Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

terça-feira, 22 de março de 2011

Estados Unidos como defensor da Polônia contra a Rússia.

Sistema de defesa antimísseis instalados na Polônia. 
Foto: languagegallery.blogspot.com

 Os Estados Unidos está implantando elementos de seu sistema de defesa anti-míssil na Polônia. Isto foi afirmado pela secretária de Estado dos Estados Unidos Hillary Clinton durante uma reunião com o chefe do Ministério dos Negócios Estrangeiros polaco Radoslaw Sikorski.

 Clinton afirmou que, tal como foi decidido pelos dois Presidentes, em dezembro, os Estados Unidos estavam planejando a construção de uma Força Aérea, na Polônia, bem como a implantação dos elementos de defesa antimísseis e o desenvolvimento de um plano de segurança. Ela acrescentou que os temas a discutir dentre a vasta gama de temas incluía três importantes áreas: o reforço da segurança mútua, o aumento da transparência e da promoção da democracia.

 A história da implantação dos elementos do sistema de defesa antimíssil dos Estados Unidos na Polônia tem vindo a decorrer há vários anos. Esta intenção foi expressa pela administração de George W. Bush, em 2005-2006. Supunha-se que dez mísseis interceptores seriam localizados no território polonês e um potente radar deveria aparecer na vizinha República Checa. Os norte-americanos asseguraram que todo esse poder militar é dirigida apenas contra os lançamentos de mísseis do Irã e da Coréia do Norte.


Stratfor_flightpath

 No entanto, a Rússia tem uma visão diferente. Onde está o Irã, onde é a Coréia, e onde está a Rússia? Estes medos têm sido repetidamente afirmativos pelas declarações de políticos polonêses (e algumas Checas) de que a defesa antimísseis foi necessária justamente para proteger seus países de uma possível agressão, alegadamente provenientes da Rússia. A elite política polonêsa esteve absolutamente unida no seu desejo de implantar elementos de defesa antimíssil dos Estados Unidos e outros objetos em seu território.
A administração Bush estava determinada a ver este desenvolvimento adiante, mas em 2009 foi substituída pela equipe de Barack Obama. O "reset" na vida política foi iniciado, e as decisões do ex-presidente tinham sido submetidas a uma revisão. Em setembro de 2009, os Estados Unidos se recusaram a implementar as defesas contra mísseis na Polônia e na República Checa. O falecido presidente Lech Kaczynski foi extremamente insatisfeito. Seu assessor de segurança no momento, Witold Waszczykowsk, disse que não era uma situação boa, e que sem os elementos de defesa antimíssil na Polônia foi perdendo a sua aliança de fato estratégica com Washington.

 A fim de tranquilizar os aliados polacos da OTAN que pareciam ter caído em histeria política, em outubro de 2009, os americanos concordaram com a implantação de complexos anti-aéreos na Polônia. Eles estão implantados apenas a 60 quilômetros da fronteira com a região russa de Kaliningrado. Supõe-se que em breve os centros de comando com mísseis SM-3 irão aparecer por lá também. Além disso, os americanos decidiram localizar alguns caças F-16 e aviões de transporte "Hércules "na Polônia.

 A liderança russa manifestou repetidamente sua preocupação com esses planos, em  particular considerando que os Estados Unidos decidiu atualizar seu sistema de defesa anti-mísseis e instalações militares em vários outros países do Leste Europeu como a Bulgária e a Romênia. A posição da Rússia se refletiu no contrato para o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START-3). A Rússia tem o direito de se retirar do tratado, se entender que os elementos de defesa antimísseis (ou seja, armas defensivas) são uma ameaça.


 Formalmente, as relações russo-polacas melhoraram. Rússia estabeleceu um bom diálogo com o presidente Bronislaw Komorowski. No entanto, durante sua visita aos Estados Unidos em dezembro, ele sinalizou que apoiava a implantação dos elementos militares americanos em território polaco, perto das fronteiras russas. Desta vez, Hillary Clinton, fez uma afirmação direta sobre tal implantação .

 A administração dos Estados Unidos, como antes, insiste em que o sistema de defesa antimísseis e a base da força aérea na Polônia não ameaçam a Rússia e destinam-se contra possíveis ataques de "países marginalizados." No entanto, o onipresente site WikiLeaks lançou recentemente uma outra parcela de revelações que derruba a versão iraniana. Em geral, a defesa de míssil e a base de força aérea na Polônia são necessárias contra a Rússia.


Stratfor_flightpath
Trajetória de míssil a partir do Irã até os Estados Unidos ou
Europa; Trajetória de míssil a partir da Coréia do Norte rumo
aos Estados Unidos. Imagem by perfunction.typepad.

 O Jornal britânico The Guardian, citando o WikiLeaks, escreveu que anteriormente em 2009 a administração Obama garantiu aos poloneses que os novos elementos de defesa contra mísseis balísticos eram capazes de destruir mísseis disparados de qualquer lugar, incluindo a Rússia. A embaixada americana em Varsóvia informou que a plataforma marítima de mísseis pode oferecer a capacidade de responder rapidamente a ameaças de um rumo inesperado, e instalações terrestres podem ser equipadas com um número ainda maior de interceptores se ocorrer um aumento do nível de ameaça, e os radares podem ser reorientados .

 Os diplomatas dos Estados Unidos chamaram a atenção para o fato de que a liderança da Polônia esforça-se para obter todos os possíveis recursos militares da OTAN. Witold Waszczykowski, que se reuniu com senadores dos Estados Unidos, perguntava quanto tempo todo o mundo ainda tinha de esperar para perceber que a Rússia e o Irã não vão mudar. Acontece que não demorou tanto tempo.

 Um grupo militar americano poderoso que inclui elementos de defesa de míssil e base aérea está prestes a aparecer nas fronteiras da Rússia. Quem está mais interessado na criação de objetos provocantivos - os Estados Unidos ou a Polônia? Bogdan Bezpalko, um especialista sobre a Polônia com o Departamento de História da Universidade Estadual de Moscou compartilhou seus pensamentos com Pravda.ru:

 "Podemos dizer que os poloneses e os americanos se uniram em um êxtase anti-russo. Deve ser lembrado que o étnico polaco Zbigniew Brzezinski é o autor de muitas doutrinas anti-russas nos Estados Unidos. Ambos os países perseguem o seu próprio interesse.

 A doutrina de dominação global dos Estados Unidos envolve o bloqueio fora da Rússia cercando-a com seus objetivos militares. Esta é a defesa antimísseis e a base da força aérea na Polônia, e os objetos na costa do Mar Negro, na Bulgária e na Romênia. No futuro, eles estão indo estender sua presença militar na Ucrânia e se estabelecer em Sebastopol.

 Quanto à Polônia, não estamos falando de qualquer cálculo pragmático. Recentemente, os poloneses têm adquirido uma grande quantidade de equipamentos militares obsoletos dos Estados Unidos, algumas aviões estavam completamente defeituosos. Este equipamento foi bom só porque foi feito nos Estados Unidos. Enquanto ele não é russo!

 A elite política polaca está esperançosa de que, baseando-se nos Estados Unidos o seu país terá o mesmo peso político na Europa que a Alemanha, a França e a Itália. Para fazer isso, eles estão prontos para implantar quase tudo no seu território. Hoje podemos falar sobre o fato de que esse grande país da Europa central não é independente. É, em grande medida controlado a partir de Washington.

 Outra característica da elite polonesa é a russofobia motivada pelo fato de que eles abandonariam seus próprios interesses nacionais, a sua própria memória. A comunidade no país tem se indignado repetidamente com o fato de que, no desejo de fazer uma aliança anti-russa com a Ucrânia, as autoridades polacas estavam em todos os sentidos silenciando o fato de que os Banderovites estavam matando os poloneses. A implantação das instalações dos Estados Unidos é um elemento desse traço.

 Naturalmente, a Polônia tem os seus intelectuais que se opõem a esta política. Contudo, não há nenhum partido político principal a se opor à participação do seu país em projetos anti-russos. Não será surpreendente se a defesa de míssil e a base da Força Aérea dos Estados Unidos aparecer na Polônia".

Vadim Trukhachev

Pravda.Ru

Fonte: http://english.pravda.ru/world/americas/09-03-2011/117117-usa_poland_russia-0/



Para saber mais: The real aim of US missile shield disponível em Window on Heartland.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology