Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

A Democracia Ocidental é verdadeira ou uma fachada?

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 17 de fevereiro de 2012


O governo dos Estados Unidos e os seus fantoches da OTAN foram matando muçulmanos homens, mulheres e crianças por uma década, em nome de trazê-los a democracia. Mas é o próprio Ocidente uma democracia?


Os céticos apontam que o presidente George W. Bush foi colocado no cargo pelo Supremo Tribunal e que uma série de outras eleições foram decididas por urnas eletrônicas que não deixam rastro de papel. Outros observam que os funcionários eleitos representam os interesses especiais que financiam suas campanhas e não os eleitores. O salvamento dos bancos arranjado pela Secretaria do Tesouro de Bush e o ex-presidente da Goldman Sachs, Henry Paulson, e o fracasso de Washington para indiciar quaisquer banksters por fraudes que contribuiram para a crise financeira, são provas em apoio à visão de que o governo dos EUA representa o dinheiro e não os eleitores.


Os recentes acontecimentos na Grécia e na Itália criaram mais ceticismo ao pedido do Ocidente para ser democrático. Dois eleitos primeiro-ministros europeus, George Papandreou da Grécia e Silvio Berlusconi da Itália, foram forçados a demitir-se sobre a questão da dívida soberana. Nem mesmo Berlusconi, um bilionário que continua a liderar o maior partido político italiano, podia levantar-se à pressão trazida pelos banqueiros privados e não eleitos oficiais da União Europeia.


Papandreou durou apenas 10 dias depois de anunciar em 31 de outubro de 2011, que ele deixaria os eleitores gregos decidirem em referendo se querem ou não aceitar a austeridade que está sendo imposta ao povo grego a partir do exterior. A austeridade é o preço cobrado pela UE para emprestar ao governo grego o dinheiro para pagar aos bancos. Em outras palavras, a questão era de austeridade ou padrão. No entanto, a questão foi decidida sem a participação do povo grego.


Consequentemente, os gregos tomaram as ruas. As condições que acompanham a última fatia do resgate, mais uma vez trouxe um grande número de gregos para as ruas de Atenas e outras cidades. Cidadãos protestam contra um corte de 20% do salário mínimo e das pensões superiores a 12.000 euros ($ 15,800) por ano e mais cortes em empregos no setor público. Impostos gregos foram criados de 2,3 mil milhões de euros no ano passado e estão programados para subir mais de 3,4 bilhões de euros em 2013. A austeridade está a ser imposta, apesar taxa de desemprego na Grécia de 21% do total e 48% para aqueles com idade inferior a 25.


Uma interpretação é que os bancos, que foram descuidados em seus empréstimos para os governos, estão forçando as pessoas a salvar os bancos das conseqüências de suas más decisões.
Outra interpretação é que a União Europeia está usando a crise da dívida soberana para ampliar seu poder e controle sobre os Estados-Membros da UE.


Alguns dizem que a UE está usando os bancos para a agenda da UE, e outros dizem que os bancos estão usando a agenda da UE para os bancos.


Com efeito, eles podem estar usando um ao outro. Independentemente disso, a democracia não é parte do processo.


A Grécia apontou – o não eleito – primeiro-ministro Lucas Papademos, ele é o ex-governador do Banco da Grécia, membro da Comissão Trilateral Rockefeller, e antigo vice-presidente do Banco Central Europeu. Em outras palavras, ele é um banqueiro nomeado para representar os bancos.


Em 12 de fevereiro o designado primeiro-ministro, cujo trabalho é entregar a Grécia para os bancos ou para Bruxelas, não conseguiu ver a ironia em sua afirmação de que “a violência não tem lugar em uma democracia.” Nem ele vê qualquer ironia no fato de que 40 representantes eleitos no parlamento grego, que rejeitou os termos de resgate foram expulsos pelas partes da coalizão governista. Violência gera violência. A violência nas ruas é uma resposta à violência econômica que está sendo cometido contra o povo grego.


A Itália formou um segundo governo democrático sem democracia. O designado primeiro-ministro, Mario Monti, não terá de enfrentar uma eleição até abril de 2013. Além disso, segundo relatos da imprensa, seu “gabinete de tecnocratas” não inclui um único político eleito. Os bancos estão tomando sem nenhuma possibilidade: Monti é tanto o primeiro-ministro quanto o ministro da economia e finanças.


O contexto de Monti indica que ele representa tanto a UE como os bancos. Ele é o ex-assessor europeu para a Goldman Sachs, presidente europeu da Comissão Trilateral, um membro do Grupo de Bilderberg, um ex-comissário da UE, e um membro fundador do Grupo Spinelli, uma organização lançada em setembro de 2010 para facilitar a integração na UE, isto é, para avançar o poder central sobre os Estados membros.


Há pouca dúvida de que os governos europeus, como Washington, têm sido financeiramente incapaz, vivendo além de seus meios e criando o peso da dívida sobre os cidadãos. Algo precisava ser feito. No entanto, o que está sendo feito é extra-democrático. Isto é uma indicação que elites Ocidentais – a Comissão Trilateral, o Conselho de Relações Estrangeiras, Grupo de Bilderberg, a UE, corporações transnacionais, bancos enormes, e o mega-rico – já não acreditam na democracia.


Talvez os historiadores do futuro vão concluir que a democracia serviu aos interesses do dinheiro, a fim de se libertar do poder dos reis, da aristocracia, e da pilhagem do governo, mas como o dinheiro estabeleceu o controle sobre os governos, a democracia tornou-se um passivo. Os historiadores falarão da transição do direito divino de reis ao direito divino do dinheiro.


Autor: Paul Craig Roberts

Fonte: Global Research
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology