Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

O mercado de armas da China está flertando a Europa em vez da Rússia.


 A União Européia pode levantar o embargo sobre o fornecimento de armas à China. O embargo foi posto em vigor em 1989, após a sangrenta repressão dos protestos da juventude na Praça Tiananmen em Pequim. Alto Representante da UE, Catherine Ashton é um dos defensores ardorosos da intenção de levantar o embargo de carregamentos de armas, informou a AFP. 


 Parece que não há pré-requisitos para o levantamento do embargo à China. O gigante asiático ainda não aprendeu a respeitar os valores democráticos na percepção ocidental do termo. Então, qual é a razão para tão drástica mudança? 

 O presidente do Departamento para a Política Européia de Segurança do Instituto para a Europa, Dmitri Danilov, disse `agencia de notícias Pravda.Ru que a questão da cooperação militar com a China está na agenda da União Europeia há vários anos. 

 "Eles conduziram as negociações sobre o assunto. Uma parte considerável da liderança da UE gostaria de levantar o embargo à China. Contudo, o desejo corre para a posição da Europa sobre as violações dos direitos humanos na China. O problema é que para isso é preciso ganhar o apoio de todos os líderes europeus . Alguns deles acreditam, no entanto, que os direitos humanos deve permanecer a primeira prioridade para a União Européia. 

 "A crise é um bom momento para fazer as coisas se movimentarem. Políticos europeus acreditam que as decisões devem ser baseadas em interesses materiais e pragmáticos. Devemos prestar atenção ao fato de que a UE está desenvolvendo um novo instrumento - o Serviço de Ação Externo europeu. 

 Diz-se que o serviço desempenhe um papel sério na elaboração das aproximações políticas estrangeiras da União Européia. Uma decisão positiva da questão em relação ao embargo de armas seria uma aprovação importante do novo serviço. 

 "Ficou claro durante os últimos anos que a China se tornava um dos parceiros comerciais mais importantes da Europa. Há economistas que dizem que a China está se tornando o  terceiro maior parceiro comercial para a Europa, depois dos E.U.A. e da Rússia. Na Europa, muitos percebem a necessidade de realizar um diálogo construtivo com a China, levando em consideração o fato de que os E.U.A., o "baluarte da democracia mundial", desenvolve as suas relações com a China de forma muito ativa. 

 "A Europa não tem sido capaz de desenvolver a cooperação de defesa com os EUA em igualdade de condições. Os americanos consideram os fabricantes de armas europeus apenas como subcontratados. É preciso também ter em mente o fato de as estruturas de negócios, incluindo fabricantes de armas, praticam o lobby de seus interesses através de políticos. A concorrência no mercado de armas está apertada, e os europeus não se importariam de estabelecer posições firmes com a China. Vai ser um osso duro de roer para eles, porque eles não estiveram no mercado chinês há mais de 20 anos. 

 Escolhendo entre interesses econômicos e direitos humanos, a Europa escolheu a última opção. Além disso, as armas européias são mais caros que os análogos russos e americanos. 

 "Contudo, a retomada da cooperação de defesa com a China é uma decisão política extremamente importante para desenvolver a cooperação econômica com a União Européia no futuro," concluiu o especialista. 

 Em outras palavras, a Rússia em breve terá de lidar com a forte concorrência do mercado chinês, onde a Rússia esteve fazendo bilhões de lucro. Rússia está a perder esse mercado rapidamente. A China não está mais interessada nos produtos da indústria de defesa russa porque ela não oferece mais nada novo. A China comprou e copiou tudo que quiseram.

 Um artigo recente publicado na Defesa Asiática Kanwa disse que a China em breve recusaria as grandes compras de armas da Rússia e para se concentrar apenas na aquisição de aviões pesados de carga militar e sistemas de mísseis S-400. 

 Atualmente, a China precisa qualitativamente de novos sistemas de armas. É possível atingir esse objetivo pela síntese dos melhores desenvolvimentos russos e europeus. A China, obviamente, pretende usar a Europa como usou a Rússia - para compra e copiar tudo o que eles precisarem.  Logo que a China estude a questão detalhadamente, o volume da cooperação de defesa entre a China e a União Européia cairá consideravelmente.

 A Europa está agora preparada para desenvolver a cooperação de defesa com a China, porque não há nenhum outro país, como parece, que poderia ajudar a economia da UE. China está pronta a ajudar a Espanha e outros países europeus economicamente conturbados, mas a Europa tem de levantar as sanções discriminadoras em troca. 

Fonte: http://asian-defence.blogspot.com/2011/02/chinas-defense-machine-eyes-europe.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology