Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

domingo, 15 de abril de 2012

América Latina pode se converter na região mais dinâmica do mundo.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 14 de abril de 2012.

 Especialistas consultados para o informe anual de competitividade do Fórum de Davos crêem que a próxima década pode ser "a década da América Latina" por seu potencial e se a região souber enfrentar seus desafios, em especial a insegurança. México, Chile, Peru e Brasil recebem elogios especiais.

(SPANISH.CHINA.ORG.CN) – A América Latina está se recuperando da crise internacional com sinais de força econômica, enquanto que os países desenvolvidos estão estagnados e os asiáticos começam a mostrar esgotamento de seu potencial, segundo um informe anual sobre a competitividade publicado durante o Fórum Econômico Mundial que se celebrará na localidade suíça de Davos.

Assim, segundo o documento, a década que vem poderia ser “a década da América Latina” e converter à região na mais dinâmica e competitiva do mundo.

Mas para isso tem que enfrentar seus muitos desafios. Por enquanto, em termos de competitividade mundial, a América Latina segue tímida. Chile é o primeiro país da região que aparece na lista, no posto 31º. Os dois primeiros postos estão ocupados, respectivamente, por Suíça e Singapura.

Não obstante, os países latino-americanos registram notáveis progressos. O informe, por exemplo, louva a capacidade de inovação do Brasil; o sistema financeiro e as facilidades para a criação de empresas no México; o controle do déficit público e os preços no Peru ou a estabilidade que proporciona ao Chile os investimentos de capital de risco.

Em geral, os especialistas consultados para este informe consideram louvável a estabilidade macro-econômica da região e o crescimento e potencial do seu mercado interno. Além disso, o interesse da China pelas matérias primas latino-americanas está contribuindo a reduzir a excessiva dependência da região aos Estados Unidos, um ponto que se valoriza muito positivamente.

Frente a estes aspectos positivos, os especialistas também sinalizam uma série de metas pendentes que devem ser desafiados para que haja a elevação do dinamismo da América Latina, destacando a falta de segurança e a violência (especialmente na América Central).

Outros fatores que precisam melhorar são o sistema institucional, os investimentos em educação – com a finalidade de impulsionar a inovação- e o desenvolvimento das infra-estruturas, assim como os baixos níveis de produtividade dos trabalhadores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology