Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

A guerra forma nuvens sobre o Irã.


 O lobby de Israel é todo-poderoso em Washington, o American Israel Public Affairs Committee (AIPAC), uma organização composta por colaboradores de Israel, infiltrados e traidores definitivos dos Estados Unidos, estão a pressionar através da Câmara dos Deputados a HR 1905, que proibiria o Presidente dos Estados Unidos, o Secretário de Estado, membros do Serviço Exterior dos EUA, ou qualquer enviado especial de se envolver em qualquer tipo de contato diplomático, oficial ou não oficial, com qualquer membro ou agente do governo do Irã. Apenas quando o Presidente informar o comitê necessário pode ele prosseguir com o envolvimento em contato diplomático com o Irã. Israel tem o controle de fato sobre as comissões de Relações Exteriores do Congresso, portanto, qualquer notificação da Casa Branca para a necessidade de contato com as autoridades iranianas seria transmitido instantaneamente para o escritório de Binyamin Netanyahu em Jerusalém e Israel então contornar qualquer contato entre os EUA e o Irã. A AIPAC, com a sua resolução, está ainda fazendo os Estados Unidos mais um cliente do Estado de Israel.

 A estratégia de Israel é a certeza de que seus planos para atacar as instalações nucleares do Irã e, talvez outros alvos, não conheça nenhuma oposição dos círculos diplomáticos dos Estados Unidos. Israel colocou os seus próprios interesses muito além, e em contravenção com as dos Estados Unidos.

 Face a perspectiva de um ataque israelense ao Irã, apoiado pela Arábia Saudita - aliado secreto de Israel na região – isso ocasionou um efeito cascata em todo o Oriente Médio e Ásia.

 Os países da Ásia estão lutando para se juntar à Organização de Cooperação de Xangai (SCO) como membros plenos. Confrontados pela ação beligerante dos Estados Unidos, da OTAN e de Israel e sua intenção de derrubar os governos da Síria e do Irã. O pacto de segurança econômica, cultural, e de fato coletivo que compreende Rússia, China, Cazaquistão, Quirguistão, Uzbequistão, Tajiquistão anunciou após a sua principal cúpula dos ministros, em São Petersburgo, que a SCO estaria logo abrindo suas portas para a adesão plena de Paquistão, Irã e Índia. As nações da Ásia querem congelar os Estados Unidos fora da interferência na Ásia.

 À frente da cúpula de São Petersburgo, Rússia e China advertiram fortemente o Ocidente contra qualquer ataque militar ao Irã. As palavras sendo usadas na diplomacia internacional são uma reminiscência da era da Guerra Fria, no entanto, é o Ocidente que está jogando o papel do agressor, ainda que o agressor conduza em torno de Israel, espiões da sua inteligência e ativos incorporados nos altos escalões dos governos em Washington, Londres, Paris, Berlim e dentro da hierarquia das Nações Unidas.

Dependendo da inteligência que não estamos reunindo a partir da operação que não
estamos realizando, vamos ter de tomar as medidas que não foram planejadas.
 Mesmo o estado vassalo dos EUA, o Afeganistão, ansioso para se libertar dos laços da OTAN e de Washington, alcançou o estatuto de observador na SCO. Comentários recentes do vice-comandante de treinamento da OTAN no Afeganistão, o General do Exército dos EUA Peter Fuller, onde ele disse que a liderança do governo afegão é irregular, seus líderes são ingratos e isolados da realidade, porque o presidente Hamid Karzai afirmou que o Afeganistão estaria lado a lado com o Paquistão na hipótese de uma guerra americana sobre o Paquistão, resultou na demissão de Fuller. Os comentários de Fuller também refletiram em Karzai que pediu o estatuto de observador na SCO em resposta à agressão americana contra o mundo muçulmano e sobre a oposição à soberania da Palestina tem visto a posição de Washington em todo o mundo despencar.

 Outra nação onde a CIA, do Pentágono, tem os seus agentes voando e rastejando, a Mongólia, também é um observador da SCO. Existem também os "parceiros no diálogo" com a SCO - nações que poderiam atingir o status de observadores na SCO ou o estatuto de membros no futuro. Nesses países parceiros no diálogo se incluem Bielorrússia, Sri Lanka, e aquela que deve ser preocupação para Tel Aviv e Washington, a Turquia, um membro da OTAN. Moscou e Ancara concordam que a Turquia deveria eventualmente tornar-se um membro pleno da SCO. A Turquia tem estreitas ligações históricas e culturais com os povos turcos da Ásia Central e com muitas das repúblicas autônomas turcas da Rússia, incluindo Tuva, Bashkortostan, e Adygeya.

 A Turquia tem crescido cansada da interferência de Israel em seus assuntos internos e externos, como o testemunhado pelo ataque israelense contra o navio turco de ajuda a Gaza, Marmara Mavi; A Mossad apoiou os ataques terroristas curdos do PKK na Turquia, e o envolvimento israelense encoberto na Ergenekon prova a "profunda situação" da rede Mossad na Turquia.

 O Irã tem visto agora o mais aberto aliado secreto de Israel, a Arábia Saudita, nomear o antigo chefe da inteligência egípcia e amigo próximo de Netanyahu, Omar Suleiman, como um conselheiro para o suposto herdeiro saudita, o príncipe Nayef bin Abdul Aziz al-Saud, que é também o Ministro do Interior. O eixo Jerusalém-Riyadh está sendo ainda mais cimentado assim como a administração Obama está deslocando 4.000 soldados do Iraque para o Kuwait e reforçando outros bens militares dos EUA no Bahrain - casa da Quinta Frota dos EUA – e no Qatar, Emirados Árabes Unidos e Omã. A CIA e o Pentágono criaram bases de drones Predator no Djibouti, Seychelles, Etiópia, e, alegadamente, na Arábia Saudita.

 O presidente eleito do Quirguistão, o primeiro-ministro Almazbek Atambaev, anunciou a retirada dos EUA e da OTAN da base aérea Manas, o centro de trânsito em seu país, após a locação atual que expira em 2014. No entanto os agentes da organização não-governamental (ONG) Soros-funded no Quirguistão estão tentando sugerir que sob a nova Constituição do Quirguistão, Atambaev não tem autoridade para fechar a base. É este tipo de interferência dos EUA nos assuntos das nações da Ásia que tem feito a SCO preparar uma expansão de seus membros para incluir duas nações que receberam ameaças militares diretas dos EUA: Irã e Paquistão. A suspeita das intenções dos EUA e seus planos militares também fez o pedido de Washington para entrar na SCO como um parceiro no diálogo um assunto morto. O interesse de Washington em participar das cúpulas da SCO como um "parceiro", diz mais sobre a incapacidade da CIA de quebrar o funcionamento interno da SCO, mesmo através de antigos "aliados" como o Afeganistão, Paquistão e Mongólia, do que em ter qualquer desejo de "diálogo" com os membros da SCO e seus observadores. Afinal, AIPAC e seus favoritos conseguiram fazer passar através da Câmara dos EUA uma lei que proíbe qualquer contato diplomático dos EUA com as autoridades de Teerã.

 Presidente Obama está sob uma enorme pressão do lobby de Israel durante o ano eleitoral para apoiar um ataque militar israelense ao Irã, que levará, inevitavelmente, os militares americanos para a guerra à região do Golfo contra o Irã em nome do regime pró-ocidente de Tel Aviv/Jerusalém. Na cúpula do G-20 em Cannes, o presidente francês Nicolas Sarkozy foi ouvido por acaso dizendo a Obama, "eu não posso suportar Netanyahu, ele é um mentiroso." Ao que Obama respondeu: "você está de saco cheio, mas eu tenho que lidar com ele todos os dias."

 O intercâmbio Sarkozy-Obama é instrutivo. Obama não discordou que Netanyahu poderia fazer qualquer coisa ou dizer qualquer coisa para promover os interesses israelenses, até mesmo ao ponto de criar sobre uma falsa ameaça de armas nucleares iranianas para promover um ataque militar ao Irã.

 Israel, usando seus agentes de influência nas delegações da ONU dos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Alemanha, Canadá, Suécia e Holanda, garantiu que o Diretor-Geral Yukiya Amano da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) estragasse o relatório da sua agência sobre o desenvolvimento nuclear iraniano de uma forma que nunca teria sido tolerado pelo seu antecessor, Mohammed ElBaradei. Amano certamente não tomou nenhum interesse no fato que a sua própria nação, o Japão, produzia secretamente armas nucleares no complexo nuclear Fukushima em contravenção às regras da OIEA. As consequências do terremoto destruidor no Japão abriram o trabalho secreto acontecendo em Fukushima. Amano está perfeitamente disposto a agir como uma cifra de Israel e do Lobby de Israel em "descobrir" as violações da AIEA pelo Irã.

 O "Relógio do Juízo Final", do Boletim de Cientistas Atômicos (The Bulletin of Atomic Scientist's), uma medidor do quão próximo o mundo está de uma guerra nuclear, agora está em seis minutos, até meia-noite. Com as maquinações de Israel em relação ao Irã, a crise interna da equipe de Obama na Casa Branca, com o rebaixamento de chefe de gabinete de Bill Daley, e o convite do SCO para o Irã a vir sob o guarda-chuva de segurança de proteção da Rússia e da China, o relógio acaba de saltar vários minutos à frente.

Autor: Wayne Madsen

Fonte: http://globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=27584

Leia também:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology