Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Porta-aviões em comum para a França e a Grã-Bretanha está totalmente fora da realidade.


Charles De Gaulle, o porta-aviões de propulsão nuclear da França.
Foto: naval-technology.com
 França e Grã-Bretanha dizem que estão considerando  repartir os custos do transporte militar, mas com firmeza excluem a possibilidade de compartilhar os porta-aviões, descartando a idéia como "completamente irrealista".


 As duas potências anunciaram na semana passada que houve conversações sobre a partilha de custos dos programas de aeronaves militares, mas rejeitam os relatos de que planejam fundir as suas frotas de porta-aviões.

 "Em termos de ser capaz de compartilhar um porta-aviões, eu teria pensado que isso era totalmente irreal," disse o Ministro Britânico da Defesa, Liam Fox, aos repórteres após um encontro com seu homólogo francês, Herve Morin.
  
 "Mas quando se trata de compartilhar ativos em outras áreas, como transporte estratégico e tático eu teria pensado que era um caso completamente diferente", acrescentou ele, referindo-se a aviões militares de transporte e helicópteros.
  
 No início desta semana, a imprensa britânica havia informado que a Royal Navy e a Marine Nationale estavam se preparando para colocar séculos de rivalidade muitas vezes sangrenta atrás delas e compartilhar o uso dos seus navios mais poderosos.



O porta-aviões Queen Elizabeth class CVF, da Marinha Real Britânica, a arca dos aviões F-35B Lightning II e Sea Harriers.
Foto: naval-technology.com
 Mas os ministros, embora admitindo que os seus orçamentos estejam extremamente apertados e que eles estavam buscando formas de compartilhar custos juntando recursos, insistiram que nenhuma medida drástica esteve na mesa.
  
 A Grã-Bretanha está passando por uma revisão estratégica de defesa para decidir qual dos seus programas militares será cortado, e Fox e Morin se reunirão em 14 de outubro para discutir "planos concretos" para a cooperação.
  
 "O trabalho está em andamento no ritmo determinado pelos britânicos, que estão passando por uma revisão em profundidade estratégica, no contexto de um problema orçamental grave", disse Morin na conferência conjunta de imprensa.


 "Temos algumas pistas de que estamos indo para baixo: o A400M, os aviões de reabastecimento e, talvez, a cooperação sobre a capacidade naval - mas não os porta-aviões, só assim as coisas são claras", acrescentou.
  
 O A400M é um incômodo projeto do fabricante de aviões europeu Airbus para produzir um avião de transporte militar que substituia as frotas envelhecidas de Hércules C130 e Transalls trabalhando o tempo todo no Afeganistão e em todo o mundo.
  
 O novo avião foi primeiramente encomendado em 2003 por sete nações e as forças aéreas deveriam receber as suas primeiras entregas no fim de 2009, mas depois de longos atrasos técnicos não as esperam agora até pelo menos no início de 2013.
  
 O projeto também está mais de cinco bilhões de euros acima do orçamento, num momento em que governos clientes estão procurando maneiras de reduzir os gastos de defesa renegociando os seus contratos com a Airbus.




Impressão artística do Airbus A400M da Luftwaffe, a força aérea alemã.
Foto: Wikipedia
 A Airbus também está desenvolvendo um novo avião militar com base no seu avião civil  A330 para o reabastecimento de aviões de ataque em pleno ar. A Grã-Bretanha planeja comprar os aviões através de um acordo complexo de leasing  público-privado.
  
 "Você vai ter que esperar para o final de outubro para  ter informações mais precisas", disse Morin, quando perguntado sobre exemplos concretos de como a Inglaterra e a França planejam colaborar mais estreitamente nos próximos anos.
  
 Mas ele disse que os dois militares, os mais poderosos na União Europeia e, atualmente, companheiros na missão da Otan no Afeganistão, pretendem economizar dinheiro trabalhando no sentido de "mutualização" dos projetos de aquisições.
  
 Morin disse que a França e a Grã-Bretanha poderão trabalhar em conjunto no desenvolvimento de novas armas e sistemas, a nível industrial ", quer em cooperação ou na criação de projetos extremamente fortes, que nos levaria a interdependência."
  
 Fox não foi tão longe, mas disse que os Estados Unidos e França foram os aliados ocidentais mais importantes da Grã-Bretanha e que a vontade da França em desdobrar forças no exterior fez dela uma nação cuja "parceria e aliança ocorreu naturalmente".

 Os dois ministros disseram que estavam em pleno acordo sobre a necessidade de reduzir a burocracia na sede da OTAN em Bruxelas, e reivindicariam isto na próxima conferência da aliança atlântica, em Lisboa, em Novembro.

 "O excesso precisa ser cortado fora, porque não somos no âmbito da OTAN como um projeto de criação de emprego. Nós estamos lá para garantir que ela proporcione o que precisamos nos termos da nossa segurança combinada", disse Fox, ecoando a opinião de Morin.

Fonte: http://www.france24.com/en/20100903-common-fleets-france-uk--utterly-unrealistic-aircraft-carriers-liam-fox
Outros links: http://www.guardian.co.uk/politics/2010/aug/31/uk-france-share-aircraft-carriers
http://www.thisislondon.co.uk/standard/article-23872270-britain-and-france-will-share-aircraft-carriers-to-cut-costs.do

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology