Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

China seriamente irritada com a sua aliada Coréia do Norte.

 China pode estar repensando seus laços de longa data com a Coréia do Norte e pode ter menos influência sobre Pyongyang do que se pensava, segundo documentos diplomáticos dos Estados Unidos divulgados no site WikiLeaks na segunda-feira (30/11).

 Autoridades chinesas estão cada vez mais irritadas com a aliada Coréia do Norte e algumas pessoas sentem que o vizinho complicado da China está perdendo seu valor estratégico para Pequim, de acordo com documentos americanos que vazaram. 

 As notas publicadas pelo site delator WikiLeaks também alegam que a China pode ter fechado os olhos para as exportações ilícitas de partes do míssil norte-coreano e que a liderança estava por trás dos ataques cibernéticos ao Google e objetivando os Estados Unidos. 

 Durante um longo jantar no ano passado, o embaixador chinês no Cazaquistão revelou que Pequim considera o programa nuclear da Coréia do Norte como "muito preocupante", segundo um memorando. 

 O embaixador Cheng Guoping "disse que a China espera uma reunificação pacífica, a longo prazo, mas deseja que os dois países permaneçam separados, a curto prazo", disse o porta-voz da embaixada americana, Richard Hoagland e republicado pelo jornal britânico The Guardian. 

 A China tem dado uma resposta silenciosa ao vazamento - que deixou os seus principais aliados americanos com o rosto corado pelas revelações embaraçosas - instando os Estados Unidos a "tratar adequadamente" a questão. 

 "Esperamos que os Estados Unidos lidem adequadamente com as questões relevantes", disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros Hong Lei, quando questionado sobre o vazamento, acrescentando que Pequim "não quer ver que ocorram perturbações nas relações entre China e E.U.A.". 

 Em uma nota reproduzida pelo The New York Times, um funcionário chinês cujo nome foi retirado, disse que Pequim acredita que a Coréia do Norte "foi longe demais", depois de executar o seu segundo teste nuclear em 2009 e disparar um míssil.

 O funcionário disse a um diplomata dos EUA "que as autoridades chinesas expressaram o descontentamento chinês aos homólogos norte-coreanos e tinham pressionado (a Coréia do Norte) a voltar à mesa de negociação". 

 "Infelizmente", o funcionário chinês foi citado dizendo, "os protestos não tiveram nenhum efeito." 

 "O único país que pode avançar com os norte-coreanos são os Estados Unidos", disse o funcionário, de acordo com a nota. 

 O governo dos Estados Unidos ficou irritado com a liberação maciça de dados sensíveis pelo WikiLeaks. Os memorandos tornaram-se públicos uma semana depois de a Coréia do Norte bombardear uma ilha na fronteira com a Coréia do Sul, matando quatro pessoas e aumento as tensões. 

 A China - principal aliada da Coréia do Norte e tábua de salvação da economia - vem sofrendo uma pressão enorme para usar a sua influência em Pyongyang e aliviar a situação, mas até agora Pequim se recusou a condenar publicamente o seu vizinho. 

 Os documentos que vazaram sugerem que a China tem menos influência sobre a Coréia do Norte que normalmente se pensava e que o recluso país comunista pode ter perdido parte de seu valor estratégico para Pequim. 

 Muitos especialistas dos Estados Unidos acreditam que a China quer conservar o status quo na Coréia do Norte, temendo que um colapso provoque uma avalanche de refugiados e traria uma Coréia Unida aliada dos norte-americanos à sua fronteira.

 Mas um oficial sênior sul-coreano, Chun Yung-Woo é citado em uma nota afirmando que os funcionários chineses mais "sofisticados" vieram a acreditar que a Coréia Norte "tem pouco valor à China como um estado de buffers" desde o seu primeiro teste nuclear em 2006.

 Chun disse ainda que a Coréia do Sul acredita que o Norte "já havia desmoronado economicamente" e que "o colapso político" viria em dois ou três anos após a morte do líder Kim Jong-Il. 

 Chun, que era então vice-ministro estrangeiro e é agora conselheiro de segurança nacional, disse que a China "teve muito menos influência sobre a Coréia do Norte do que a maioria das pessoas acreditam." 

 "Pequim" não teve motivação em usar sua influência econômica para forçar uma mudança nas políticas de Pyongyang e a liderança (da Coréia do Norte) sabe disso ", disse ele. 

 A China tem liderado negociações entre seis países sobre o programa nuclear da Coréia do Norte - que envolvem também o Japão, as duas Coréias, a Rússia e os Estados Unidos - e domingo propôs uma reunião de emergência. 

 Mas uma fonte mostrou às claras o desprezo de alguns parceiros. Um funcionário do governo chinês, foi citado como dizendo que a Coréia do Sul tem "muitas idéias, mas todas já foram ouvidas antes." 

 O funcionário também criticou o Japão, que vem pressionando a Coréia do Norte sobre o destino dos cidadãos seqüestrados em 1970 e 1980 para treinar espiões ao regime. 

 "A obsessão do Japão com a questão abduzida lembrou de uma expressão chinesa para um indivíduo que estava fraco demais para fazer alguma coisa funcionar, mas forte o suficiente para destruí-la", disse a fonte.

 Os documentos divulgados também mostram a frustração dos diplomatas dos Estados Unidos que apertaram a China em 2007 para bloquear transferências de partes de míssil da Coréia Norte ao Irã através de Pequim, informou o Guardian.

 Não se sabe se a demanda levou a uma ação por parte de Pequim, disse o relatório. 

 Em outra fonte, a embaixada dos Estados Unidos em Pequim disse que aprendeu em "contato com um chinês" que o Politburo do país, levou anos perpetrando invasões sobre os computadores dos Estados Unidos, seus aliados e ao líder espiritual do Tibete, o Dalai Lama. 

 O New York Times disse que a embaixada descobriu que os ataques contra o Google eram "parte de uma campanha coordenada de sabotagem de computadores realizados por agentes do governo, especialistas em segurança privada e bandidos da Internet recrutados pelo governo chinês." 

Fonte: http://www.france24.com/en/20101130-beijing-china-north-korea-rethinking-ties-pyongyang-wikileaks-strategic-alliance-us-documents-leak-diplomacy

Leia mais:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology