Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sábado, 18 de dezembro de 2010

A Rússia segue modernizando seus sistemas de mísseis para não tornar-se alvo de expansão.

Os países identificados no mapa podem manifestar suas motivações até a expansão dos seus territórios à gigantesca e pouco povoada Rússia. São essas as possíveis motivações: interesse ecônomico (recursos minerais; àgua, gás, petróleo); o ressurgimento de disputas territoriais históricas; a busca por consolidação da hegemonia regional (demonstração de poder); o reassentamento de enormes populações. Clique na imagem para ampliar.

 A Rússia poderia se tornar um alvo de expansão se tiver um fraco potencial de ataque nuclear, disse o tenente-general Sergey Karakaev, comandante da Força Estratégica de Foguetes.

 Karakaev estava falando com jornalistas nesta sexta-feira, data em que a Rússia está completando o 51º aniversário de criação das suas Forças Nucleares Estratégicas (RVSN). Na ausência do potencial de ataque ou por seu enfraquecimento significativo na última década, um estado como a Rússia, com seus recursos naturais ilimitados, poderia se tornar "um alvo de uma possível expansão em grande escala", disse o comandante. Pelo menos não se pode descartar essa possibilidade, disse ele aos repórteres.

 As forças nucleares também vão continuar a ser o fator mais importante durante a reforma em curso das forças armadas russas, Karakaev sublinhou. No curto prazo, a política baseada na dissuasão nuclear dará tempo e equilíbrio de forças necessários para aumentar as forças armadas a um novo nível, completou Karakaev.

 Segundo o comandante, o novo tratado russo-americano sobre a redução de armas ofensivas estratégicas (START) permite a Moscow um novo projeto de armas estratégicas. O acordo ainda deve ser ratificado por ambos os países.

 Os cortes no número de ogivas e veículos de entrega previsto no tratado não afetará a capacidade do RVSN "para garantir a dissuasão nuclear", informou a agência Interfax ao citar o que disse Karakaev.

 O acordo, em particular, não proíbe a modernização e substituição das armas estratégicas ofensivas, inclusive o desenvolvimento de novos tipos e espécies de armas. Os principais critérios para cortar as armas ofensivas estratégicas estão mantendo o equilíbrio nuclear com os Estados Unidos, bem como dando garantia de intimidação nuclear, o comandante explicou.

 O grupo RVSN já foi reduzido por meio de termo de desmantelamento de mísseis balísticos intercontinentais. Mas, muitos sistemas de mísseis existentes foram mantidos em condições de combate enquanto possível, Karakaev observou. A modernização do potencial de armas continua, disse ele, acrescentando que o plano é baseado no novo tratado START.

 A Rússia manterá também por mais 15 anos os mísseis balísticos intercontinentais RS-20V Voyevoda (SS-18 Satan), disse Karakaev a repórteres. A extensão da vida útil destes mísseis, descrito como "o mais poderoso do mundo" irá mantê-los até 2026, disse ele.

 Enquanto isso, outro regimento armado com os mísseis balísticos intercontinentais Topol-M (SS-20 Sickle) irá em breve iniciar testes e começar o dever de combate, disse o comandante. A transição dos regimentos de sistemas baseados em silos ao Topol-M vai continuar em 2011.

 Outra tarefa das Forças Estratégicas Nucleares é a introdução de novas vias do sistema de mísseis balísticos intercontinentais RS-24 Yars. Ele é capaz de transportar até quatro ogivas nucleares e espera-se que substituia os mísseis MIRV das gerações anteriores - RS-19 e RS-20.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology