Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Navio de guerra Mistral e outras vendas de armas para a Rússia sinaliza a primeira derrota pós-cúpula da OTAN. (Parte I de II)


Por Vladimir Socor

 Na véspera de Natal (24 de dezembro de 2010), o Kremlin e o Elysee Palace anunciaram um acordo definitivo para a aquisição da Rússia de dois navios de guerra franceses de projeção de poder da classe Mistral, com mais dois previstos para uma fase posterior.

 Os Presidentes Dmitry Medvedev e Nicolas Sarkozy trocaram congratulações por telefone comemorando este negócio no período natalino. Separadamente, o Elysee Palace descreve a consumação do acordo como uma vitória da França e da sua indústria naval, com 1.000 empregos garantidos aos francêses por ocasião da encomenda dos dois primeiros navios nos quatro próximos anos (Interfax, Agence France Presse, 24,25 de Dezembro, 2010). Sarkozy, amigo de longa data e erudito francês, André Gluecksmann, no entanto, comentou o anúncio de véspera de Natal que teve, segundo ele o objetivo de desviar a atenção pública de um caso "sujo" (The New York Times, 29 de dezembro de 2010).

 Em paralelo, uma série de acordos bilaterais de armas entre os países da OTAN e a Rússia estão a ser consumados agora, sem referência ao seu impacto no planejamento da Aliança, a defesa ou os interesses de segurança dos membros da OTAN e dos países parceiros que fazem fronteira com a Rússia. O negócio francês Mistral parece ter aberto uma comporta de vendas de armas à Rússia pelas indústrias de armas da Europa Ocidental (veja a Parte Dois). Estes negócios se firmaram à vista, antes da Cúpula da OTAN em Lisboa em 20-21 de Novembro, mas as confirmações russas eram para que fosse mantida em suspenso até tivessem acabado as negociações. Neste contexto, a Cúpula de Lisboa pode de fato ter marcado um divisor de águas "histórico", embora não no sentido transmitido na euforia imediata do pós-cúpula.

 Os navios de guerra da classe Mistral são projetados para projetar poder ofensivo através dos desembarques anfíbios e assalto aéreo, utilizando os helicópteros de combate e os veículos blindados a bordo no apoio às operações de força terrestre. De acordo com a doutrina militar da Rússia, bem como aos mecanismos de comando no mar Negro e no Mar Báltico, as forças navais são considerados como auxiliares às forças terrestres, no caso de operações ofensivas em terra. Esse foi também o papel da Frota do Mar Negro da Rússia em Agosto de 2008 quando ocorreu a invasão da Geórgia, após o que o Kremlin decidiu adquirir navios de guerra da classe Mistral de capacidades de ataque de barco-a-costa exponencialmente maior.



 Estes navios fazem uso de 16 helicópteros de combate e de transporte de tropas, cerca de 70 veículos blindados (ou, alternativamente, duas dúzias de tanques de batalha), e 750 tropas terrestres e embarcações de desembarque anfíbio. As proporções de helicópteros a armar as tropas são proporções flexíveis, dependendo da missão. O lado russo anunciou sua intenção de inserir helicópteros Ka-29 e Ka-52 em navios da classe Mistral, após a aquisição. Moscou ainda não anunciou qual a solução que considera para o armamento a bordo do navio. Autoridades do alto escalão da defesa da Rússia são publicamente desdenhosos a respeito da qualidade dos veículos blindados da Rússia, e compras de modelos ocidentais. Assim, não deve vir como uma surpresa se Moscou decidir procurar um modelo de tanque da Europa Ocidental e implantar a bordo do Mistral.

 De acordo com o anúncio de véspera de Natal, um consórcio de dois estaleiros franceses construirá esses navios de guerra, juntamente com a Corporação de Construção Naval Unida da Rússia (OSK). A construção está prevista para iniciar no estaleiro de Saint-Nazaire, em 2011, com o primeiro navio a ser entregue até o final de 2013 e o segundo até o final de 2014. Segundo a porta-voz da OSK, o lado russo vai contribuir com 20 por cento do trabalho de construção do primeiro navio, e com 40 por cento do segundo. Esta afirmação tem a forma de um apelo desejoso e não foi confirmado pelo lado francês até agora. Paris certamente fará o possível para melhorar os empregos franceses, embora não no Leste da Europa. O terceiro e quarto navios de guerra serão construídos conforme o planejado nos estaleiros OSK na Rússia sob licença francesa. Moscow pretende implantar um navio desta classe, um em cada uma das quatro frotas da Rússia (Báltico, Mar Negro, do Norte e do Pacífico) (Interfax, 25 de dezembro; RIA Novosti, 30 de dezembro de 2010).

 O Ministério da Defesa russo afirma ter anulado o financiamento para os dois primeiros navios no orçamento de aquisição do ministério. Novamente, não viria como uma surpresa se esta afirmação for exagerada e o lado francês termininasse de financiar uma parte do trabalho a crédito. Os custos de aquisição são estimados em 650 milhões de dólares a 720 milhões de dólares por navio para os dois primeiros navios a serem construídos na França (Rossiyskaya Gazeta, 28 dez 2010; Interfax, RIA Novosti, 30 dez 2010).


 A controvérsia sobre a transferência de tecnologia avançada para a Rússia tinha afetado a barganha franco-russa, particularmente sobre os sistemas comando-controle-comunicação do Mistral. No início de dezembro de 2010, primeiro-ministro francês François Fillon, cedeu, para a satisfação de Moscou evidentemente. Após suas conversas com Medvedev e o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, em Moscou, Fillon anunciou que a França está "pronta para transferir a tecnologia para a Rússia, se vencer o concurso" (Agence France Presse, 9 de dezembro de 2010). O porta-voz da OSK declarou plena satisfação a este respeito, após o anúncio em comum do Kremlin-Elysee (Interfax, 25 de dezembro de 2010). Fillon será lembrado por se opor ao plano de adesão OTAN-Geórgia na cúpula da Aliança de 2008, argumentando que tal plano seria alterar o "equilíbrio de poder" em detrimento da Rússia.

 Moscou anunciou a sua decisão de adquirir navios de guerra da classe Mistral, em outono de 2008, imediatamente após a invasão da Geórgia, e que vincula a sua decisão explicitamente às lições aprendidas com a guerra. Para a inquietação de Paris, Moscou anunciou um concurso internacional para a aquisição de navios dessa classe, em agosto de 2010, e confirmou o concurso em outubro. Estaleiros da Holanda, Espanha e Coréia do Sul manifestaram interesse. Este movimento pressionou a França em concordar com os termos e finalizar o negócio Mistral, em dezembro, apenas dois meses após a confirmação de Moscow deste concurso Potemkin.

Fonte: 

Part 1
http://georgiandaily.com/index.php?Itemid=132&id=20764&option=com_content&task=view

Part 2
http://getafespain.com/news/georgiandaily-com-mistral-and-other-arms-sales-to-russia-mark-nato’s-first-post-summit-defeat-part-two


Leia também:
Venda de armas para a Rússia sinaliza a primeira derrota pós-cúpula da OTAN. (Parte I de II)
A Rússia tem pressa para se reconstruir.* 
A Rússia segue modernizando seus sistemas de mísseis para não tornar-se alvo de expansão.
Desconfianças e planos de guerra e paz entre Rússia e OTAN.
O Exército russo incorpora réplicas de tanques, aviões e lança-mísseis para despistar o inimigo.
O rearmamento da Federação da Rússia com mísseis Topol-M será concluído em 2012.
Sistemas anti-mísseis S-500 para deter o foguete hipersônico Minotaur IV.
Putin adverte: a Rússia incrementará seu arsenal nuclear se E.U.A. não ratificar o tratado START.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology