Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Obama já aprovou o ataque furtivo às Armas Nucleares Paquistanesas.

 
 De acordo com o Sunday Express de Londres, Obama já aprovou um movimento agressivo ao longo destas linhas: Tropas dos E.U.A serão implantadas no Paquistão se a instalações nucleares do país estiverem sob ameaça de terroristas para vingar a morte de Osama Bin Laden. O plano, que seria ativado, sem o consentimento do Presidente Zardari, provocou uma reação irritada de funcionários do Paquistão. O Barack Obama ordenaria que tropas saltassem de pára-quedas para proteger sítios de míssil nucleares-chave. Esses incluem o QG central da força aérea em Sargodha, a base doméstica do avião de combate F-16 com capacidade nuclear e pelo menos 80 mísseis balísticos. De acordo com um oficial dos E.U.A., "O plano tem o sinal verde e o presidente já mostrou que está disposto a mobilizar tropas no Paquistão se ele sente que é importante para a segurança nacional".

 A tensão extrema por cima desta questão destaca a diplomacia arriscada e a insanidade incalculável de Obama na incursão unilateral em 1º de Maio, que poderia ter sido facilmente interpretada pelos Paquistaneses como um ataque bem esperado nas suas forças nucleares. Segundo o New York Times, Obama sabia muito bem que ele estava cortejando uma guerra de tiros imediata com o Paquistão, e insistiu que a caçada a força a Osama bin Laden, no mês passado, fosse grande o suficiente para forçar seu caminho até o Paquistão, se confrontando com oficiais da polícia local e soldados hostis.
 
O tiroteio já começou

 O tiroteio entre forças dos Estados Unidos e Paquistão intensificou-se na terça-feira, 17 de Maio, quando um helicóptero da OTAN dos Estados Unidos violou o espaço aéreo paquistanês em Waziristão. As forças paquistanesas mostraram a posição vigilante aumentada, e abriram fogo imediatamente, com o helicóptero dos Estados Unidos disparando atrás. Dois soldados em um posto de verificação paquistanesas na fronteira na área de Datta Khel ficaram feridos.

 A possível retaliação paquistanêsa para esta incursão na fronteira veio em Peshawar na sexta-feira, 20 de maio, quando um carro-bomba ao que parece visou uma escolta do consulado dos Estados Unidos de 2 carros, mas não causou nenhuma morte americana ou danos. Um espectador curioso paquistanês foi morto e vários ficaram feridos. Em outra guerra de inteligência, a televisão Ary One  informou o nome do chefe da CIA em Islamabad, o segundo fantasma residente no ranking dos E.U.A está para ter seu disfarce revelado em seis meses.

 Enviado dos Estados Unidos Grossman rejeita chamadas paquistanesas de parar  as violações das fronteiras.

 O representante especial americano para o Afeganistão e Paquistão, Marc Grossman, o substituto para o anterior Richard Holbrooke, em 19 de maio arrogantemente rejeitou os apelos dos paquistanêses pedindo garantias de que operações unilaterais ao estilo Abottabad não mais seriam realizadas no Paquistão. Ao se recusar a oferecer essas garantias, Grossman afirmou que autoridades paquistanesas nunca exigiram o respeito pela sua fronteira nos últimos anos.
 No meio desta crise estratégica, a Índia progrediu com as manobras militares marcadas inerentemente provocantes que visam o Paquistão. Este é o Bhava Vijayee (a vitória) exercícios realizados no deserto de Thar no norte do Rajastão. Este exercício Blitzkrieg atômico, biológico, químico envolve o Segundo Corpo de Blindados do Exército, considerado o mais importante do exército indiano, três principais formações de ataque encarregadas de cortar virtualmente o Paquistão em dois durante uma guerra completa.

A Nação: A CIA, a Mossad, a RAW, o contrabando e o pseudo-Talibã.
 
 Uma maneira de fornecer a provocação necessária para justificar um ataque norte-indiana sobre o Paquistão seria através de um aumento nas ações terroristas atribuídas aos chamados talibãs. Segundo a mídia paquistanesa, a CIA, a agência Israelita Mossad, e a indiana RAW ( Research and Analysis Wing - Pesquisa e Análise de Vôo) criaram sua própria versão dos talibãs, sob a forma de contrabandistas e terroristas que eles controlam e dirigem. Segundo um relato, "agentes da Central Intelligence Agency (CIA) se infiltraram no Taleban e na Al-Qaeda, e criaram o seu própria força Tehrik-e-Taliban Paquistanesa (TTP) para desestabilizar o Paquistão. O ex-comandante regional de Punjab no Paquistão Inter-serviço da Inteligência Paquistanesa (ISI), brigadeiro-general aposentado Aslam Ghuman, comentou: Durante a minha visita aos E.U.A., aprendi que a agência de espionagem israelense Mossad, em conivência com a agência indiana RAW, sob a supervisão direta da CIA, tem planejado a desestabilização do Paquistão a qualquer custo. Foi este o contrabando responsável pelo bombardeio duplo da semana passada ao Waziristan, onde morreram 80 políciais paramilitares?

 De acordo com o mesmo relaro, a inteligência russa revelou que Raymond Davis contratado pela CIA e sua rede tinham fornecido a Al-Qaeda agentes com armas nucleares, químicas e biológicas, para que as instalações dos Estados Unidos possam ser visadas e o Paquistão seja acusado.” Davis, um veterano JSOC, foi preso pelo assassinato de dois agentes da ISI, mas, em seguida, liberado pelo Governo paquistanês após um tom suspeito e apelos do Departamento de Estado.

CIA afirma que o novo líder da Al Qaeda vive no Waziristão
 
Waziristão é alvo dos mísseis dos E.U.A.
 Se os E.U.A. precisam de um novo pretexto para invasões adicionais, também será fácil citar a alegada presença no Waziristão do Saif al-Adel, agora elogiado pela CIA como provável sucessor de Bin Laden como chefe da Al Qaeda. Sem dúvida, é conveniente para as intenções agressivas de Obama que Saif al-Adel seja requerido a residir tão perto do que é agora a mais quente das fronteiras em todo o mundo, e não em Finsbury ou Flatbush.

 Na sequência da incursão não autorizada de 1 Maio feeita pelos E.U.A., o chefe militar paquistanês Geral Kayani tinha o seu próprio aviso de que semelhante desventura não poderia se repetir, ao anunciar que o pessoal dos E.U.A. dentro do Paquistão seriam drasticamente reduzidos. Na estimativa de uma fonte do ISI, há atualmente cerca de 7.000 agentes da CIA no país, muitos deles desconhecidos do governo paquistanês. A partilha de informações entre EUA-Paquistão segundo notícias teria diminuído. Em resposta a mudança de Kayani, a CIA limitou-se a operação do ponto de encontro conhecido como Wikileaks e mais uma vez mostrou a sua verdadeira natureza tentando  desacreditar o comandante do Paquistão, fazendo correr informações duvidosas dos  E.U.A. de que ele havia exigido mais ataques dos drones Predator, não menos, nos últimos anos.

 Especialmente desde o discurso West Point que Obama fez, a CIA tem usado os ataques drones Predator objetivando fomentar uma guerra civil dentro do Paquistão, levando a uma desintegração do país ao longo das linhas étnicas do Punjab, Sind, Baluquistão e Pushtunistan. O objetivo geopolítico é destruir o Paquistão por ser um potencial corredor energético entre o Irã e a China. Selig Harrison surgiu como um defensor dos E.U.A. para a sucessão no Baluquistão.

 Desde 01 de maio, seis ataques efetuados por  drones Predator dos E.U.A. mataram cerca de 42 civis paquistaneses, incitando a opinião pública em um frenesi de ódio anti-americano. Em resposta, uma sessão conjunta do parlamento paquistanês aprovou por unanimidade em 14 de maio pela exigência de um fim aos ataques com mísseis americanos,  convidando o governo a cortar a linha de provisão da OTAN ao Afeganistão se os ataques continuarem. Desde Karachi até Khyber há uma linha de abastecimento, por onde passam dois terços das provisões necessárias aos invasores do Afeganistão, um corte a essa linha de abastecimento causaria o caos entre as forças da OTAN. Tudo isso aponta para a insanidade inerente de provocar a guerra com o país que a sua linha de abastecimento atravessa.

E.U.A quer usar o líder do talibã Mullah Omar contra o Paquistão
 
 O Departamento de Estado retirou todas as condições prévias para negociar com os talibãs de volta em fevereiro, e os E.U.A. estão agora, conforme relatado pelo Washington Post, dialogando com emissários do Mulláh Omar,  o lendário líder de-um-olho-só do Quetta Shura ou conselho dirigente do Taliban. É evidente que os Estados Unidos estão oferecendo ao Taleban uma aliança contra o Paquistão. O enviado regional dos Estados Unidos Grossman é hostil aos Paquistaneses, mas quando se trata do Taleban, ele foi apelidado de Sr. Reconciliação. Em contrapartida, os E.U.A., disseram estar determinados a assassinar o líder da rede Haqqani usando um ataque do tipo Bin Laden. Os paquistaneses estão igualmente determinados a manter o Haqqani como um aliado.

 Se a China está atrás do Paquistão, então poderia dizer-se que a Rússia está por trás da China. Ansiando pelo próximo 15 de Junho quando acontecerá a reunião da Organização de Cooperação de Xangai, o Presidente Chinês Hu louvou as relações sino-russas como “em um alto patamar sem precedente,” e “com um ingrediente estratégico óbvio.” Em conferência de imprensa esta semana, o presidente russo, Medvedev foi obrigado a reconhecer indiretamente que o tão aclamado "Reset" de Obama com a Rússia tinha significado muito pouco, já que o programa de mísseis ABM dos E.U.A.  na Romênia e no resto da Europa Oriental, assim, obviamente, dirigido contra a Rússia, significa que o tratado START é de valor duvidoso, aumentando o espectro de uma nova Guerra Fria. Dada a agressão da OTAN contra a Líbia, não haveria nenhuma resolução da ONU contra a Síria, disse Medvedev. Putin estava certo o tempo todo, e Medvedev está tentando imitar Putin para salvar alguma chance de permanecer no poder.

Estamos em julho de 1914?
 
 A crise que levou à Primeira Guerra Mundial começou com os assassinatos de Sarajevo de 28 de junho de 1914, mas a primeira grande declaração de guerra não ocorreu até 01 de agosto. No mês intercalar de Julho de 1914, grande parte da opinião pública européia recuou em um transe de sonho, de uma idílica terra la-la da ilusão elegíaca, mesmo quando a crise ganhou força mortal. Algo semelhante pode ser visto hoje. Muitos americanos carinhosamente imaginam que a suposta morte de Bin Laden assinala o fim da guerra contra o terror e a guerra no Afeganistão. Em vez disso, a operação Bin Laden claramente deu início a uma nova emergência estratégica. As forças que se opunham à guerra do Iraque, a MSNBC, para muitos liberais de esquerda o movimento da paz,estão apoiando diferentemente a agressão sangrenta de Obama na Líbia, ou mesmo celebrando-o como um "provocador de guerra mais eficaz do que Bush-Cheney, por causa do seu suposto êxito às custas de Bin Laden. Na realidade, se alguma vez houve um tempo para se mobilizar para acabar com uma guerra nova e mais ampla, é agora.

Fonte: http://paktribune.com/news/index.shtml?239616

Leia também:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology