Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

domingo, 20 de novembro de 2011

A Rússia adverte sobre sérios desdobramentos globais, se o Irã for atacado.

Mapa mostra cenário possível de uma invasão do Irã pelas forças de Israel.
 Relatório da AIEA sobre o Irã não contém provas ou fatos novos

 Em uma entrevista exclusiva com a Voz da Rússia, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo Alexander Lukashevich deu advertências sobre a possibilidade de um ataque militar contra o Irã.

 Alguns dos extratos do relatório da AIEA sobre o programa nuclear iraniano tornaram-se públicos bem antes da sua publicação oficial. Segundo o relatório, o Irã secretamente trabalhou no desenvolvimento de uma arma nuclear até 2003. O presidente israelense, Shimon Peres mostrou-se rápido no sinal de prontidão de Tel Aviv para lançar um ataque militar às instalações nucleares do Irã, em vez de se sentar à mesa de negociações. A Rússia está ferozmente contra tal postura, Alexander Lukashevich salientou:

 "O uso da força só pode ser sancionado pelas decisões do Conselho de Segurança das Nações Unidas ou da Carta da ONU e sua cláusula 51 que prevê o direito à auto-defesa. Nenhuma destas opções já foram discutidas no Conselho de Segurança da ONU. É por isso que, mesmo teoricamente, não podemos pensar em tal cenário horrendo sendo colocado em prática. E nós acreditamos que os políticos que, hipoteticamente, estão especulando sobre o assunto vão cometendo um grave erro ao especular sobre isso em tempo real. "

 Resolver o problema nuclear iraniano por meio do uso da força estaria repleto de implicações regionais e globais, disse Lukashevich, citando Afeganistão, Iraque e Líbia. O cenário da Líbia é uma expressão que dificilmente é grego para alguém, disse ele, acrescentando que que o uso da força passa por cima das normas do direito internacional:

 "A Rússia continua empenhada em seu próprio plano que, infelizmente, não conseguiu se transformar em uma iniciativa coletiva dos envolvidos nas negociações de seis partes sobre o problema nuclear iraniano. Mesmo assim, o documento ainda está sobre a mesa e esperamos que a comunidade internacional junto com o Irã seja capaz de encontrar uma solução pacífica para o problema, que continua a ser uma grande fonte de descontentamento na região e além. "

 Isolar o Irã não é exatamente uma opção, assim como o seu programa nuclear em curso. O Ministério dos Negócios Estrangeiros francês já pediu a convocação de um início de sessão do Conselho de Segurança da ONU sobre o programa nuclear iraniano. Paris também pediu a imposição de duras sanções contra o Irã, dizendo ser improvável a Lukashevich aliviar as tensões:
 "A Rússia, ele diz, acredita que as sanções por cima do programa nuclear iraniano já alcançaram efeito quando a ONU adotou em 2010 a resolução 1929 muito rígida, que deve mostrar ao Irã que a comunidade internacional espera que ele assegura a transparência do seu programa atômico. Os Grandes Seis estão pondo estacas em retomar as conversações com o Irã e classificar todas as questões relacionadas que põem o assunto à OIEA," concluiu Lukashevic.

 O relatório da AIEA sobre o Irã não contém fatos novos, disse Lukashevich:
 "Temos um número inteiro de perguntas com relação às alegações do relatório sobre a natureza militar do programa nuclear iraniano", diz Lukashevich. "Gostaríamos também que o Diretor Geral da OIEA esclarecesse as suas conclusões de longo alcance referentes ao programa nuclear iraniano. Nós gostaríamos de conhecer mais dos instrumentos que a OIEA utilizou para verificar a informação relevante. Nós também gostaríamos de ouvir respostas concretas, baseadas nos fatos e não alegações."

 Os relatórios sobre o suposto envolvimento de um cientista russo no programa nuclear iraniano tem recebido ampla cobertura, mas não foi dado publicidade ao fato de que a Rússia entregou todas as informações sobre este assunto à AIEA a muito tempo atrás, disse Lukashevich:
 "O relatório da AIEA, diz ele, não contém fato novo ou sensacional relativo ao envolvimento do ex-cientista soviético no programa nuclear iraniano. Atulamente, ele é um ucraniano étnico. As alegações sobre o papel fundamental do cientista russo no programa nuclear iraniano refletem a incompetência daqueles especialistas que compilaram o relatório e espelhos no viés da cobertura da mídia sobre o assunto. Que este seja um assunto para a sua consciência ", concluiu Lukashevich.

 O próprio fato de a informação confidencial ter vazado é questão de competência da AIEA sobre o assunto. O vazamento dificilmente irá contribuir para a resolução do problema nuclear iraniano.

Autora:  Denisova Olga

Fonte: http://globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=27651

Leia também:

A guerra forma nuvens sobre o Irã.
Relatório dá provas de que o Irã pode chegar à criação uma bomba atômica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology