Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

domingo, 6 de novembro de 2011

A ciência espacial russa volta ao topo novamente.


 O telescópio Spektre R mostra o poder do programa espacial russo - e também tem o potencial de promover a cooperação internacional.

 A aridez de três décadas chegou ao fim em 18 de julho, quando um foguete Zenit lançou um radiotelescópio russo em órbita. Desde a queda econômica e política da União Soviética que os cientistas espaciais russos não foram capazes de desenvolver e lançar como um pedaço de ponta da instrumentação de pesquisa algo como o telescópio R Spektre.

 Um produto do Instituto de Física Lebedev, com financiamento adicional do Kremlin, o Spektre R é agora o maior telescópio no espaço. É talvez o mais bonito também, com um desenho em forma de flor, de 27 pétalas douradas que abrem perfeitamente logo após o lançamento. O objetivo científico principal da missão de cinco anos é o estudo dos alcances mais profundos e misteriosos do nosso universo, incluindo a origem dos buracos negros, a estrutura de galáxias, estrelas e formações dos limites do espaço interestelar.

 Orgulho da comunidade científica russa, o telescópio tem apenas 10 metros de comprimento, ou cerca de 30 pés. Mas, uma vez operacional até Setembro ou Outubro, o instrumento terá capacidade para fornecer imagens detalhadas do universo em 1.000 vezes a resolução atingível através do Telescópio Espacial Hubble. Embora que, sendo o Spektre R um telescópio de rádio, não haverá fotos deslumbrantes como as do Hubble - mas os cientistas estão prendendo a respiração à espera do primeiro fluxo de dados.

 O telescópio consegue ser tanto pequeno como poderoso devido a um sistema engenhoso que utiliza uma rede de recebimento de pratos e telescópios na terra. Esses se somam em conjunto com o Spektre R para fornecer uma claridade extraordinária de sinais. Pense nisso como a última palavra em "computação em nuvem." A rede inclui telescópios na Austrália, no Chile, na China, os da Agência Espacial Européia, os de Índia, Japão, Coréia, México, África do Sul, Ucrânia e Estados Unidos, bem como da Rússia. Uma vez em funcionamento, a rede telescópio será conhecida como RadioAstron, com um "prato" que abrange 30 vezes o diâmetro da Terra.

O Spektr-R radio observatorio lançado em um foguete Zenit do cosmódromo
de Baikonur, no Cazaquistão. Crédito: Roscosmos

 "Estávamos esperando por este dia durante muito tempo", disse Nikolai Podorvanyuk, um pesquisador do Instituto de Astronomia de Moscou. "Tem sido planejado desde a década de 1980, mas tem repetidamente caído através de uma variedade de razões. Mas agora ele está aqui, e estamos nos preparando para todas as novas informações que ele vai entregar."

 Vladimir Fotov, diretor do Instituto de Termofísica em Moscou concordou. "Isso vai abrir uma nova era na astronomia e astrofísica", disse Fedotov. "É uma enorme contribuição ao mundo da ciência, a Rússia sempre ocupou posições avançadas tradicionalmente. Isto é simplesmente ótimo.".

 A órbita do telescópio é igualmente incomun e inovadora, que vai desde uma abordagem de baixo (perigeu) de 500 km (310 milhas) da Terra e, em seguida, subindo para 340,000 km (211,000 milhas) de distância da Terra. Esta órbita elíptica significa que a gravidade da lua é uma parte importante da missão e o telescópio quase nunca estará na sombra da terra, assim essa é realmente uma missão espacial profunda sem o preço de ser uma missão espacial profunda.

Líder em tecnologia espacial retorna.

 Mas os aspectos técnicos do programa compartilham a importância com o simples fato de que o desdobramento próspero do telescópio de rádio traz um fim a ausência da Rússia da comunidade internacional quanto às contribuições para a ciência espacial. As primeiras fotos do lado distante da lua e muitas outras descobertas astronômicas básicas vieram do programa espacial russo. Assim, os primeiros sinais do Spektre R darão as boas-vindas, para o que eles dizem sobre os mistérios do universo, como também para o fato de que um líder tradicional na ciência espacial está de volta. "Nós somos mais do que um táxi espacial", zombou mais de um cientista, aludindo ao fato de que a Agência Espacial Russa está sendo paga pela NASA para transportar seus astronautas à Estação Espacial Internacional.

O Spektr-R e seu refletor de 33 pés  durante um teste de desenvolvimento
na terra. Créditos: NPO Lavochkin
 Mas saber sobre o Spektr R seria difícil para os leitores da maioria dos canais de notícias americanos. Num momento em que a NASA está presa em uma crise de orçamento, quando o Congresso ameaça cortar o financiamento para o telescópio James Webb, a próxima jóia da coroa astronômica americana, os normalmente tempestuosos sites de apoio ao espaço, bem como os meios de comunicação tradicionais, mas todos têm ignorado a missão Spektre R.

 Vamos torcer para que o silêncio se deva mais a uma visão míope para poupar os programas científicos básicos da NASA do que um desrespeito às realizações russas. E é ainda mais embaraçoso, uma vez que o recente lançamento da missão Júpiter da NASA, chamada Juno, estava em um foguete americano sobrecarregado  chamado Atlas 5, acionado em parte pelos motores dos foguetes licenciados pela organização russa Energomash. O entrelaçamento dos programas de exploração russos e americanos deve ser aplaudido por razões políticas, econômicas e científicas.

 Mas não importa, a realidade consiste em que uma vez que esta deslumbrante viagem de força astronômica envolvendo 20 nações conduzidas por uma flor espacial de 2.5 toneladas começa a andar, todos nós estaremos esperando que este seja apenas o primeiro capítulo da segunda fase de exploração da Rússia do universo.

Autor: Jeffrey Manber

Jeffrey Manber é consultor de longa data sobre os assuntos relacionados à cooperação russo-americana e é autor de Selling Peace, que conta a sua própria história dos acontecimentos que levaram às duas nações trabalhando juntas no espaço.

Fonte:
http://indrus.in/articles/2011/08/10/russian_space_science_blooms_again_12844.html


Leia também:

Com novas prioridades no espaço a Rússia valoriza seu potencial espacial.
Cooperação entre Rússia e França: o foguete Soyuz a serviço do satélite Galileo.
Transportador espacial russo Progress M-05M descartado após experimentos secretos na órbita da Terra.
O satélite Sirius XM-5 foi entregue ao Centro de Lançamento de Baikonur para lançamento em órbita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology