Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Porta-aviões dos EUA entram no Golfo sem incidentes.

Porta-aviões USS Abraham Lincoln (CVN 72) navegando no Oceano Indico,
3 de feveveiro, 2005. Foto: REUTERS/US Navy/Timothy Smith.
(Reuters) - Um porta-aviões dos EUA navegou através do Estreito de Ormuz e no Golfo sem incidentes no domingo, um dia depois do Irã recuar das ações para uma ameaça mais precipitada se um porta-aviões americano voltasse a hidrovia estratégica.

 O porta-aviões USS Abraham Lincoln completou sua passagem "regular e de rotina" pelo estreito, uma porta de entrada fundamental para as exportações de petróleo da região, "como previamente programado e sem incidentes", disse a tenente Rebecca Rebarich, porta-voz da Quinta Frota dos EUA.

 O Lincoln, acompanhado por grupo de navios de guerra de ataque, foi o primeiro porta-aviões dos EUA a entrar no Golfo desde final de dezembro e estava em um revezamento de rotina para substituir a saída do USS John C. Stennis.

 A partida do Stennis motivou o chefe do Exército iraniano Ataollah Salehi a lançar ameaças sobre o retorno do porta-aviões ao Golfo.


 "Eu recomendo e aconselho o porta-aviões norte-americano não voltar ao Golfo Pérsico. ... Não temos o hábito de advertir mais de uma vez", disse ele.

 A ameaça levou a uma rodada de retórica crescente entre os dois lados, que assustou os mercados de petróleo e levantou o espectro de um confronto militar entre o Irã e os Estados Unidos.

 O Irã ameaçou fechar o estreito, o mais importante acesso do mundo para o transporte de petróleo, enquanto os Estados Unidos advertiram que tal medida exigiria uma resposta de Washington, que rotineiramente patrulha rotas marítimas internacionais para garantir que elas permaneçam abertas.


 O Irã apareceu para aliviar as tensões longe de suas advertências anteriores no sábado, com o Vice-Comandante da Guarda Revolucionária Hossein Salami dizendo à agência oficial de notícias IRNA que o retorno dos navios de guerra dos EUA para o Golfo era rotina e não um aumento da sua presença permanente na região.

 "Navios de guerra dos EUA e as suas forças militares já estão no Golfo Pérsico e na região do Oriente Médio por muitos anos e sua decisão em relação ao envio de um navio de guerra novo não é uma questão nova e deve ser interpretada como parte de sua presença permanente", Salami disse.

 Autoridades do Pentágono não quiseram comentar diretamente sobre as observações de Salami, mas reiterou que a presença contínua dos EUA na região reflete a seriedade com que Washington assume os seus compromissos de segurança para as nações parceiras na região e para garantir o livre fluxo do comércio internacional.

 A chegada do Lincoln no Golfo não estava relacionada à declaração do Irã no sábado.

 Tensões entre o Irã e os Estados Unidos têm sido crescentes nas últimas semanas e o presidente Barack Obama se prepara para implementar novas sanções dos EUA contra o Irã por causa do seu programa de enriquecimento nuclear, que Teerã diz ser para a produção de energia, mas o Ocidente acredita ser destinado a produzir armas atômicas.


 A UE está se preparando para intensificar as sanções contra Teerã com um embargo às exportações de petróleo do Irã e, possivelmente, o congelamento dos ativos do banco central do Irã. Obama está preparando novas sanções dos EUA que atinge as instituições financeiras estrangeiras que fazem negócios com bancos centrais iranianos.

 Ambos os lados tentaram reduzir a retórica na semana passada. A Casa Branca destacou que os Estados Unidos ainda está aberto a conversações internacionais sobre o programa nuclear do Irã, ao mesmo tempo que negou as afirmações iranianas de que as discussões estavam em andamento sobre a retomada do diálogo.

 A Casa Branca não confirmou nem negou relatórios iranianos sobre o envio de uma carta de Obama aos líderes iranianos, mas o porta-voz Jay Carney disse que qualquer comunicação com Teerã teria reforçado as declarações que Washington tem feito publicamente.

 Os Estados Unidos apóiam negociações entre o Irã e o chamado P5 + 1, os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - Rússia, China, França, Inglaterra e Estados Unidos - mais a Alemanha.


 Carney pediu que o Irã respondesse a carta enviada em outubro em nome do P5 +1 pela chefe de política externa da União Europeia Catherine Ashton.

 "Se os iranianos estão sérios sobre o reiniciar das conversações, então eles precisam responder a essa carta", disse Carney um briefing da Casa Branca. "Esse é o canal pelo qual ... o reinício dessas conversas aconteceriam."

(Reportagem de David Alexander; edição por Peter Cooney e Stacey Joyce)

Fonte: REUTERS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology