Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Pilotos da Força Aérea Líbia procuram asilo em Malta.


Um dos dois caças Mirage da Força Aérea Líbia é cercado pela polícia maltesa após ter pousado no aeroporto internacional de Malta na segunda - feira 21 de fevereiro de 2011. Foto: www.npr.org


 Os pilotos, segundo autoridades maltesas, tinham sido ordenados a bombardear manifestantes anti-governo em Trípoli.

 Dois jatos da Força Aérea da Líbia pousaram em Malta nessa segunda-feira e os pilotos pediram asilo político em meio a uma sangrenta repressão contra manifestantes anti-governo na Líbia, disse uma fonte militar. Os pilotos disseram às autoridades maltesas que tinham sido ordenados a bombardear os manifestantes.

 Mas a TV estatal citou o filho de Khadafi, Seif al-Islam, dizendo que os ataques aéreos militares foram conduzidos em áreas remotas, longe das áreas residenciais, em armazéns de munições, negando relatos de que aviões de guerra atacaram Trípoli e Benghazi.

 Al-Jazeera informou mais cedo que aviões militares lançou ataque com tiros sobre uma multidão de manifestantes anti-governo em Trípoli. A rede citou testemunhas de suas informações.

 "O que estamos testemunhando hoje é inimaginável. Aviões e helicópteros estão bombardeando indiscriminadamente área após outra. Há muitos, muitos mortos", disse Adel Mohamed Saleh em uma transmissão ao vivo. "Qualquer pessoa que se move, mesmo que estejam em seu carro eles vão bater em você."

 Aviões de guerra atacaram Trípoli a noite em baixa altitude e franco-atiradores assumiram posições em telhados, aparentemente para impedir as pessoas de fora da capital se juntarem protestos, segundo informações de Mohammed Abdul-Malek, um ativista da oposição com sede em Londres em contato com os moradores.

 Comunicações para a capital parecem ter sido cortadas, e os moradores não podem ser contatados por telefone a partir do exterior do país.

 Um analista residente em Londres disse à consultoria Control Risks que os ataques aéreos informados indicavam que o fim estava próximo para o líder líbio Muammar Gaddafi.

 "Estes parecem ser realmente os últimos atos desesperados. Se você bombardeia sua própria capital, é realmente difícil ver como você pode sobreviver", disse a analista para o Médio Oriente Julien Barnes-Dacey .

Diplomatas acusam Gaddafi de genocídio.

 Embaixadores da Líbia nas Nações Unidas, também chamaram na segunda-feira Kadafi a demitir-se como governante do país. O vice-embaixador Ibrahim Dabbashi disse a Gaddafi que se não abandonar o poder, "o povo líbio vai se livrar dele."

 Dabbashi acusou Gaddafi de cometer genocídio contra seu próprio povo e exortou a comunidade internacional a impor uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia para evitar que mercenários, armas e outros suprimentos alcancem os líderes e suas forças de segurança.

 O diplomata acrescentou que a delegação da Líbia também está pedindo ao Tribunal Penal Internacional para investigar possíveis crimes contra a humanidade cometidos contra o povo da Líbia durante os protestos atuais.

 Houve outros relatos de embaixadores desertores no estrangeiro. O ex-embaixador da Líbia para a Liga Árabe, no Cairo, Abdel-Al-Moneim Houni, que renunciou a seu posto no domingo lado a lado com os manifestantes, exigiram que Kadafi, seus comandantes e assessores devem ser levados a julgamento por "assassinatos em massa na Líbia."

 "Regime de Kadafi agora está no lixo da história porque traiu sua nação e seu povo", disse al-Houni em um comunicado.

 Um diplomata líbio na China, Hussein el-Sadek el-Mesrati, disse Al-Jazeera ", pedi demissão de representar o governo de Mussolini e Hitler".

Questões que deixam os Estados Unidos em alerta.

 A erupção do tumulto na capital após sete dias de protestos e confrontos sangrentos nas cidades do leste da Líbia, a escalada acentuada até desafiar Gaddafi. Suas forças de segurança têm desencadeado o mais sangrenta repressão de qualquer país árabe contra a onda de protestos varrendo a região, que derrubou os líderes do Egito e da Tunísia. Pelo menos 233 pessoas foram mortas até agora, de acordo com a nova-iorquina Human Rights Watch.

 Primeiro-Ministro britânico, David Cameron, visitando o vizinho Egito, chamou a medida do governo líbio de "terrível".

 A secretária de Estado americana Hillary Clinton condenou a violência na Líbia e pediu ao governo da Líbia respeitar os direitos do seu povo. "Queremos nos unir a comunidade internacional na condenação veemente a violência na Líbia", disse ela em comunicado. "Agora é a hora de parar com essa carnificina inaceitável".

 O governo líbio tem a responsabilidade de respeitar os direitos universais do seu povo, incluindo o direito à liberdade de expressão e de reunião, disse Clinton.

 O Departamento de Estado dos Estados Unidos também advertiu os membros da família do embaixadador a deixar o país em guerra, dizendo que os protestos, a violência e os saques eram possíveis durante os próximos dias.

 "As manifestações se degeneraram em várias ocasiões em violentos confrontos entre as forças de segurança e os manifestantes, resultando em ferimentos e mortes", disse o  Departamento de Estado em seu alerta.

 O movimento acontece em meio a relatos conflitantes na região, incluindo um que Kadafi estava em rota para a Venezuela, uma reivindicação que o governo em Caracas negou.

Fonte: http://www.ynetnews.com/articles/0,7340,L-4031971,00.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology