Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

As demolições controladas das torres-gêmeas: a arte da guerra.


Em certos casos onde os governos dizem teoria conspiratória leia-se fatos ocultados.  

Muitas teorias de conspiração sobre o 11/9 foram apresentadas para explicar os ataques de 11 de setembro de 2001, muitos deles afirmando que pessoas no governo dos Estados Unidos sabiam de antemão sobre os atentados e propositadamente permitiu-lhes ocorrer, ou os ataques foram orquestrados pelos próprios EUA, como um pretexto para a "Guerra ao Terror", as guerras no Afeganistão e Iraque, o aumento da militarização, a expansão do estado policial, e outras políticas nacionais e estrangeiras intrusivas através do qual eles se beneficiariam. Proponentes apontam para o Projeto para o Novo Século Americano, uma equipe conservadora que defende a aumento da liderança mundial dos Estados Unidos , cujos membros incluem o ex-Secretário de Defesa Donald Rumsfeld, o ex-Vice Presidente Dick Cheney e várias outras figuras chave da administração Bush, seja responsável pelos ataques. Os Atentados de 11 de março de 2004 em Madrid e os Atentado em Londres de 7 de julho de 2005 também são considerados pelos teóricos de conspiração como responsabilidade dos serviços secretos, como a CIA, sob ordens dos EUA.*

Professor de física norte americano e especialistas divulgam após comprovação científica que as torres-gêmeas foram demolidas.

 O que pensariam as pessoas se a polícia, após uma explosão suspeita fizesse ruir uma casa matando as pessoas que nela habitavam e em seguida rapidamente removesse e destruísse tudo aquilo que restasse? Foi o que fizeram, há dez anos, as autoridades estado-unidenses: ordenaram a remoção imediata das estruturas em aço das torres caídas no 11 de Setembro de 2001 em Nova York. Não há nenhuma dúvida, na versão oficial, de que a causa não foi o incêndio provocado pelo impacto dos aviões desviados por terroristas. As 300 mil toneladas de aço das torres foram em grande parte recicladas em fundições asiáticas, salvo 24 toneladas dadas à empresa Northrop Grumman (um das maiores empresas militares do Pentágono) para construir um navio-símbolo, o New-York: o primeiro de uma nova geração de unidades de assalto anfíbias para a guerra global ao terrorismo, justificada pelo ataque contra as torres-gẽmeas mostradas incessantemente. 

 Em contrapartida, nem um grama de aço foi dado aos engenheiros especialistas de estruturas conforme o solicitado para o objetivo de examinar as colunas e vigas e remontar algumas seções a fim de determinar com certeza as causas da derrocada. "Uma tal decisão – declara Frederick Mowrer da Universidade de Maryland, professor de engenharia de proteção contra incêndios – compromete todo o inquérito sobre os desabamentos. Julgo muito inquietante a rapidez com a qual foram removidas e recicladas provas potencialmente importantes" ( The New York Times, 25/Dezembro/2001). Nenhuma torre desse tipo, de fato, jamais ruiu por causa de um incêndio. O combustível dos aviões não teria podido desenvolver um calor capaz de fundir a maior parte no exterior das torres ainda que, no interior do ponto de impacto, se vejam pessoas incólume. A dinâmica da derrocada das torres gêmeas e da torre 7 (que não foi tocada pelos aviões) – sustentam diferentes especialistas – lembra uma demolição controlada, provocada por explosivos situados no interior. Por ter sustentado isso, o professor Steven Jones, professor de física, foi expulso da Universidade Brigham Young (Utah). Contudo, ele não desistiu. Com uma equipe da qual fazem parte também cientistas de outros países, publicou em 2009 na revista The Open Chemical Physics Journal (que submete a uma revisão científica todos os seus artigos a publicar) um estudo fundamentado na análise das amostras de poeiras recolhidas no Ground Zero. Estas revelam a presença de termite , uma substância não explosiva que produz uma reação química a uma temperatura de 2500 graus Celsius, com capacidade de fundir o aço, cortando-o como uma faca quente corta a manteiga. Vê-se numa foto uma coluna de aço cortada limpamente, em diagonal, com cores semelhantes às de uma vela. E como a termite não precisa de ar para queimar, a reação continua durante vários dias a desenvolver calor sob os escombros, enquanto os bombeiros as arrefecem com jato de água contínuos. 

 É sobre estas provas e outras, todas científicas, que se fundamenta o estudo do professor Steven Jones que desafia os cientistas apoiantes da versão oficial a refutarem a sua. Estes, contudo, recusaram-se a lê-la, dizendo que não tinham tempo para isso. Mas a versão oficial está em vias de ruir do mesmo modo como ruíram as torres: como um castelo de cartas. 

Autor: Manlio Dinucci

Para saber mais: 
O 11 de Setembro dez anos depois (texto em português) :
http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=26671
Vídeos e discussões: www.abovetopsecret.com

Why Indeed Did the WTC Buildings Completely Collapse? 
http://journalof911studies.com/volume/200609/WhyIndeedDidtheWorldTradeCenterBuildingsCompletelyCollapse.pdf
Architects and Engineers for 911 Truth. http://ae911truth.org/
[*] http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_teorias_de_conspiração

O original encontra-se em:
http://www.ilmanifesto.it/area-abbonati/in-edicola/manip2n1/20110906/manip2pg/14/manip2pz/309466/
e a versão em francês em:
http://www.mondialisation.ca/index.php?context=va&aid=26410


Leia também:

Caixões e campos de concentração nos EUA preocupam a sociedade americana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology