Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

domingo, 24 de julho de 2011

O mundo unipolar dos Estados Unidos e os poderes compensatórios da Aliança Militar Eurosiática SCO.



O subcontinente indiano e a segurança da Eurásia.

 O "mundo pós-americano" ou "unipolar" falhado está se tornando mais complicado em termos de estrutura e organização, moldando-se sobre um quadro que pode conter o caos liderado pelas "revoluções árabes" e a crise da Líbia. A Organização de Cooperação de Xangai (SCO), atrai a Índia e o Paquistão, em meados de junho,  promete ser tão somente um fator de cimentação.

 Os líderes dos Estados Unidos, que apreciam a compreensão e o suporte de grupos influentes dentro do estabelecimento indiano, têm forte esperança de que uma aliança estratégica com Delhi ajudaria a "conter a expansão da China" na região da Ásia-Pacífico: a "aliança de quatro democracias" - Estados Unidos, Japão, Austrália e Índia - é rotineiramente mencionada na China como "a OTAN do Oriente".

 A população do Sul da Ásia pode chegar a 2 bilhões até 2030. Paquistão, Bangladesh e Índia têm, naturalmente, problemas de desenvolvimento sociais e econômicos especialmente agudos e a estabilidade na região e das instituições do Estado não depende de políticas "social e econômica" dos países do Sul da Ásia .
 

 O subcontinente indiano e os territórios adjacentes tiveram, naturalmente, milhões de ligações invisíveis com a Ásia Central desde tempos imemoriais, estes constituem uma preocupação tradicional para os russos, especialmente desde a recente "revoluçõe árabe".
 

 Muitos especialistas acreditam que a tranqüilidade política na Ásia Central, depende diretamente do equilíbrio das instituições econômicas e políticas no Paquistão. A Rússia deve, portanto, não somente se engajar ativamente na balança intrincada de forças geopolíticas emergentes diante de nossos olhos no Sul da Ásia, mas também usar suas habilidades diplomáticas estrangeiras e expandir os laços econômicos para acalmar os conflitos entre os estados da região e orientá-los para o diálogo constante e compreensão mútua significativa.

 O Presidente da República Islâmica do Paquistão, Asif Ali Zardari, fez uma visita oficial à Rússia a meados de Maio e isto determinará, ao que parece, a trajetória das relações russo-paquistanesas e a dinâmica dos processos políticos na Ásia do Sul e territórios adjacentes daqui em diante.

 Durante a visita, os dois Presidentes, Dmitri Medvedev, e Asif Ali Zardari, discutiram o combate ao terrorismo e tráfico de drogas. Também se concentraram muito na melhoria e intensificação do comércio bilateral e nas relações econômicas, porque o comércio mútuo dos dois países, está em US$ 400 milhões, bem aquém do seu potencial e suas ambições geopolíticas. Nenhuma atenção surpreendente foi dada durante a cúpula à promoção do comércio, investimento e projetos conjuntos. A participação da Rússia na construção de um gasoduto do Turquemenistão para a Índia foi discutida em termos práticos. O gasoduto passaria pelo Afeganistão e o Paquistão. Aliás, os projetos bilaterais entre a Rússia e o Paquistão são consideravelmente mais ambiciosos do que iniciativas similares americano-paquistanesas. A conexão aérea entre os dois países deve ser finalmente restaurada.

 A cooperação com o Paquistão também tem implicações geopolíticas distintas. Durante a visita do Presidente Zardari, os partidos reafirmaram a importância vital de manter a paz interna e a estabilidade no Afeganistão, realçando que a reconciliação nacional lá só pode ser realizada pelos próprios afegãos. Os projetos de desenvolvimento regionais multilaterais baseados na premissa que as economias nacionais de países da Ásia do Sul são mutuamente complementares podem ir um caminho longo em direção à promoção de um acordo político interno no Afeganistão. (A Índia continua sendo a maior doadora regional, tendo investido mais de US$ 1,5 na economia do Afeganistão. A China, no entanto, tem investido no Afeganistão, pelo menos, o dobro).

 A visita de Asif Zardari à Rússia mostrou que o Paquistão está diversificando ativamente seus laços econômicos estrangeiros e  sua política externa. Esta atitude é bem recebida pelos principais aliados "a-qualquer-tempo" do Paquistão, a China, que está a seguir uma política de "suave refreamento inverso" da América na Ásia, incluindo o Paquistão.

 Durante o desenvolvimento de suas relações com o Paquistão, a Rússia deve se lembrar da sua parceria estratégica com a Índia, que foi recentemente descrita como "privilegiada." Tendo em vista o desenvolvimento das relações indianas com a China, a posição da Índia de política externa na região precisa ser reforçada. As relações com os países vizinhos do sul da Ásia com os quais a China está desenvolvendo ativamente laços bilaterais continuam a ser regulamentadas.

 A China está tentando neutralizar forças potencialmente anti-chinesas entre as elites indianas regionais, por exemplo, o planejamento de investimentos maciços na economia do estado de Gujarat, e este é apenas o começo, de acordo com especialistas.

 A Índia tem de restaurar suas relações com a Rússia como uma força potencial de compensação ante a China e que pode agir no interesse da Índia no Sul da Ásia (inclusive através de organizações fora da região). Parece que a preocupação da Índia sobre as intenções geopolíticas da China pode ser abordada por uma cooperação mais estreita entre os países BRICs. No entanto, como observam os especialistas russos, "a elite política russa carece de uma visão estratégica comum do papel do BRIC na futura ordem mundial".

 Deve-se admitir que no atual estado delicado das relações da Rússia com a "maior democracia do mundo", a Índia, é o resultado da negligência por parte de alguns elementos dentro da elite russa com relação a iniciativas indianas na década de 1990, notadamente as idéias de um "triângulo" geopolítico de Rússia, Índia e China.

 De modo pouco surpreende, a perspectiva do alargamento da SCO e sua crescente influência na política mundial é mal recebida pelos americanos, que vêem estes novos processos como sinais da crescente atividade geopolítica da China e, possivelmente, da Rússia.

 Não há lógica para a sua preocupação. Como nos tempos de Mackinder (1861-1947), a Eurásia permanece o coração do mundo.

 Ao mesmo tempo, a América - não importa quais as instituições, os mecanismos e os laços informais a que possam recorrer - será cada vez com mais dificuldade que promoverão tentativas de controlar o comportamento das potências continentais (Rússia, Alemanha e assim por diante), e muito menos a China. O socorro eficaz para os Estados Unidos de Grã-Bretanha e França - hoje e especialmente no futuro - é ainda menos provável. Assim, o papel da Índia, outra importante potência continental , está a aumentar dramaticamente sobre os planos dos Estados Unidos para preservar a sua preeminência global.

 Refletindo sobre o papel do subcontinente indiano no sentido de garantir a segurança euro-asiática, é de se lembrar o desenvolvimento progressivo das relações russo-indianas e tentar se livrar da bagagem negativa acumulada nas relações entre os dois países ao longo das últimas duas décadas. Deve ser lembrado que o colapso da União Soviética, seguido da "retirada" da Rússia da Índia (no âmbito do comércio, geopolítica e da influência cultural e ideológica), criou uma atitude negativa para a Rússia entre os vários segmentos sócio-políticos na sociedade indiana. Os grupos influentes dentro da classe governante já relegaram a Rússia “ao segundo time” na política mundial. No sistema atual de coordenadas de políticas estrangeiras, o estabelecimento político indiano vê a Rússia como um estado regional com influência limitada sobre os acontecimentos mundiais.

 Os céticos em Delhi deram certamente um recuo ofensivo à Rússia na oferta para fornecer 126 aviões de caça multipropósito à Índia (um contrato digno de 9.2 bilhões de dólares). A Rússia, porém, faria bem em olhar para este revés com mais ampla clareza política-econômica e geopolítica.

 Isso levanta duas questões que devem ser tratadas rápida e eficazmente, se a política externa da Rússia está a ser eficaz e se a Rússia deve continuar a ser um "campo de gravitação" no sistema mundial. Primeiro, será que a Índia (ou qualquer outro) político-militar estabelecimento está a ter dúvidas sobre a capacidade da indústria de defesa russa para suprir os seus parceiros com os sistemas de armas necessários, incorporando as últimas plataformas técnico-militares capazes de garantir a sua segurança no médio e no longo prazo, digamos, até 2050? Segundo, o Estado russo deve prosseguir com uma política eficaz no que diz  respeito à indústria de defesa em um mundo onde a política externa do país depende do seu potencial científico e técnico e da capacidade da economia para absorver as últimas realizações intelectuais rapidamente?

 As respostas a estas questões gerais ajudará a Rússia a "resetar" as suas relações com a Índia e outros países sul-asiáticos e fazer uma contribuição concreta para a segurança na Eurásia.

Autor: Andrei Volodin - Pesquisador Sênior da Academia de Ciências Russa (RAS) Instituto de Economia Mundial e Relações Internacionais.

FONTE: http://globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=25176
 
Leia também:

2 comentários:

  1. Parabéns pelo blog e obrigado pelas traduções de matérias altamente pertinentes. Belo trabalho!

    saudações

    ResponderExcluir
  2. Valeu pelo comentário. Obrigado pela visita.

    ResponderExcluir

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology