Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Internet, a caixa de ferramentas da Guerra para o controle total.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 4 de abril de 2012.

Mapa da liberdade: verde (maior liberdade); amarelo (liberdade parcial); azul (menor liberdade). fonte: www.freedomhouse.org

Esta publicação foi dividida em quatro partes. Traduzido do original War for Total Control

É um velho clichê dizer que a tecnologia em si não é nem boa nem má, mas que tudo depende de como você vai usá-la. No caso de Tecnologias da Informação e das Comunicações, e o problema de ter o seu filho fora de controle, a internet, que até revolucionou o mundo, hoje parece que nos coloca em uma encruzilhada chave, onde tudo parece cair sobre o caminho no qual a humanidade finalmente pisa.

Como uma espada afiada de dois gumes, a internet e as tecnologias de muito rápida evolução que as rodeia, estão preparadas tanto a inaugurar uma nova era de esclarecimento intelectual, cultural e espiritual, bem-estar material e verdadeira cooperação entre as nações empenhadas em resolver problemas globais comuns, quanto podem estar prestes a cair em um abismo negro de controle totalitário absoluto; violência intelectual, física e espiritual; e escravidão em massa numa escala sem precedentes.

Como resolver esse dilema? Devemos certamente começar por compreender três questões fundamentais: quem realmente controlam essas tecnologias, quais são seus objetivos a médio e longo prazo, por que eles estão sendo usados da maneira que são.


O HOMEM INVISÍVEL

Um dos maiores perigos que enfrentamos hoje é a dificuldade em identificar adequadamente e distinguir o amigo do inimigo, é cada vez mais difícil de entender quem – mesmo que – o inimigo ou o adversário signifique que a vulnerabilidade chave da sociedade decorre de sua incapacidade de identificar corretamente riscos, ameaças e perigo. Se você não pode ver um perigo se aproximando, ele vai bater em você de surpresa como o olhar sobre o Titanic tão dolorosamente aprendido naquela noite fatídica em abril de 1912.

Um fator vital para a sobrevivência e prosperidade dos indivíduos, famílias, comunidades, organizações – mesmo nações inteiras – encontra-se em identificar adequadamente amigos e inimigos (ou pelo menos adversários). Há sempre um “inimigo” lá fora, que nem quer ter o que possuímos, ou quer nos colocar a serviço dele ou dela, ou pode ter uma infinidade de razões para querer de alguma forma nos enfraquecer ou se livrar de nós, principalmente porque querem tomar de graça algo que é nosso. Alguns dirão que esta é a natureza humana básica, outros que é o imperativo darwinista da sobrevivência dos mais aptos, outros ainda se queixam de que é do homem o egoísmo criminal. Seja qual for sua opinião, a verdade é que de uma forma ou de outra todos nós vivemos imersos no “modo de auto-proteção ou defesa”, que começa todas as manhãs quando fechamos e trancamos a nossa porta.

O que eu quero dizer é que a auto-proteção ou defesa é fácil quando você pode claramente identificar e compreender o seu inimigo: se os ladrões em geral em nossas ruas, ou potências estrangeiras empenhados em subjugar ou colonizar-nos. Aqui é onde as línguas européias modernas jogar nos um truque ruim, porque usamos a palavra “inimigo” com muito ampla margem um. Na verdade, faríamos bem em prestar atenção as recomendações do jurista alemão Carl Schmitt (1888-1985) que, como os romanos, diferenciadas entre Inimicus (isto é, seu inimigo pessoal a quem você poderia odiar por ter feito algumas coisas erradas, mas que é o seu próprio negócio privado e problema) e Hostis (isto é, um inimigo público da comunidade e do Estado, a quem talvez não necessariamente gostem, mas que represente uma ameaça a todos e, portanto, deve ser combatido).

Por exemplo, 200 anos atrás, era fácil às treze colônias originais da América do Norte identificar como seu Hostis, a Coroa Britânica em Londres, ou aos vice-reinados da América do Sul identificar como seu Hostis o Tribunal espanhol em Madrid. A comum, o inimigo visível, credível faz que o planejamento estratégico seja muito mais simples, pois sabemos quem ele é, onde ele está, o que ele quer, e como ele atinge seus objetivos.

O desafio de hoje, no entanto, é muito maior porque Hostis – o inimigo comum – não é mais fácil de identificar. Já não podemos simplesmente dizer “são os Britânicos e estão em Londres” ou “são os Reds” ou “os nazistas” ou “os japoneses”. Hoje, o Hostis da humanidade tornou-se demasiado complexo, muitas vezes sutis e desafiando a simples identificação se por nação, raça, credo, geografia, língua ou qualquer outras características fáceis de perceber. O Hostis hoje está em toda parte e em lugar nenhum, isso exige a nossa busca refinada, identificando-o mais pelos seus sinais que ‘conta-sua-história’, impressões digitais, “DNA” por assim dizer, do que diretamente percebendo ele (ou ela).

Os líderes nacionais já não podem reunir o suporte popular de massa a “combater os soviéticos ou os alemães, ou os japoneses.” Uma década atrás, eles tiveram que recorrer a abstrações mais débeis, como a “guerra ao terrorismo” de Bush, que é sem sentido até que você de fato defina o que é o “terrorismo”.

O que temos hoje é basicamente um inimigo invisível público que é muito difícil de apontar especificamente, mas os efeitos de cujas ações cada vez mais sofremos em todo lugar. Possivelmente ‘a Elite do Poder Global’ seja o mais próximo do que podemos chegar a descrever esse inimigo global verdadeiro, cujos interesses planetários e os objetivos correm em maior parte contrários aos interesses comuns de “Nós o Povo” em todo lugar, mesmo que também ainda esteja bastante abstrato e sem rosto.

No entanto, e como todos os “homens invisíveis”, enquanto não podemos “ver” o inimigo certamente podemos sentir os efeitos de suas ações e, assim, aprender corretamente a traçar suas trilhas, inferir onde ele está agora, para onde está indo e o que ele pretende fazer.

Nesta guerra mundial, todos os cidadãos conscientes devem tornar-se caçadores organizados: o combate à Elite do Poder Global é muito parecido com o rastrear de um tigre selvagem e perigoso na floresta… Um caçador experiente, astuto e vigilante não precisa realmente ver o tigre para saber que ele está por perto, se ele sabe como identificar e compreender as específicas ‘marcas do tigre’ que denunciam o seu rastro: aqui, alguns galhos quebrados em um caminho na floresta, ali há um roedor morto, talvez excrementos de tigre por uma árvore ou marcas de pata em solo úmido; um cheiro específico, ou o rosnar abafado ecoando à distância…

Vamos enfrentar uma tarefa semelhante se quisermos nos tornar livres e independentes: é preciso aprender e compreender quem, onde e qual é o inimigo e suas armas de guerra. Certamente podemos dizer que a pesquisa tecnológica, o desenvolvimento e o controle estão entre a sua variedade de armamentos. Se entendermos o inimigo, e não deve ser tão difícil de entender o que ele fará com a tecnologia tão “generosamente” dada à Humanidade.

Autor: Adrian Salbuchi

Traduzido para a publicação em dinamicaglobal.wordpress.com
Do original em inglês  War for Total Control


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology