imagina-se que o filho mais velho de Kim Jong-il tenha perdido o favor do seu pai, principalmente depois que ele foi deportado do Japão, sob suspeita de tentar entrar no Japão com documentos falsos para ir para a Tokyo Disneyland.

 Melissa Chan, da Al Jazeera deu uma espiada na vida em Pyongyang, capital da Coréia do Norte.



Antigos tanques T-55/59 equipam o exército. Segundo especialistas militares estima-se o contingente militar norte-coreano em 3500-3900 do total de veículos equipados com vários tipos de tanques, a maioria dos quais são de produção da era soviética. Foto:ifeng.com
 Jong-nam, que provavelmente tenha 39 anos, falou aos jornalistas por diversas vezes na maior parte, em Pequim, respondendo a perguntas em coreano e em Inglês quase fluente, e rejeitou a idéia de que ele vai tentar tomar o poder de seu pai.



Mísseis balísticos de combustível líquido com alcance de 1500 km. Foto:ifeng.com
 "Eu acho que o meu pai decidiu [por Jong-un como sucessor]. Eu não me arrependo e não estou interessado nisso, então eu não me importo. Quero que o meu irmão se empenhe com o seu melhor para a prosperidade da gente da Coréia do Norte", disse ele em coreano.



Esta é a República Popular da Coréia, e os seus tanques soviéticos T-62, desenvolvidos na própria Coréia. O desempenho global só pode alcançar os tanques dos anos 60 do século passado, quanto a nível mundial. Foto:ifeng.com
 "Estou pronto para ajudar meu irmão a qualquer momento no estrangeiro, se ele precisar de mim."

 Jong-nam acredita ser o filho de uma atriz que morreu mais tarde em Moscow. A mãe de seus dois irmãos, inclusive o caçula Jong-un, era um dançarino.

Fonte: http://english.aljazeera.net/news/asia-pacific/2010/10/2010101275017961901.html
Fotos: http://news.ifeng.com/mil/bigpicture/detail_2010_10/10/2738158_0.shtml

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Taliban ocupa base dos EUA e 500 soldados americanos armados fogem.

Base militar americana na provincia de Kunar.
 No ultimo dia 11, Al-Jazeera informou que o Taliban capturou uma base militar dos EUA a nordeste da região de fronteira do Afeganistão.

 Segundo informado a Al-Jazeera, o comandante afegão do Taliban na linha de frente, Rahman, emitiu um comunicado de imprensa informando que em 11 de outubro, na província afegã oriental de Kunar, uma base militar dos EUA perto da fronteira com o Paquistão está sob controle completo de militantes do Taliban. Ele ressaltou que "numa forte ofensiva dos talibans, os soldados dos EUA foram evacuados de helicóptero para outras bases militares e as forças dos EUA deixaram na fuga um certo número de armas e equipamento militar."

 Informou que a base militar, mantida pelos Estados Unidos no leste do Afeganistão com um número significativo de helicópteros e cerca de 500 soldados americanos, era responsável pelo controle da região paquistanesa tribal de Bajaur, nesta região do Paquistão, o covil do Talibã.

 Arab News Network também relatou a notícia, mas os militares dos EUA no Afeganistão não tem uma posição formal sobre este assunto, não foi negado o ocorrido nem se afirmou nada a respeito.

Fonte: http://news.ifeng.com/mil/1/detail_2010_10/12/2754063_0.shtml

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Governo Indonésio compra caças Sukhois e técnicos russos morrem na Indonésia.

 O show aéreo da Rússia MAKS não tem muito peso internacional como os de Farnborough ou Le Bourget, mas o preço e a qualidade dos modernos caças russos garantem o seu lugar no circuito internacional.

 Em agosto de 2007, fontes russas informaram que US$ 3 bilhões em contratos civis e militares foram assinados na MAKS 2007. Naquele ano, o maior contrato militar chegou no dia da abertura, quando a Rosoboronexport State Corporation e a República da Indonésia assinaram um memorando de 355 milhões dólares de entendimento para três caças SU-27SKM e três Su-30MK2.¹



 Na ocasião da entrega, em 14 de setembro último, três técnicos russos que estavam na Indonésia para montar os caças comprados da Rússia morreram depois de repente adoecer, disseram os oficiais.

 Eles faziam parte de uma equipe de 12 engenheiros que chegou na cidade de Makassar, na ilha de Sulawesi, na semana passada para trabalhar no programa da Indonésia jato Sukhoi.

 O Marechal Agus Supriatna, comandante da Base Aérea de Hasanuddin em Sulawesi, disse que dois homens foram encontrados em estado crítico na pousada da base nesta segunda-feira e morreram pouco depois de serem levados ao hospital.

 Horas depois, um terceiro técnico morreu depois de reclamar de problemas respiratórios, tonturas e vômitos. Isso teria acontecido durante a noite o que um policial militar da Indonésia disse ter sido causado por intoxicação por vodca.

 O porta-voz da Embaixada da Rússia, Vladimir Pronin, no entanto, rejeitou a sugestão. "Você não pode morrer de vodca", disse Pronin, acrescentando que não se acreditava ser qualquer circunstâncias suspeitas em torno das mortes e que "não há razão para suspeitar de assassinato." E deu os nomes de família dos falecidos, Voronin, Safonov e Poltorak, descrevendo-os como na faixa dos 40 aos 50 anos. O corpo de um dos homens teria sido encontrado em sua cama na base aérea.

 O porta-voz do Ministério da Defesa o Brigadeiro General, I Wayan Midhio, disse ao portal de notícias Tempointeraktif.com que a vodka parecia ter sido a causa das mortes dos homens. "Não há nenhum problema se eles bebem muita vodka na Rússia, porque lá é frio, mas Makassar é quente", disse Wayan.

 Ele disse que a causa oficial das mortes será determinada após a autópsia.

 Vladimir Pronin disse que a embaixada estava esperando os resultados da autópsia e o programa da Sukhoi na Indonésia não seria afetado pelas mortes.²

 "As autópsias estão em andamento", afirmou Supriatna, acrescentando que os especialistas estão realizando testes de bebidas alcoólicas e medicamentos encontrados em seus quartos.

 "Não queremos especular sobre a causa da morte antes de um inquérito aprofundado estar completo", disse ele.

 Vladimir Pronin falou às emissoras de televisão russas e disse que um médico da missão tinha sido enviado para a base aérea. Citado no jornal The Jakarta Globe, ele disse que não suspeita de jogo sujo.

 O governo indonésio comprou seis caças Sukhoi como parte de um contrato de US$ 300 milhões com a Rússia.³

Clientes da corporação russa Sukhoi Design Bureau. Foto:defenseindustrydaily.com
 A decisão veio da necessidade de aumentar a frota existente no país, disse um oficial militar sênior.

 O Chefe do Estado Maior da Força Aérea, Imam Sufaat, disse que os seis aviões extras foram destinados para formar um esquadrão, juntamente com os 10 Sukhois que a força aérea já tem.

 "Dez caças Sukhois não são suficientes para dar um efeito dissuasor, dado o nosso vasto espaço aéreo", Sufaat ao ser citado como dizendo pela agência estatal de notícias Antara. "A Indonésia ficou atrás da vizinha Malásia, que tem 18 caças Sukhoi, e de Singapura, com seus 28 caças F-15s de origem americana."

 O presidente Susilo Bambang Yudhoyono aprovou o plano, disse Sufaat, mas acrescentou que ele não tinha certeza sobre o prazo da compra.

 A Indonésia tem realizado a compra de caças Sukhoi desde 2003, mas reorientou as suas compras de equipamentos militares ao excluir os Estados Unidos depois que Washington impôs um embargo de armas a Jacarta em 1990.

 O governo americano aumentou mais ainda a proibição nos últimos anos.

 Durante uma recente visita a Jacarta, o secretário de defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, anunciou a retomada da cooperação com as forças especiais da Indonésia, devido a medidas para melhorar o registro dos direitos humanos.4

             [1] http://www.defenseindustrydaily.com/indonesias-air-force-adds-more-flankers-03691/
 Fontes: [2] http://www.thejakartaglobe.com/home/third-russian-fighter-jet-technician-dies-in-indonesia/396030
             [3] http://www.kyivpost.com/news/russia/detail/82330/
             [4] http://www.earthtimes.org/articles/news/344648, compre-seis-russa-built-fighters.html

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology