Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

A contribuição do Cazaquistão para o projeto de um escudo antimísseis russo na Eurásia.




 Em 03 de janeiro de 2011, o general russo Nikolai Makarov chefe das Forças Armadas disse que a nação pretende até 2020 criar um campo "impenetrável" de sistemas de defesa antimísseis. "O estado terá um guarda-chuva sobre si que irá defendê-lo contra ataques de mísseis balísticos de médio alcance, mísseis de cruzeiro terra-ar, mísseis de cruzeiro marítimos e mísseis de cruzeiro com base no solo, incluindo mísseis voando em altitudes extremamente baixas, em qualquer momento e em qualquer situação”, afirmou Makarov, especificando que, embora isso seja "um processo longo que requer um investimento financeiro significativo", elementos fundamentais do sistema poderiam ser colocados em prática tão logo este ano.

 Entretanto, a Rússia e o Cazaquistão recentemente acordaram em estabelecer um escudo de defesa aérea regional comum, com Moscow comprometendo-se à transferência de vários sistemas de defesa antiaérea S-300 ao seu vizinho. O S-300 é destinado a proteger, centros industriais, militares e administrativos dos ataques da aviação estratégica e tática, e Moscow vai entregá-los a Astana, sem nenhum custo. "Nós concordamos em criar uma rede de defesa aérea regional comum, que é semelhante ao da Rússia e da Bielorrússia", explicou o chefe da Defesa Aérea do Cazaquistão, o tenente-general Alexander Sorokin. Sorokin disse que seu país também gostaria de comprar da Rússia o avançado sistema de defesa aérea S-400 Triumf, que pode interceptar e destruir alvos aéreos a uma distância de 250 milhas (o dobro do alcance do Patriot MIM EUA-104 mísseis), enquanto que Moscow acolheu seu parceiro regional para uso de satélites GLONASS – o sistema de posicionamento global russo e envolver-se em seu sistema de alerta antecipado para detectar lançamentos de mísseis inimigos.

 O sistema de alerta antecipado que a Rússia herdou da antiga União Soviética ainda inclui algumas instalações localizadas em solo estrangeiro e em particular a estação de radar de Gabala no Azerbaijão. A instalação tem sido notícia em relação ao debate sobre o potencial de implantação dos mísseis balísticos americanos e elementos anti-radar na Polônia e na República Checa, desde que Moscow ofereceu a Washington a implantação dos elementos do complexo de defesa anti-míssil no Azerbaijão, em vez da Europa Oriental. O radar de Gabala, que foi concebido para detectar lançamentos de mísseis, tanto quanto do Oceano Índico, tem um alcance de até 6.000 km e sua fiscalização abrange o Irã, Turquia, Índia, Iraque e todo o Oriente Médio, permitindo não só a detecção do lançamento de um míssil, mas também acompanhar toda a sua trajetória de modo a permitir um sistema de defesa antimísseis balísticos interceptar um ataque ofensivo.

 No caso de Baku decidir não prorrogar a locação da estação de Gabala, prevista para expirar em 2012, e especialmente se os E.U.A. não incluirem a Rússia no desenvolvimento do seu escudo antimísseis controverso na Europa, o acordo alcançado por Moscow e Astana pode ser a primeiro passo para a melhoria da cooperação do espaço aéreo entre a Rússia e o Cazaquistão (que já permite o uso do seu espaço e aluga o Cosmódromo de Baikonur à Rússia) e, possivelmente, a construção de um escudo antimísseis russo na Eurásia. Essa medida iria reforçar a posição da Rússia, entre as suas antigas "repúblicas irmãs", pois isso iria compensar a falta de defesa aérea, sob medidas tanto da Organização do Tratado de Segurança Colectiva (CSTO) quanto da Comunidade de Estados Independentes (CEI). A rede de defesa aérea da CEI tem atualmente sete brigadas de defesa aérea, com 46 unidades S-200 e S-300 sistemas de mísseis de defesa aérea, 23 unidades de combate com aviões MiG-29, MiG-31 e Su-27, 22 unidades de suporte eletrônico e 2 destacamentos de guerra eletrônica, mas os esforços da organização para proteger o céu regional realmente enfrentou dificuldades, em parte devido às incompatibilidades estratégicas adotadas pelos vizinhos Geórgia e Turcomenistão.

 O acordo com Astana acontece para compensar o tempo perdido, e o chefe da Força Aérea da Rússia, Coronel-General Alexander Zelin, disse que os planos do Cazaquistão para modernizar seus sistemas de defesa aérea "será um dos mais importantes fatores para promover a estabilidade estratégica na região central da Ásia". Embora suscitem dúvidas sobre a viabilidade econômica e tecnológica de um escudo antimísseis russo com a participação do Cazaquistão, uma coisa é certa: a Rússia sempre tem mostrado muita determinação a recuperar o controle sobre a região do Cáspio, e Astana, apesar de sua política externa multi-vetor, está revelando ser um dos fiéis aliados de Moscou. Uma vez que o Cazaquistão é o nono maior país do mundo, com uma área igual ao tamanho da Europa Ocidental, e possui cerca de 4 bilhões de toneladas de reservas comprovadas de petróleo recuperável e 3 trilhões de metros cúbicos de gás, as implicações geopolíticas da crescente cooperação entre Moscou e Astana são bastante consideráveis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology