Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Rússia vê efeitos positivos de uma política externa menos conflituosa.


 Oferta Nuclear, acordos comerciais, assinaturas de tratados internacionais: Rússia age de modo cooperativo desde a virada do ano. Moscou tem descoberto os benefícios de uma política externa menos conflituosa. 

 Tão recentemente como no fim de 2009, pareceu como se a Rússia de antes aumentasse de novo. Moscou parecia determinado a se promover como uma potência mundial nos moldes da antiga União Soviética, com seus próprios interesses no coração de todas as suas decisões de política externa e ao direito de afastar os acordos internacionais, se eles não conseguissem satisfazer as exigências do Kremlin. 

 No Presidente Dmitry Medvedev, a Rússia parece ter um líder que sorriu calorosamente, mas ainda apertou a mão com o punho de ferro de seu antecessor, Vladimir Putin. Longe de ser um jovem reformista, livre de um passado na KGB, Medvedev estava começando a atuar mais como o Putin endurecido do que o próprio primeiro-ministro russo. 

 Depois de travar uma guerra com a Geórgia - considerada por muitos observadores como uma exposição excessivamente agressiva e desproporcional da força militar da Rússia - Medvedev pareceu encorajado. Ele manteve firme a postura da Rússia em questões como o Irã, emitiu avisos sobre o escudo de míssil proposto  pelos Estados Unidos e sobre a expansão oriental da OTAN e, embora concorde com os convites do presidente Barack Obama para uma re-configuração das relações, ele deixou bem claro que a Rússia iria recorrer à posição padrão da suspeita, se não ficasse feliz com os resultados. E embora  não chegasse nem perto do nível da retórica da Guerra Fria de Moscou, houve um calafrio soprando definitivo fora da Praça Vermelha. 

Ronald Reagan e Mikail Gorbachov - diálogo em tempos de Guerra Fria.

 Julho de 2010 avança rápido e a Rússia parece ser um animal muito diferente. O urso rosnando com uma cabeça ferida foi substituído por uma fera mais plácida, mas enquanto ainda não esteja pronta a dar uma volta e se deixar que façam cócegas na sua barriga, certamente hoje parece menos provável a Rússia tomar uma mordida  dos seus rivais de fora, do que em qualquer outro momento no ano passado.

Medvedev prossegue com novas alianças com os Estados Unidos e a União Européia.

 Na semana passada, Medvedev deu uma das suas afirmações de política estrangeiras mais corajosas desde que se tornou presidente pedindo a formação de novas alianças com os Estados Unidos e a União Européia. Concentrando-se no comércio e no investimento, o presidente russo pediu a cooperação dos Estados Unidos e da UE  no sentido de criar uma imagem da Rússia modernizada através da troca de capital e tecnologia.

 Seu discurso, que veio somente dias antes de a chanceler alemã Angela Merkel chegar a Yekaterinburg para assinar uma série de novos acordos comerciais, é apenas o sinal mais recente da nova política estrangeira mais suave de Moscou em direção ao Ocidente, ao contrário da tendência anterior de emitir ameaças anti-Ocidentais como na época da Guerra Fria, na tentativa de conseguir o que queria. 

A busca de novas alianças trouxe Merkel à Rússia.

 Houve uma aproximação crescente desde a virada do ano, quando Medvedev estendeu a mão aos Estados Unidos, Grã-Bretanha e muitos dos outros grandes Estados-Membros da União Europeia em questões como comércio, segurança e assuntos econômicos. O presidente russo parece ter modificado sua postura depois de perceber que a Rússia pode mais eficientemente satisfazer as suas necessidades através da cooperação que pode por meio do confronto. 

 "Medvedev reconhece que a Rússia só pode se desenvolver como uma grande potência, quando se moderniza", Margarete Klein, especialista na política extrangeira e de segurança russa do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança, disse à Deutsche Welle. "Para modernizar sua economia e indústria, a Rússia precisa  cooperação de parceiros estrangeiros -  e esses parceiros para a modernização podem ser encontrados principalmente no Ocidente. Isto é a lógica de fundo da nova política estrangeira mais suave da Rússia em direção ao Ocidente. Isso mostra que a política externa é vista como um instrumento para o desenvolvimento e a modernização interna. " 

Crescimento econômico da Rússia desde o colapso da União Soviética.

 "A Rússia teve de aprender lições difíceis da crise financeira global," acrescentou. "Teve de aprender que a política econômica é, em grande escala relacionada com a evolução de fora da Rússia. A fim de se modernizar, a Rússia precisa desesperadamente de investimentos ocidentais. Portanto, uma política de confrontação seria contraproducente." 

A nova política de posicionamento da Rússia em evidência sobre questões globais.

 Em maio, um documento do Ministério estrangeiro que vazou e foi publicado pela edição russa da revista Newsweek detalhou o desejo de Moscou de perseguir uma política estrangeira de pouca confrontação e nomeou 61 países com os quais desejava melhorar as relações, incluindo parceiros chave aos negócios com União Européia como a Alemanha, a Itália e a França, uma série de repúblicas bálticas, e clientes de armas russas, como a Índia, a China e a Venezuela. 

 "Vazamentos acontecem frequentemente no Ocidente, mas é raro na Rússia", Asher Pirt, um especialista e pesquisador em assuntos russos e da Ásia Central para o British East West Center, disse à Deutsche Welle. 

 "Parece claro que é um documento oficial, mas é improvável que tenha sido divulgado sem uma decisão tomada num alto nível. A Rússia quer ter boas relações com o Ocidente, a fim de atingir seus objetivos de política externa e ela quer convencer o Ocidente de que pode ser confiável. Infelizmente os críticos da Rússia no Ocidente exigirão mais evidências do que um documento vazado." 


Medvedev iniciou uma ofensiva de encantamento no ocidente.


 Na tentativa de mostrar que está disposta a adotar uma política mais suave com o Ocidente, a Rússia parece ter mudado sua posição sobre o Irã. Por um longo tempo, Moscou foi contra novas sanções internacionais contra Teerã devido ao seu polêmico programa nuclear, mas na última rodada de discussões do Conselho de Segurança da ONU, a Rússia foi um dos países que concordaram em uma extensão das medidas. Este apoio às sanções incitou a raiva no Irã mas o elogio dos Estados Unidos.

 Medvedev, em seguida, anunciou anunciou que a Rússia acreditou que o Irã se aproximava de ter o potencial para criar armas nucleares, uma das primeiras vezes que o Kremlin reconheceu em público que o Irã pode estar se movendo em direção a uma arma nuclear. Os EU calorosamente deram as boas-vindas às afirmações.

 "Parecem haver duas razões para nova postura da Rússia sobre o Irã," disse Klein. "Por um lado, a Rússia está cada vez mais insatisfeita com o governo iraniano. Por outro lado, Moscou sabe que tem de entregar algo para manter a reposição com o avanço dos Estados Unidos. E concordar com uma nova rodada de sanções da ONU foi uma uma clara referência implícita  do novo compromisso russo-americano."

 No entanto, Asher Pirt acredita que a Rússia ainda está a tentar equilibrar a sua nova política com o Ocidente com a sua velha política de compromisso com a liderança iraniana. 

 "A significativa mudança no pensamento russo foi a constatação de que a ameaça de uma arma nuclear iraniana não está longe", disse ele. "Isto é uma ameaça para a Rússia, bem como para a segurança do Ocidente, como é um último recurso de dissuasão militar. O problema é que o Ocidente e a Rússia, ambos tiveram a capacidade nuclear a qualquer tempo, mas sempre foram relutantes em usar armas nucleares, mas o Irã  pode não ter tais apreensões. " 

 Pirt acrescentou que apesar do movimento recente da Rússia em direção aos E.U.A, a sua posição ainda não é tão forte como a dos americanos e que Moscow continua a apoiar pequenas sanções. "A recente assinatura do "roteiro" sobre a cooperação a longo prazo no domínio da energia com o Irã mostra que a Rússia não tem completamente fechado os seus laços com o regime iraniano." 

A nova cooperação com os Estados Unidos e a União Européia enfrenta desafios.

  Ainda assim, a mudança da Rússia não poderia ter acontecido sem alguma reciprocidade vinda do Ocidente. No ano passado, o cenário externo para a política estrangeira da Rússia melhorou com os europeus e os americanos cada vez mais empenhados na cooperação com a Rússia. As relações russo-americanas continuam a melhorar dentro do 'reset' do contexto de tensões, enquanto a Rússia e a OTAN têm facilitado após aprovação de um 'novo começo' nas relações. Cada situação permite que a Rússia se sinta valorizada como um parceiro e lhe dá impulso para perseguir melhores parcerias. 

  No entanto, haverá, sem dúvida, desafios para testar essa nova política russa. A posição russa em relação ao Irã não mudou fundamentalmente e Moscou ainda é relutante a sanções novas, mais duras, apesar de concordar com a última rodada.  Enquanto a expansão oriental da OTAN pode ser bloqueada, ainda existem questões sobre o desejo da Geórgia de se tornar membro da OTAN e da UE. Ambos os desafios podem testar a nova abordagem suave de Moscow para aproximar os Estados Unidos e a Europa. 

Parceiros da OTAN hoje - AZUL: Estados Membros; MARROM: Países mediterrâneos abertos ao diálogo; VERDE: Países em parceria pela paz.  

 "É claro que é pouco provável a Geórgia se tornar um membro da UE enquanto o seu território estiver em questão no que diz respeito à existência de Abkhazia e Ossétia do Sul", disse Pirt. "Seria impopular com um número de grupos na Rússia se a Geórgia tornou-se membro da União Europeia ou até da OTAN. Rússia quer estreitar laços com a UE. Contudo, a Rússia considera que a OTAN tem interesses na Geórgia."

 Moscou definitivamente prefere uma adesão da Geórgia à UE, em vez da OTAN, afirmou Klein. "A adesão da Geórgia na OTAN é uma clara linha vermelha para a Rússia. Esta medida não só agravaria as relações com Tbilisi, mas também acabaria com o 'novo começo' nas relações com a Organização Atlântica". 

Autor: Nick Amies 

FONTE: http://www.dw-world.de/dw/article/0,,5808601,00.html


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology