Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Os Estados Unidos está desenvolvendo uma vantagem tecnológica militar estratégica sobre a Rússia.


Entrevista com Leonid Ivashov, presidente da Academia de Problemas Geopolíticos feita por Kudashkina Ekaterina.   

 Este artigo, que critica o governo dos Estados Unidos por supostamente preparar a entrega de segredos materiais sensíveis à Rússia na defesa antimísseis não é destinado a discutir todas as questões relacionadas com a defesa anti-míssil. Sua primeira tarefa é fornecer suporte para a administração Obama ao evitar o debate de questões de defesa anti-mísseis com a Rússia. Por outro lado, exercem pressão sobre as propostas da Rússia para um sistema ABM conjunto na Europa, para que a Rússia sinta a pressão da opinião pública e jornalística a este respeito.

 O ponto é que a Rússia examina o AMD estratégico dos Estados Unidos como uma ameaça à sua segurança. A Rússia considera o tratado assinado sobre a redução de armas nucleares estratégicas, o START 3, prejudicial para o interesse na medida em que o lado americano está a tentar alcançar uma vantagem técnológica e militar. Isto acontece porque as facilidades estratégicas militares dos Estados Unidos e as transportadoras de míssil serão protegidas por ABMs dos Estados Unidos, ao passo que as facilidades russas serão essencialmente expostas e desprotegidas. Portanto, se os sistemas ABM americanos são desenvolvidos, não pode haver paridade em armamento de mísseis nucleares, porque uma parte é protegida e a outra não. É por isso que a Rússia fez uma declaração unilateral no momento da assinatura do START-3, dizendo que pode retirar-se do tratado se o sistema ABM dos Estados Unidos tombar o equilíbrio de poder na esfera de mísseis nucleares.

 Para que isso não aconteça e para a Rússia continuar a ser um sócio no START-3, e considerando que as declarações por parte dos Estados Unidos de que o AMD dos Estados Unidos não é prejudicial à segurança da Rússia e não é dirigido à Rússia, Moscou sugeriu um sistema de ABM conjunto na Europa. No entanto, isso não combina com o lado americano, e é por isso que estamos vendo essa pressão.

 Acho que este artigo é precisamente destinado a apoiar e defender a posição dos Estados Unidos. Virando-se para as críticas do autor sobre a transferência de informações secretas, eu tenho que dizer que após o colapso da URSS, a Rússia passou uma grande quantidade de informações secretas para os  Estados Unidos, inclusive sobre o estado de seus mísseis, que foi estipulado pelo anteriores acordos START. O START-3 também pressupõe a abertura dos lados no que se refere ao seu potencial nuclear e assim a troca de informações, incluindo dados de telemetria. Esta foi uma grande concessão por parte da Rússia, ao aceitar a troca de especificações de telemetria dos novos mísseis em fase de testes. Portanto não penso que há qualquer sentido falarmos sobre secretamente obter informação secreta dos americanos – temos de trocar informações e fazemos isto.


 Temos também que ter em mente o seguinte argumento contra a concepção desta questão em termos do vazamento de informações classificadas. A Rússia de hoje não tem planos de criar e desenvolver um sistema nacional de ABM. E se realmente obtivesse algo em um campo tecnológico adjacente, não seria capaz usá-lo, porque não estaria criando um sistema que pudesse utilizar a experiência americana. Portanto este artigo não tem uma natureza construtiva.

 Talvez uma pergunta que é um pouco tangencial ao tema principal, mas até que ponto hoje sistemas ABM correspondem ao nível de desenvolvimento das modernas armas? Porque se eu entendi corretamente, os Estados Unidos têm projetos de defesa muito mais avançado do que o sistema ABM.

 Precisamos olhar de modo integrado à questão. Quando os acordos sobre a limitação e redução dos armamentos estratégicos foram firmados pelos Estados Unidos e Rússia, houve outros fatores em jogo, por exemplo, sobre a paridade de armas convencionais. Havia uma espécie de paridade entre a URSS e os Estados Unidos - em alguns campos, os Estados Unidos estavam na liderança, em outras àreas estávamos à frente - mas ao todo, havia paridade.  E à sombra do lançamento do processo da redução de armas estratégicas, houve um processo paralelo à restrição de armas convencionais, acordos sobre a restrição de tal equipamento na Europa.

 Havia um terceiro fator: Os Estados Unidos e a União Soviética assumiram a obrigação de apoiar os processos de redução de armas estratégicas e convencionais pelo abandono de suas defesas;  que abstenha de desenvolver a defesa de míssil anti-balística, segundo um acordo 1972.

 Mas hoje, os Estados Unidos retiraram-se do acordo e estão desenvolvendo um sistema global ABM multi-camadas. Há elementos desse sistema no espaço, estão trabalhando na defesa aérea usando sistemas ABM de raio laser e estão desenvolvendo o componente baseado no mar. Hoje estamos vendo uma presença crescente de ABM nas proximidades da Rússia, inclusive com grupos em terra, que estão sendo planejados na Romênia e na Europa como um todo, etc. Então, o equilíbrio aqui foi perturbado.

 No que diz respeito a armas convencionais, especialistas russos tem considerado cuidadosamente as mudanças na estratégia militar dos Estados Unidos, quando em 2003 o governo dos Estados Unidos adotou o conceito Prompt Global Strike. Este conceito está hoje a ser vigorosamente implementado. Essencialmente dá substância e significado de armas estratégicas para as armas convencionais de alta precisão, primeiramente mísseis de cruzeiro do mar e do ar. Notavelmente, esta classe de armas, que são os mísseis de cruzeiro, não são limitadas por qualquer tipo de acordo. Estas são armas muito perigosas, que têm uma aplicação  estratégica ampla e uma altíssima precisão, e podem carregar ogivas convencionais e nucleares. E a Rússia está, obviamente, preocupada com isso, é por isso que a doutrina militar russa contém cláusulas sobre a possibilidade do uso preventivo de armas nucleares táticas. 

 Portanto, esta é uma questão muito complexa. Os americanos não estão de modo algum dando margem para abordar a restrição de armas, eles não estão sequer discutindo as possíveis restrições de armas convencionais, que têm uma natureza estratégica.

 A Rússia está atrás nisto, por isso mesmo qualquer limitação das armas estratégicas ofensivas, que tenha sido acordado nesse sentido, não está em posição completamente estável, dados os fatores desestabilizadores, primeiramente todos os sistemas ABM e as armas convencionais de alta precisão.

FONTE: http://globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=25201

Leia também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology