Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Novo míssil hipersônico manobrável de combustível líquido (MIRVed ICBM).

MIRVed ICBM: 1- O míssil é lançado fora de seu silo, disparado pelo impulso do motor de primeiro estágio (A). 2- Cerca de 60 segundos após o lançamento,  a  1 ª fase cai e o motor do 2º estágio (B) se inflama. O revestimento de mísseis (E) é ejetado. 3- Cerca de 120 segundos após o lançamento, o motor do 3º estágio (C) se acende e se separa da fase 2. 4- Cerca de 180 segundos após o lançamento, a fase de impulso termina e o veículo de impulso (D) se separa do foguete. 5- O veículo pós-impulso manobra independente e prepara a implantação do veículo de reentrada (RV). 6- Enquanto o veículo pós-impulso se afasta, engodos e chamarizes são implantados (ao contrário da figura sugere que este pode ser durante a subida). 7- Os RVs entram na atmosfera a altas velocidades e são armados em vôo. 8- As ogivas nucleares detonam, seja como rajadas de ar ou rajadas de solo. Fonte: wikipedia.


Será que a Rússia construirá um novo ICBM¹ MIRVed²?

 Uma história sobre o desenvolvimento na Rússia de um novo míssil balístico intercontinental pesado MIRVed definitivamente não é o tipo de notícia que os sustentadores do novo tratado START gostariam ver aterrizar no Senado dos Estados Unidos em meio ao debate sobre a ratificação do tratado. Mas desde que a história está lá fora, vale a pena dar uma olhada no que está por trás dela.

 Antes de tudo, é quase uma notícia - Forças de Foguetes apelaram à apresentação de propostas para um novo míssil a mais de um ano atrás. A idéia original sofreu forte pressão pelo gabinete de design NPOMash que desenvolveu o míssil UR-100NUTTH/SS-19 na década de 1970 voltar a entrar no negócio de mísseis. Naturalmente, NPOMash sugeriu que a Rússia precisa de "um novo míssil de combustível líquido poderoso, com uma massa de lançamento de cerca de 100 toneladas" - muito semelhante à UR-100NUTTH. Não é de surpreender que os proponentes do projeto dão ênfase no fato de o grande peso de lançamento do míssil permitir carregar uma série de contribuições de penetração na defesa antimíssil. O peso de lançamento de um UR-100NUTTH é mais de três vezes maior que o da classe Topol-M/RS-24 de mísseis de propelente sólido. Além disso, mísseis classe UR-100NUTTH seriam capazes de transportar a "mágica" ogiva manobrável hipersônica, que também foi divulgada como resposta aos planos de mísseis de defesa dos Estados Unidos (testes ocorreram com ele por volta de 2004).

 Em segundo lugar, deve notar-se que, apesar da pressão, o projeto não foi aceito universalmente. O Instituto de Tecnologia Térmica de Moscou (MITT), que produz Topol-Ms, argumentou que não há muito futuro em mísseis de combustível líquido e que o seu Topol-Ms (de ogiva única e MIRVed) é completamente adequado, à defesa de mísseis ou não.

Teste do míssil LGM-118 Peacekeeper americano - a partir de um único míssil MIRVed, 8 veículos de reentrada independentes rumam ao alvo. Fonte: wikipedia.



 Até onde entendo, depois de alguma discussão interna o Ministério da Defesa anunciou um convite à apresentação de um novo míssil pesado sem especificar se é necessário ser um míssil de combustível líquido. Embora o anúncio dê sugestões de que o míssil estará pronto para implantação em 2016, esse cronograma não é definitivamente realista. Na verdade, não está claro se o projeto será aprovado em tudo - mesmo se assumirmos que a Rússia pode precisar de um míssil MIRVed (o que não é), pode ser o R-36M2/SS-18 pesado - as Forças de Foguetes acabam de anunciar que vão tentar mantê-lo em serviço até 2026.

 Se o novo tratado START entrar em vigor, a idéia de construir um novo míssil provavelmente seria silenciosamente enterrada como fazendo pouco sentido. Mas se o tratado falhar no Senado dos Estados Unidos, provavelmente o veríamos avançar em alguma forma ou formato. Ele ainda faria nenhum sentido, é claro, mas seus defensores teriam uma chance de discutir mais uma vez que a Rússia precisa de algo "para contariar a defesa de míssil de Estados Unidos." Sem mencionar que, sem o New START, não haverá necessidade de reduzir o número de mísseis e ogivas.

 Este é, naturalmente, apenas uma das muitas razões pelas quais o novo Start deverá ser ratificado. Mas acredito que é uma razão importante - ninguém, inclusive a Rússia, precisa de um novo ICBMMIRVed pesado.

Fonte: http://russianforces.org/blog/2010/12/would_russia_build_a_new_mirve.shtml
[1] Intercontinental ballistic Missile - Míssil Balistico Intercontinetal.
[2] Multiple independently targetable reentry vehicle - Míssil de múltiplas ogivas num único ICBM.



Leia também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology