Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Jogos de Guerra dos E.U.A com as Filipinas testam os nervos militares da China.

Países da região reinvidicam posse dos campos de petróleo e gás natural no arquipélago Spratly.


"Os Estados Unidos estão perdendo rapidamente sua influência no Sudeste Asiático, e estão tentando manter o status quo não através da diplomacia, mas com a flexão do músculo militar. Os exercícios são concebidos para impedir uma invasão provavelmente chinesa do território disputado. Naturalmente, Pequim não tem tais intenções, mas é importante para os Estados Unidos mostrar que ainda tem aliados na área. A reação da China será extremamente negativo. Pequim normalmente defende os seus territórios com muita robustez, e vai fazer o mesmo sobre o arquipélago Spratly em disputa. "

Os Estados Unidos e as Filipinas estão realizando grandes exercícios militares perto das ilhas Spratly no mar do Sul da China, comentadas por ter um tesouro de energia. Washington e Manila dizem que os exercícios não são uma ameaça para Pequim. A posse das Ilhas Spratly são reivindicadas por China, Vietnã, Filipinas, Brunei e até Taiwan.

Acima à direita as Ilhas Senkaku são disputadas por Taiwan, China e Japão. Abaixo à direita, Ligitan e Sipadan são disputadas por Malásia e Filipinas. No mapa maior seguindo a legenda estão as ilhas do Arquipélago Spratly atualmente ocupadas e a extensão do território marítimo reivindicado pelos países da região.


Os Estados Unidos e as Filipinas concordaram em realizar os exercícios no final de Junho, imediatamente após a escalada entre Pequim e Manila na região do Spratly. A Marinha filipina deliberadamente removeu algumas instalações chinesas na região disputada, declarando uma prontidão para defender vigorosamente a região. Pequim reagiu à preparação dos exercícios militares em grande escala, falando sobre os planos de aumentar o número de barcos de patrulha no arquipélago disputado. A situação na área piorou significativamente nos últimos anos, diz Vladimir Portakov, vice-diretor da Academia Russa de Ciências no "Instituto para o Extremo Oriente.

"A escalada é devido a dois fatores. O primeiro é o vencimento da moratória da ONU sobre a apresentação dos pedidos de propriedade sobre a plataforma adjacente às ilhas. O segundo fator é a descoberta de enormes reservas de gás e petróleo na região. É por isso que a situação piorou e porque as Filipinas e o Vietnã têm intensificado as suas atividades. Em maio deste ano, os arrastões de pesca chineses e navios de investigação geológica foram expulsos da área. Vietnã e Estados Unidosaproveitaram a oportunidade para reforçar a sua posição na região. Alguns países, entre eles as Filipinas, começaram a usar a sua ligação com os Estados Unidos para levar suas reivindicações de posse sobre as ilhas disputadas. Os exercícios de treinamento conjunto dos Estados Unidos e das Filipinas deve ser visto nesse contexto ", disse Vladimir Portakov.

Reinvidicações concorrentes no Mar do Sul da China.

O Secretário de Estado dos EUA, Hillary Clinton, tem abençoado os exercícios, falando do apoio incondicional dos Estados Unidos das Filipinas na disputa a posse com a China. Alexei Maslov da Escola Superior de Economia olha outra característica vital dos exercícios militares conjuntos.

Filipinas permanece, na essência, o único aliado real dos Estados Unidos no Sudeste Asiático, mas isto está se tornando um grande risco pela parceria com a América e a realização de exercícios militares significa, que são, obviamente, para incomodar Pequim. Manila quer mostrar que não é um cãozinho de estimação da China, mas que persegue uma política independente no sul Easth Ásia.

Fonte: http://globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=27164

Leia também:

A espionagem pessoal e a China: O próximo Bin Laden.
Porta-aviões Varyag chinês está quase pronto.
China manterá inalterável sua doutrina de caráter defensivo.
Os E.U.A. mostram o 'Keen Sword' para a China e a Coréia do Norte.
Quatro cenários para o fim da Superpotência Americana.
Novo míssiil chinês pode parar a frota de navios dos Estados Unidos.
China não precisa mais das armas russas para atacar os Estados Unidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology