Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Nos interesses de Israel": Por que a Rússia não venderá o sistema de defesa aérea S-300 ao Irã?

Nota do Editor de Global Research

Este artigo do general Ivashov é de importância crucial. Ele sugere que a Rússia tem dois lados com a aliança militar EUA-OTAN-Israel. 

 Até ao congelamento dos seus acordos de cooperação militar com Teerã diz respeito à defesa do Irã de ar do sistema, Moscou tem de facto dado luz verde para o Pentágono. Sem o sistema de defesa aérea S-300, incluindo o apoio técnico da Rússia, o Irã é um "pato sentado". Este cumprimento de Moscou às exigências dos EUA é uma precondição para uma guerra total contra o Irão. Moscou não tem dúvidas também insinuou que ele não iria intervir se um ataque às instalações nucleares do Irã seriam lançados. 


Michel Chossudovsky, 22 set 2010 


 O chefe do exército russo de pessoal o General N. Makarov comunicou em 22 de setembro a notícia de que a Rússia não vai vender o sistema de defesa aérea S-300 para o Irã. Independentemente das explicações oficiais, não é preciso um especialista para perceber que, como um sistema puramente defensivo projetado para proteger um país de ataques da aviação e de mísseis de cruzeiro, os complexos S-300 não podem constituir uma ameaça a nenhum país, a menos que estes ataquem aquele que os possuí.

 Quanto ao impasse entre o Irã e Israel, Teerã está constantemente confrontado com ameaças de ataques aéreos maciços, e tomar medidas para impedir a agressão é uma obrigação para qualquer país, buscando manter a paz, especialmente para um membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas que partilha a responsabilidade pela segurança global. A agressão é menos provável na situação de paridade militar ou se a vítima em potencial é capaz de infligir danos inaceitáveis sobre o agressor. A posse do Irã dos complexos S-300 poderia expor as forças aéreas de Israel ao risco de um dano inaceitável, caso este escolhesse atacar primeiro. Negar ao Irã o direito de meios eficazes de auto-defesa é o mesmo que incentivar a agressão contra ele. Não está assim a Rússia, ajudando a desencadear uma guerra desastrosa na proximidade de suas próprias fronteiras, uma guerra contra um país que, por sinal, abriga uma grande colônia de especialistas russos? Além disso, a recusa em fornecer os complexos S-300 ao Irã claramente fere os interesses políticos e econômicos da Rússia. 



O S-300 russo é uma série de sistemas de mísseis terra-ar de longo alcance produzidos por NPO Almaz.
 Qual seria a motivação por trás da decisão recente da Rússia? Obviamente, isso depende de vários assuntos relacionados. Ostensivamente ignorante da existência do arsenal nuclear de Israel, Moscou vem durante anos jogando o jogo de amansar as ambições nucleares pretensas do Irã e votou por sanções contra o país no Conselho de Segurança de ONU. Na verdade, Teerã propôs uma série de vezes transformar o Oriente Médio em uma zona livre de armas nucleares. O plano foi bem recebido pela maioria do mundo árabe, mas parece ser um tabu para o ministério de Relações Exteriores da Rússia. Agora, por que isso? 

 Igor Yurgens, chefe do Instituto de Desenvolvimento Contemporaneo, um instituto de pesquisa interdisciplinar russo bem relacionado, disse no Nixon Center na mesa de conversações Rússia-EUA em 28 de julho de 2010, que nem toda a gente da Rússia se refere à queda da URSS como uma catástrofe geopolítica (como o ex-presidente e atual primeiro-ministro Putin descreveu sendo o desenvolvimento histórico). Yurgens continuou afirmando que a meta é integrar a Rússia na arquitetura de segurança euro-atlântica e, eventualmente, levar o país à OTAN. Ele elogiou o ministro da Defesa russo A. Serdyukov pela reforma militar e disse que num futuro próximo a Rússia - estranhamente - faria a importação para o seu exército de pelo menos 30% das armas e equipamentos de Israel e dos países da OTAN. Outro palestrante da mesa redonda da Rússia - o general V. Dvorkin que, aliás, fez uma visita a Israel, há pouco tempo - instou um OK aos senadores dos EUA para lançar um ataque contra o Irã o mais rápido possível e até apresentou um modelo de computador do conflito para parceiros os norte-americanos. 

 Os Ministros da Defesa da Rússia e de Israel A. Serdyukov e Ehud Barak assinaram um acordo único sobre a cooperação militar entre os dois países no dia 6 de Setembro de 2010. Os dois lados foram longe ao incluir trocas de dados de inteligência no pacote, deixando aberta a interpretação de se a partir de agora a Rússia vai espionar os países árabes, Turquia e Irã e passar informações sigilosas a Israel. Ao passo que, no passado a administração russa buscou o consenso com Tel Aviv para vender armas aos países do Oriente Médio, atualmente a impressão é que Moscow precisa da sanção explícita de Israel para tais acordos. Um acordo semelhantemente absurdo estava em vigor no dia da comissão de Gore-Chernomyrdin quando Moscou nem sequer se atreve a ofertar equipamentos mecânicos comuns para o Irã a menos que Washington dê o sinal verde para o negócio. 

 É um segredo aberto se Israel ajudou a organização e o lançamento da agressão georgiana não provocada contra a Ossétia do Sul em agosto de 2008 e o ataque mortal contra a força de paz russa enviada à república. Conselheiros israelenses são em parte responsáveis pelo derramamento de sangue, mas fica a impressão de que estes dias de Moscou nenhum sacrifício é um preço demasiado para um bilhete de entrada na civilização Judo-atlântica. 

 Decisões como a anunciada pelo general N. Makarov minam o prestígio da Rússia e corroem a sua segurança, tornando o mundo menos seguro para cada um de nós. No momento em que o mundo islâmico tem razões para acreditar que a Rússia mudou para o acampamento dos seus inimigos. Dados os fatos que a Rússia está travando uma luta prolongada na parte muçulmana do Cáucaso e que mais de um milhão de muçulmanos são residentes em Moscow, antagonizando os muçulmanos do mundo é a última coisa que o país precisa. 

 No conjunto, a reforma militar de Serdyukov - a reforma estrutural, a introdução do sistema de brigada, as aquisições de armas de Israel e da OTAN, exercícios conjuntos da Rússia e o Ocidente, nos EUA e na Europa, a onda de encerramentos de colégio militar - observadores levam a concluir que o plano mais amplo por trás dele é construir o que ainda resta do exército e da marinha da Rússia para os Estados Unidos e o corpo expedicionário da OTAN. 

 Devemos realmente tomar rumos arriscados nas aventuras militares dos anglo-saxões e da liderança sionista israelense, em nome da dominação global da oligarquia financeira sombria? Deixe os outros julgarem o que os autores do plano merecem. 

Artigo de Global Research por Leonid Ivashov.
O general Leonid Ivashov é o presidente da Academia de Problemas Geopolíticos 

Fonte: http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=21157


Leia também:
Medvedev emite decreto proibindo venda de armas ao Irã.

2 comentários:

  1. Por que a Rússia está abrindo as pernas para os EUA?Para entrar na OTAN?É APENAS UM JOGO?

    ResponderExcluir
  2. Talvez não seja um interesse maior à Rússia modernizar-se e alcançar a paridade em todos os campos com os principais países? Eles ainda tem a fórmula da forte indústria soviética, mas precisam também, dentre outras coisas, de uma economia sólida e confiável para restabelecer no mundo seu status quo. Para isso, ainda dependem de alianças com compensações, o que no momento o Irã ou a Coréia do Norte não podem oferecer.

    ResponderExcluir

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology