Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Tensões militares entre Estados Unidos-China - parte 1.



  Mesmo sendo o orçamento militar americano quase dez vezes maior que o da China (com uma população mais de quatro vezes maior), Washington planeja um orçamento de defesa de US$ 708 bilhões de dólares para o próximo ano em comparação com os gastos da Rússia, com menos de US$ 40 bilhões no ano passado, ainda assim, China e Rússia são retratadas como ameaças para os Estados Unidos e seus aliados.

 A China não possui tropas fora de suas fronteiras, a Rússia tem um pequeno punhado nos seus ex-territórios da Abkházia, Arménia, Ossétia do Sul e Transdniester (Moldávia). Os Estados Unidos tem centenas de milhares de tropas estacionadas em seis continentes.

 Enquanto Robert Gates, secretário de defesa americano, estava no comando das guerras no Afeganistão e no Iraque e responsável por quase metade dos gastos militares internacionais, ele se sentiu ofendido pelo fato de que a nação mais populosa do mundo poderia desejar "negar aos outros países a capacidade de ameaçá-la."

 Em 23 de dezembro do ano passado, a Raytheon Company anunciou que tinha recebido de um contrato de 1,1 bilhões de dólares com Taiwan pela compra de 200 mísseis anti-balísticos Patriot . No início de janeiro o Departamento de Defesa americano autorizou a operação "apesar da oposição da rival China, onde um oficial militar propôs sancionar as empresas americanoas que venderam armas à ilha". [1]

 A venda conclui um pacote de armas de 6.5 bilhões de dólares aprovado previamente pela administração de George W. Bush no fim do 2008. Nas palavras do chefe do escritório da Defense News da Ásia, "Esta é a última peça que Taiwan estava esperando." [2]

 Defense News reportou pela primeira vez o acordo e lembrou seus leitores que "a Raytheon já ganhou contratos de valores menores para Taiwan em janeiro de 2009 e em 2008 para atualizações dos sistemas Patriot que país já possuia. Estes contratos foram para atualizar os sistemas à Configuração 3, o mesmo upgrade que a empresa está concluindo para o Exército dos Estados Unidos. ".


O MIM-104 Patriot é um sistema de míssil terra-ar - surface-to-air missile (SAM).

 A fonte também descreveu que a capacidade do Patriot realçada constitui-se de: "Configuração 3 é o mais avançado sistema de Patriot da Raytheon e permite o uso dos mísseis Lockheed Martin's Patriot Advanced Capability-3 (PAC-3) [e] Raytheon's Guidance Enhanced Missile-Tactical (Míssel Tatico de Orientação Realçada) [Patriot-2 upgrade]...." [3]

 O PAC-3 é o projeto mais atual e avançado de mísseis Patriot, e o primeiro capaz de derrubar mísseis balísticos táticos. Ele é a fileira inicial de um sistema de escudo de míssil em camadas que também inclui a Alta Defesa de Área de Altitude Terminal - Terminal High Altitude Area Defense (THAAD), Intercetor Terrestre - Ground Based Interceptor (GBI), Defesa de Curso Intermédiário Instalado em Terra - Ground-Based Midcourse Defense (GMD), o Míssil Balístico de Defesa Aegis (Aegis Ballistic Missile Defense) instalado em navios e equipado com o Míssil Padrão 3 - Standard Missile-3 (SM-3) interceptores, Forward Based X-Band Radar (FBXB) e componentes Exoatmospheric Kill Vehicle (EKV). Uma rede integrada que percorre o campo de batalha até os céus.


O lançador de míssil PAC-3, observe quatro mísseis em cada duto.

 O sistema é modular e altamente móvel e estas baterias são assim capazes de evitar mais facilmente a detecção e o ataque. Também amplia a gama de versões anteriores do Patriot várias vezes.

 "Os interceptadores PAC-3, reforçados por [um radar] avançado e um centro de comando, são capazes de proteger uma área aproximadamente sete vezes maior do que o sistema Patriot original." [4]

 Se assim como no resto do mundo as autoridades chinesas anteciparam uma redução, se não houve um freio ao ritmo da expansão militar global americana com o advento de uma nova administração em Washington há um ano, como todos os outros eles também ficaram rudemente desiludidos dessa idéia.

 O Vice-Ministro das Relações Exteriores He Yafei incitou os Estados Unidos a reconsiderar o pacote de armas a Taiwan no sexto aviso oficial da China em uma semana desde o início deste mês, dizendo da sua Agência de Notícias Xinhua que "a China protestou fortemente contra a recente decisão do governo dos Estados Unidos de permitir a Companhia Raytheon e a Corporação Lockheed Martin de vender armas a Taiwan" e "as vendas de armas americanas a Taiwan ameaçam a segurança nacional da China." [5]

 Posteriormente mais Informações foram adicionadas ao inventário e para irritar a China, quando se revelou que "a Administração Obama anunciará em breve a venda a Taiwan de um pacote de bilhões de dólares americanos, incluindo helicópteros Black Hawk, sistemas anti-mísseis e projetos de submarinos de propulsão a diesel em um movimento provavelmente para irritar a China. "[6]

 Além disso, o China Times informou que Taiwan deve obter de segunda mão oito fragatas Oliver Hazard da Classe Perry dos Estados Unidos, além de 200 mísseis Patriot. Os navios foram projetados na década de 70 como uma alternativa relativamente barata para os destroyers da época da Segunda Guerra Mundial. O novo contrato duplicará a quantidade das fragatas americanas da classe Perry, além das 16 que Taiwan já possui.


Exercício de fragatas com o Sistema de Armas AEGIS da Lockheed Martin.

 Eles fazem também a diferença na defesa de mísseis e a um nível mais alto, como "a ilha espera armá-los com uma versão avançada do Sistema de Combate Aegis (Aegis Combat System), que utiliza computadores e radar para tirar múltiplos objetivos, bem como a tecnologia sofisticada de lançamento de míssil...." [7]


Notas:


1) Reuters, January 7, 2010
2) Ibid
3) Defense News, December 23, 2009
4) http://www.missilethreat.com/missiledefensesystems/id.41/system_detail.asp
5) Russian Information Agency Novosti, January 9, 2010
6) Taiwan News, January 4, 2010
7) Agence France-Presse, January 11, 2010

Fonte: http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=17092

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology