Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quinta-feira, 10 de março de 2011

Apesar do convite da OTAN, a Rússia ainda espera para juntar-se à defesa anti-míssil da Europa.



09 Março de 2011
Dois anos atrás, a secretária de Estado dos Estados Unidos Hillary Clinton e seu colega russo, Sergei Lavrov se reuniram em Moscou, onde anunciaram um "reset" nas relações entre suas respectivas nações. 

Durante a conferência de imprensa, Clinton apresentou Lavrov com um botão de "reset" falsificado, simbolizando a relação renovada entre os dois países, que havia sido seriamente envolvida em tensão durante a presidência de dois mandatos de George W. Bush. Com a chegada ao poder do democrata Barack Obama, um novo amanhecer, surgiu, esteve no horizonte na medida em que as relações russo-americanas fossem interessantes. 

Embora o gesto de Clinton fosse para ser divertido, ele conteve um pequeno erro de tradução que é interessante na luz de eventos presentes. Acima do botão de reset vermelho, os americanos tinham escrito a palavra "peregruzka", que em russo quer dizer "sobrecarga" ou "excesso", ao contrário da palavra desejada para "reset". 

Em alguns aspectos, no entanto, a fiscalização tem sido bastante profética para o verdadeiro estado das relações russo-americanas hoje, o que certamente poderia ser descrito como "sobrecarregado". 

Agora, o homem que primeiro cunhou o termo "reset", o vice-presidente americano Joe Biden, planeja estar em Moscow, em 9-10 de março, onde se reunirá com o presidente russo, Dmitry Medvedev, e outros funcionários do alto escalão. 

Um dos principais temas da discussão será o envolvimento da Rússia - até agora inteiramente hipotético, apesar de uma promessa entregue ao presidente russo, Dmitry Medvedev, durante a Cúpula da OTAN em novembro - no escudo de defesa antimísseis dos Estados Unidos na Europa, um sistema que Moscow diz que representa uma ameaça de segurança sem a participação incondicional da Rússia. 

Onde está a "parte" a Rússia foi convidada a? 

Embora a Casa Branca tenha denominado a assinatura de um acordo de defesa antimíssil em cooperação com a Rússia, uma das suas principais prioridades nas suas relações com Moscou em 2011, as coisas não parecem estar indo naquela direção. 

Em suas recentes conversas com o chanceler polonês, Radoslaw Sikorski, Clinton disse que os Estados Unidos se comprometeram a implantar na Polônia, novas divisões da Força Aérea Norte-Americana, com jatos de caça F-16, além do escudo de defesa antimíssil já anunciado. 

Dmitry Rogozin, enviado especial da Rússia na Otan, disse que a declaração do Secretário de Estado dos Estados Unidos levantou novas preocupações em Moscow. 

"Acho que esta declaração não será deixada de lado sem uma atenção mais próxima da Rússia", disse Rogozin à Interfax nesta sexta-feira. 

Em observações anteriores feitas a Interfax, o representante da OTAN afirmou que a Rússia não iria "aderir a um produto já acabado." 

"Nós não iremos tolerar uma situação em que teríamos que aderir a um produto já acabado desenvolvido sem a nossa participação e sem considerar a nossa opinião. Isso não vai acontecer", disse Rogozin, após reunião com o secretário-geral da OTAN Anders Fogh Rasmussen e o Representante Permanente dos Estados Unidos junto da OTAN Ivo Daalder, na terça-feira. 

A Rússia vai proceder de "um convite enviado a nós pelo secretário-geral da OTAN em tomar parte na construção de um sistema de defesa de míssil europeu," continuou Rogozin. "Gostaríamos de saber para onde fomos convidados. São eles que nos convidam a passar por uma casa onde uma festa está acontecendo? Ou somos convidados a assistir a esta festa?" 

Rogozin disse que a Rússia não quer que alguma ameaça hipotética de um ataque de míssil a partir do sul da Europa, "se traduza em planos práticos para neutralizar o nosso potencial nuclear estratégico." 

Segundo um artigo publicado pelo jornal Kommersant, o diário russo, Moscow vai exigir uma explicação sobre os planos de Washington de implantar caças no interior da Polônia. Afinal, o raciocínio explícito para o acúmulo de militares dos Estados Unidos na nação Varsóvia primeiro é para proteger a Europa de um ataque de malfeitores, aparentemente o Irã. 

"Estes planos de defesa antimíssil não são novos", disse uma fonte ao jornal. "Conhecemo-los e esperamos chegar a um acordo [do começo ao fim com a cooperação da Rússia] dentro do projeto da defesa de mísseis européia. No entanto, o desejo de implantar uma base aérea deve ser explicado. " 

A fonte disse ao Kommersant que o assunto será levantado durante a reunião de Medvedev com Biden em 9 de março. 

Haverá um colapso do "reset" por causa da defesa de mísseis? 

Enquanto isso, como os protestos anti-governo agitam o Oriente Médio e África do Norte, os Estados Unidos anunciou que enviaria um navio de guerra equipado com radar para o Mar Mediterrâneo, na próxima semana, o primeiro passo no desenvolvimento da defesa antimísseis. 

O Pentágono anunciou que o USS Monterey, é um cruzador com mísseis guiados equipado com um sofisticado sistema de radares Aegis, vai sair na próxima semana e ficará implantado por seis meses no Mediterrâneo, a primeira fase no desdobramento do sistema de defesa antimíssil. 

O escudo começará com radares e interceptores anti-mísseis baseados em navios, com radares terrestres adicionados no sul da Europa ainda este ano. O Pentágono não chegou a anunciar a localização exata dos radares. 

A fase seguinte do escudo de míssil verá intercetores terrestres implantados na Romênia em 2015, seguido por baterias de intercetores na Polônia antes de 2018. Novamente, o objetivo declarado do sistema de defesa antimísseis é proteger os países da OTAN contra ataques de mísseis de médio alcance, possivelmente o Irã. 

A Rússia, porém, disse que qualquer sistema de defesa anti-míssil que tem a capacidade de comprometer seus próprios mísseis será visto como uma ameaça potencial à sua segurança. 

"Devemos progredir com os nossos planos de redução de armas estratégicas, bem como no campo da defesa contra mísseis", disse o presidente Dmitry Medvedev. "Desde que um escudo de defesa antimísseis pode ser um elemento do arsenal nuclear estratégico, a Rússia quer garantias de segurança. Nós já revelamos as nossas propostas e estamos prontos para a cooperação." 

O Assessor da Casa Branca Michael McFaul disse na sexta-feira que a defesa antimísseis foi destaque na agenda das negociações de aproximação entre Biden e os dirigentes russos em Moscow. 

Referindo-se à questão da cooperação russo-americana sobre o escudo de defesa antimísseis europeu, McFaul disse que a administração Obama estava tentando "tomar uma questão que costumava ser extremamente contenciosa entre os Estados Unidos e a Rússia, e tentar ver se podemos fazer disto uma área de cooperação. " 

"Nós acreditamos que sem algum tipo de cooperação na defesa antimísseis, será difícil para nós avançar até outras negociações sobre a redução de armas nucleares estratégicas e demais armas não-estratégicas que estão na Europa", disse ele, acrescentando que "esperamos que em algum momento este ano teremos um acordo sobre isso. " 

A Rússia ea OTAN aceitaram cooperar no sistema de defesa antimísseis europeu na Cúpula de Lisboa em Novembro de 2010. A OTAN insiste, deve haver dois sistemas independentes que trocam informações, enquanto a Rússia defende um sistema comum, que é aberto e transparente para ambos os lados em todos os momentos. 

Joe Biden chegou na capital russa, em 9 de março, disse aos repórteres o assesor presidencial russo Sergei Prikhodko. 

"Consideramos esta visita um marco para a preparação da visita futura do presidente dos Estados Unidos à Rússia, que está agendada para este ano", disse ele. 

A data da visita do presidente dos Estados Unidos não foi determinada ainda. 

por Robert Bridge, RT

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology