Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Nobres e criminosas democracias Ocidentais.

 Um dos paradoxos das principais democracias ocidentais é a forma como elas podem ser ao mesmo tempo tão nobres e tão criminosas. Um aspecto particularmente impressionante de países como os Estados Unidos e o Reino Unido é a sua abertura política, em particular sua insistência em muitos casos publicamente sobre a análise e avaliação das políticas de seu governo, para saber se foram cometidos erros e, presumivelmente, aprender com os erros. Um exemplo é o inquérito em curso no Reino Unido sobre a invasão do Iraque em 2003.

 Durante uma audiência pública na semana passada a ex-chefe do serviço doméstico de inteligência britânico M15, Eliza Manningham-Buller, fez três importantes conclusões sobre a guerra do Iraque, que devem ser relevantes hoje para os decisores políticos ocidentais no Afeganistão e Irã. A primeira foi a ausência total de qualquer informação credível da ligação do regime do partido Baas iraquiano com os atentados terroristas de 11/09. A segunda foi que a invasão anglo-americana do Iraque radicalizou alguns jovens cidadãos britânicos que viram as guerras no Afeganistão e no Iraque como "ataque ao Islã". A terceira foi a de que a inteligência sobre o Iraque havia sido incompleta.

 A ameaça terrorista no Reino Unido aumentou dramaticamente depois da invasão do Iraque, e até 2004, "fomos muito bem congestionados (com parcelas de terrorismo doméstico e ameaças)", disse ela. A decisão de invadir também impulsionou a capacidade da Al-Qaeda de se mover para o Iraque de um modo que grupo não poderia anteriormente.

 Estados Unidos, Reino Unido e seus aliados da OTAN tem aprendido com a experiência da guerra do Iraque? Não em todas as áreas, ao que parece. As situações de hoje no Irã e no Afeganistão sugerem que as políticas ainda estão sendo implementadas com as mesmas fraquezas que funcionários, como Manningham-Buller, tão honestamente admitiram.

 Grande parte do processo contra o desejo pretenso do Irã de obter armas nucleares baseia-se em partes fragmentadas, de informações inconclusivas e muita especulação e indisposição ideológica, juntamente com a histeria comum em Washington quando os grupos de lobby pró-Israel usam a sua influência com os membros do Congresso americano, uma vez que estão ignorantes em sua maioria, das realidades do Oriente Médio e profundamente vulneráveis à chantagem eleitoral. Evidência para acusação, para pressão, para sanção, para desconfiança e ameaça ao Irã é fina como fio de seda. Em algumas condições leves, é sedutor e vale a pena examinar mais, em outras, elas desaparecem completamente.

 Seguir para um provável conflito militar no Irã, mesmo que factualmente,com base legal e eticamente instável como foi o passeio desonesto para invadir o Iraque, parece ser um fraco desempenho para as democracias ocidentais que gostam proclamar-se como zeladores e fornecedores da regra democrática da lei. Quando elas se comportam como fizeram no Iraque, e continuam a fazer agora com o Irã, são pouco mais do que criminosos, bandidos e delinqüentes se escondendo atrás do brilho magnífico da Carta Magna, o habeas corpus, e outras legalidades nobres das quais elas podem certamente orgulhar-se.

 No Afeganistão, também estamos testemunhando hoje o mesmo tipo de comportamento rufião que cria problemas tão graves como os que pretende resolver. Embora a lógica anti-Al-Qaeda inicial para a guerra no Afeganistão foi mais convincente e legítima do que a aventura do Iraque, tanto o seu comportamento e duração sugerem que algo de fundamentalmente errado está na mão, porque novos inimigos são criados tão rápido quanto inimigos existentes são vencidos .

 Sexta-feira passada, de acordo com funcionários afegãos, num ataque aéreo da Otan morreram 52 civis que estavam abrigados em uma casa perto de uma batalha entre as forças ativas da OTAN e os combatentes do Taliban no sul do país. Este não foi um incidente isolado, mas sim parte de um padrão inerente à utilização do poder de fogo de alta tecnologia por um invasor estrangeiro cuja proeza técnica raramente é acompanhada por sensibilidade cultural ou de apoio político local.

 Documentos recém-vazados das forças armadas americanas na guerra do Afeganistão indicam claramente que os ataques contra civis geram antipatia e raiva entre a população civil e as elites políticas que devem ser aliados vitais. O número crescente de civis mortos, informou The New York Times, "deixou os norte-americanos buscando a cooperação e o apoio de uma população afegã, que cresceu cada vez mais exausta, ressentida, medrosa e alienada."

 Por todas as contas, o Talibã está cada vez mais forte e o esforço de guerra no Afeganistão não está indo bem para as forças da OTAN lideradas pelos EUA, que pode matam a vontade, mas têm muito mais dificuldade na conquista do apoio político das populações cujas mães, esposas, irmãs, e as crianças eles matam indiscriminadamente. Claro, a morte é muitas vezes um "erro" ou "danos colaterais". Você ainda pensaria que as democracias do mundo mais velhas e mais fortes aprenderiam depois da experiência considerável na invasão de terras estrangeiras. Mas elas devem saber que esses "erros" são na verdade a conseqüência da rotina de assaltos definida pela justificação fina, a ignorância considerável, importando-se pouco para o que realmente acontece com a população local, durante ou após o combate, e a combinação de inteligência pobre com um frenesi ideológico semelhante a um zumbi que continua a ser bem documentado no caso da invasão do Iraque.


Artigo do Global Research por Rami G. Khouri

Fonte: http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=20325

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology