Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Geórgia descarta guerra com a Rússia.

Comparação das forças em movimento na guerra russo-georgiana em 2008. Foto: bellum.com.pl

 A Geórgia descarta promover outra guerra com a Rússia para "retomar os territórios ocupados” da Abkhásia e Ossétia do Sul, afirmou o presidente georgiano, Mikail Saakashvili, ao intervir na tribuna do Parlamento Europeu, em Estrasburgo.

 Saakashvili concluiu que é necessário “demostrar paciência a nível estratégico” para alcançar a libertação da  quinta parte do território georgiano e reconcilia-se com a Rússia, com a qual a Geórgia rompeu as relações diplomáticas em 2008, após Moscow apoiar e o reconhecer a independência de Abkhásia e Ossétia do Sul. “Não podemos mudar nossa geografia, precisamos encontrar uma maneira de conquistar acordos com a Rússia”, disse.

Cronologia da Guerra em agosto de 2008.

 Zurab Abashidze, antigo embaixador da Geórgia na Rússia, informou numa entrevista com o periódico Vremya Novostei que o Kremlin “tem agora uma relação mais construtiva com os Estados unidos e a OTAN”, sendo assim “resulta mais fácil achar uma fórmula de comunicação entre Moscow e Tbilisi”.

 O politólogo georgiano Paata Zakareishvili dá sua opinão dizendo que “Saakashvili não quer na realidade o diálogo com a Rússia e só a espeita forçosamente considerando a postura dos Estados Unidos e da Europa”. “Nem Obama nem os europeus necessitan agora se injuriar contra Moscow”, declarou.

 Konstantín Kosachov, chefe do comitê de assuntos internacionais na camara baixa do Parlamento russo, sugeiu “referendar em documento anexo” a proclamada abstenção de usar a fuerza para o restabelecimento da integridade territorial da Geórgia. Se Tbilisi firmasse o respectivo acordo com Abkhásia e Ossétia do Sul, “Rússia poderia atuar na qualidade de fiador”, afirmou o parlamentar.

Fonte: http://sp.rian.ru/international/20101124/147946760.html

Leia também:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology