Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Equipe de perfuração no Lago Vostok afirma avanço.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 24 de fevereiro de 2012



Os cientistas russos relatam que estão obtendo sucesso na sua busca por perfurar o Lago Vostok, uma enorme porção de água líquida enterrada sob o gelo antártico.

É a primeira vez que tal avanço tem sido feito em um dos mais de 300 lagos subglaciais conhecidos no Continente Branco.

Os investigadores acreditam que Vostok pode lhes dar alguns insights novos sobre a história congelada da Antártica.

Os cientistas também esperam encontrar formas de vida microbiana que são novas para a ciência.

“Isso me enche a alma de alegria”, disse Valery Lukin, do Ártico da Rússia e do Instituto Antártico de Pesquisa (AARI), em São Petersburgo, que tem supervisionado o projeto,

“Isso nos dará a possibilidade de avaliar a evolução biológica dos organismos vivos… porque esses organismos passaram um longo tempo sem contato com a atmosfera, sem luz solar”, segundo citações em uma tradução dos relatórios nacionais de mídia pela BBC Monitoring.

O projeto de perfuração levou anos para ser planejado e implementado. A localização do lago, no coração da camada de gelo da Antártida Oriental é um dos lugares mais inóspitos da Terra.

É o lugar onde os termômetros registraram a temperatura mais baixa já no planeta – menos 89C em 21 de Julho de 1983.

A Estação Vostok foi criada pelos russos em 1956, e suas sondagens sísmicas logo sugeriu que havia uma área de líquido debaixo de todo o gelo. No entanto, foi somente na década de 1990 que os cientistas britânicos, com a ajuda do radar, foram capazes de determinar a extensão do recurso sub-glacial.

Com uma área de 15.000 quilômetros quadrados e com profundidades atingindo mais de 800 metros, o lago Vostok é similar em tamanho ao Lago Baikal, na Sibéria ou o Lago Ontário na América do Norte.

Mais de 300 desses poços de água já foram identificados através da Antártica. Eles são mantidos no estado líquido por causa do calor geotérmico e da pressão, e são parte de uma rede hidrológica vasta e dinâmica movendo sob o manto de gelo.

Alguns dos lagos estão conectados e trocarão sua água. Mas alguns podem ser completamente cortados, caso em que a água pode ter estado residente em um lugar por milhares, senão milhões de anos. Pesquisadores russos vão tentar estabelecer o quão isolado foi o Lago Vostok. Se ele foi selado, então os micro-organismos novos para a ciência com muita probabilidade evoluíram no lago.

No entanto, haverá preocupações sobre a introdução de contaminação, e houve críticas aos métodos utilizados pela equipe de perfuração Vostok.

Vladimir Chuprov, do Greenpeace Rússia, comentou: “Há um conjunto de riscos que podem danificar o lago relíquia e alguns deles estão ligados a poluição do lago com os fluidos da perfuração, bem como o resíduo de material que pode entrar neste lago único.”

A equipe de brocadores de perfuração estão tomando as precauções necessárias.

O projeto Vostok é um de uma série de empreendimentos similares que estão sendo realizadas no Continente Branco.

A British Antarctic Survey (BAS) está esperando para começar seus esforços para perfurar no lago Ellsworth no oeste da Antártida ainda este ano. Uma equipe americana tem como alvo o Whillans Lake, também no Ocidente.

“É um marco importante que foi concluído e uma grande conquista para os russos, porque eles têm trabalhado nisso há anos”, disse o professor Martin Siegert, investigador principal no projeto Bas-Ellsworth,.

“A equipe russa compartilha a nossa missão para compreender os ambientes lacustres subglaciais e estamos ansiosos para desenvolver colaborações com seus cientistas e também aqueles dos EUA e de outras nações, como todos nós embarcamos em uma busca para compreender essas cristalinos ambientes extremos”, disse ele AP.

Os projetos são de fascínio particular para astrobiólogos, que estudam as origens e distribuição provável de vida em todo o Universo.

As condições nesses lagos Antárticos podem não ser muito diferente daquelas nos poços de água líquida que se pensa existir sob as superfícies das luas geladas do Sistema Solar exterior.

Lugares como a lua Europa, que orbita em Júpiter, e Enceladus, que circunda Saturno, podem estar entre os melhores lugares além da Terra para ir procurar organismos estranhos.

Fonte: BBC

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology