Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Sofrerá o Oriente Médio um efeito de dominó?

Protestos causam tumulto generalizado e profunda instabilidade política no Egito. Foto: www.spiegel.de

 Aqueles que estão à procura de revoluções no Oriente Médio estão equivocados. De momento. O enorme ponto de interrogação que paira sobre o Egito, em particular, e região em geral, é quem ou o que é atraído para, ou leva vantagem, a existência de qualquer vazio de poder ...

 É possível fazer muito dos motins que tiveram lugar este mês em Marrocos, Argélia, Tunísia, Egito, Iêmen e Jordânia, ainda mais porque muito do tumultos tem as suas raízes em causas diferentes que tinham ocorrido durante meses, se não anos; certamente esses não são os primeiros distúrbios a ter estourado nesses países.

 Uma importante causa comum subjacente ao descontentamento e inquietação, no entanto, é o elevado nível de desemprego na região, juntamente com as economias estagnadas, criando poucos empregos, deixando os membros mais jovens da sociedade, sem qualquer esperança para o futuro, outra é a disparada dos preços de alimentos básicos como o açúcar e o pão.

 Sendo assim, se há um elemento social para o descontentamento, há também uma questão política. Regimes autocráticos, acusados de estarem mergulhados na corrupção e tráfico de influências, visto como tendo perdido o contato com a população, são confrontados com uma onda de indignação popular - ou fúria - agravadas pelas condições de vida difíceis. Um exemplo claro sobre até que ponto os regimes perderam o contacto com a realidade é fornecido pelo Egito, onde as autoridades alegaram que o tipo de agitação generalizada que teve lugar na Tunísia nunca iria acontecer. Três dias depois ...

 O resultado final só pode ser que as coisas nunca serão as mesmas para a região e para o modo de se governar, devido ao fato de que o status quo mudou. Na Tunísia, o líder islâmico Rachid Ghannouchi foi saudado por milhares de simpatizantes no aeroporto de Tunis, depois de retornar de um exílio de 22 anos, e no Egito, o líder da oposição, Mohammed El Baradei apareceu em Tahrir Square, pedindo ao presidente Mubarak para se demitir. Uma questão também é colocada, se a Irmandade Islâmica vai ver-se em um papel de destaque em meio ao tumulto.

 O que é diferente sobre a situação atual é que os tumultos atingiram um nível político. Primeiro, o presidente da Tunísia, Zine al-Abidine Ben Ali foi forçado a fugir do país após 23 anos no poder, agora Hosni Mubarak se agarra desesperadamente ao reinado do seu regime esvaindo-se, por ter sido forçado a demitir o Governo e ter visto qualquer possibilidade de um maior prazo como presidente - ou um primeiro mandato de seu filho Gamal - desaparecer.

 Uma outra questão levantada é quanto à exatidão dos resultados das eleições, hoje tão muito disputadas no Egito, com alegações de fraude eleitoral em 2005, no entanto, Hosni Mubarak, venceu com 88,6 por cento dos votos, assim como Ben Ali venceu as eleições presidenciais na Tunísia em 2009, com 89,62%. As eleições parlamentares no Egito no ano passado estavam repletas de denúncias de adulteração de votos e assédio dos candidatos da oposição.

A questão mais ampla

 Aqueles que procuram um elemento anti-Ocidente e anti-Israel nas manifestações não encontram um. As imagens da televisão não mostrou uma única bandeira americana sendo queimada e não havia nenhuma evidência de um elemento internacional para as revoltas populares, sendo as preocupações locais e econômicas, como mencionado acima.

 No entanto, o fato de muitos dos líderes da região estarem assentados sobre os regimes que têm estado no poder por décadas significa que o status quo, que, pelo menos, tem mantido a paz e a estabilidade na região, não está em risco. Por exemplo, no Egito, Hosni Mubarak tem sido fundamental no processo de paz no Médio Oriente e o Cairo mantém um bom relacionamento com Tel Aviv. No Iêmen, onde as manifestações violentas ocorridas na capital, Sanaa, apelando a uma mudança de Governo, 30 anos sob as rédeas do presidente Ali Abdullah Saleh - um importante aliado dos Estados Unidos contra a Al Qaeda - está igualmente ameaçado.

 Resta saber se as medidas freneticamente se apressaram pelos mecanismos de legislação nos regimes assustados da Argélia, Tunísia, Egito, Iêmen e Jordânia (países mais afetados) para aplacar a fúria popular será suficiente. Também continua a ser visto o que acontece depois quanto a quem está implicado no governo.

 Até agora, os Islâmicos estiveram passando despercebidos - no Egito a Fraternidade Islâmica realçou que a revolta não tem nada a ver com o movimento e tudo a ver com uma onda de frustração dos jovens do país - que constituem dois terços do população e representam 90% dos desempregados. No entanto, a Irmandade existe e seus objetivos são de um Estado baseado na lei islâmica.

 A que distância o desassossego se estende, e se ele consegue os estados de Golfo, é uma pergunta que só o tempo responderá. E se isto acontece, com os Islamitas a bordo, o mapa político do Oriente Médio pode modificar-se drasticamente, e não estará certamente nos interesses do Washington e o seu aliado, Israel.

Timothy Bancroft-Hinchey
para o Pravda.Ru
 

Fonte: www.moscowtopnews.com/?area=postView&id=2208"www.moscowtopnews.com/?area=postView&id=2208

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology